Conexão Lia Nagel

quarta-feira, 10 de março de 2021

Independência Emocional

Nos orgulhamos de nossa independência emocional.
Claro, não é bem assim: continuamos precisando dos outros na nossa vida inteira, mas é uma “vergonha” demonstrar isso, então preferimos chorar escondidos.

E quando alguém nos pede ajuda, esta pessoa é considerada fraca, incapaz de controlar seus sentimentos.


A palavra independência em geral é definida como a desassociação de um ser em relação a outro, do qual dependia ou era por ele dominado.
É o estado de quem ou do que tem liberdade ou autonomia.
Se a independência financeira em geral não é alcançada a menos que primeiro sejamos específicos naquilo que queremos alcançar e então ir em busca daquilo. Dependemos do aprendizado sobre esse assunto para criar independência financeira.


Aproveite esse momento e se pergunte com profunda atenção em sua resposta. “O que seria independência financeira para mim”? “O que eu teria de ter ou ser para me sentir independente financeiramente”?
E a mesma regra você deve aplicada em relação a independência emocional.


Alguma vez você já se perguntou:


“Que tipo de pessoa eu teria de ter a meu lado para eu me sentir independente e feliz em relação a mim mesma (o)”? “Como seria essa pessoa”? “Que tipo de personalidade teria de ter para eu admirar e respeitar essa pessoa”? E assim por diante.


Quanto a você que se sente independente em pelo menos algumas das independências parabéns!

Sugiro procurar aprimorar as que não foram lapidadas ainda, não somos perfeitos, mas dá gosto querer se sentir perto das vitorias ultrapassando nossas limitações.

O primeiro passo para assumir o controle de nossas vidas é: cultivar saúde emocional, obtendo relação saudável com si mesmo, e depois com os demais. Auto estima, auto confiança, nutrição emocional. E, clareza mental a respeito de quem somos, e proximidade com nossa essência. E, assumir o compromisso de optar sempre pelo melhor em nossas vidas, independente das escolhas dos outros.


Muitas vezes está tudo bem, você dominando a situação, só, feliz, inteiro, sem dívidas, sem culpas, sem qualquer outro no coração ou na cabeça – livre, desocupado, disponível e, mais que tudo, absolutamente feliz! Pronto para começar uma nova relação e certo de que isso não faz a menor diferença para seu estado de espírito.


Independente de qualquer coisa você deve continuar se amando, amando os outros, mas deixou esvaziar aquela sensação enlouquecida de necessitar do outro para respirar. Pode, por isso, analisar incluir ou não uma relação na sua vida. Pode escolher: entrar ou não em um relacionamento saudável. Pode decidir por manter tudo como está ou recomeçar a amar, e isso é muito melhor.


No trabalho se você consegue estar bem, apesar de muitos a seu lado ainda não possam alcançar o estado em que chegou!


Chegar aqui dá trabalho? Sim, um trabalhão danado.


Demanda trabalhar a auto estima, mudar o foco e deixar para lá a função insana de se ocupar com o outro. É importante mudar de lado e assumir a si mesmo. Abrir mão da dependência emocional, evoluir principalmente.


Tudo é possível, mas não é nada simples e muito menos rápido, vai ter muitos momentos em que estará sozinha não por medo, mas por opção!


Até porque, o fato de ter feito escolhas erradas, simplesmente não pode condená-lo a continuar errando e a única forma de sair desse círculo é compreender que sim, você errou, escolheu o pior e se deixou iludir.


Mas passa! Dói, mas crescer dói, olhar para os erros é dolorido, compreender o que nos faz manter um comportamento doente, vicioso, o que nos faz viver uma vida é um temor. Procure olhar para trás, mas continuar andar pra frente, seja forte, você consegue.


Amadurecer é um caminho inevitável, e quando conseguir entender, ai conseguira se auto conhecer ai está tudo bem. Sem os véus é possível viver. Viver de forma diferente. No aqui, agora, para escolher melhor com base em todo o aprendizado, isso que você vai alcançar.


Procure fazer uso desse poder de escolha é mesmo o máximo!


E faz tão bem, que eu realmente recomendo deixar de lado o que não serve e focar no que faz bem! Esse é mesmo o melhor dos mundos. E, para tal, não há mágica.
É preciso deixar de lado tudo o que for piloto automático, conforto desconfortável, acomodação.


É necessário usar a força e a coragem – que pode estar escondida por anos de submissão. É preciso pegar a vida com as próprias mãos. Deve definir os caminhos, as diretrizes a forma como quer chegar do outro lado.


Plantar o bom para colher beleza, verdade, bondade. Respirar e inspirar. Viver porque é bom. Porque podemos mais.
Para conseguir tudo isso deve sonhar e também auto conhecimento, recuperação da auto estima e, um toque de desapego. Desapego da dor, do sofrimento, de tudo o que não é coerente com as nossas novas escolhas, tudo isso junto com seus sonhos.

Pois nunca devemos nos esquecer de nossos sonhos.

Por isso, quando está tudo bem podemos sempre celebrar!


Festejar, a vida, as datas importantes, o momento, tudo enfim, e para isso viva, pense escolha, e seja muito feliz!


Fonte: Lia Nagel; Terra.


segunda-feira, 8 de março de 2021

Chocolates e Enxaqueca


Excesso de chocolate pode causar mais crises de Enxaqueca! Cuidado com os exageros com chocolate na Páscoa.

A enxaqueca é uma doença multifatorial, com uma predisposição interna e fatores desencadeantes externos. Dos fatores desencadeantes, dos fatores que causam enxaqueca, dividimos em fatores alimentares, ambientais, hormonais e comportamentais.

Dentre os fatores alimentares estão entre os mais importantes o jejum (ficar sem comer, pular refeições), o álcool, o excesso de cafeína (presente no café, chás pretos, refrigerantes, chocolates e analgésicos). Outros fatores alimentares menos frequentes são os adoçantes, glutamato monossódico (aji-no-moto), condimentos, temperos fortes, enlatados, embutidos, frutas cítricas, nozes, sorvete, comida gordurosa.

O CHOCOLATE

Chocolate é um alimento desencadeante de crises de enxaqueca, é uma das causas da enxaqueca, embora não seja a predominante. Existe até um mito de que o chocolate sendo consumido na fase de pródromo, anterior a crise de enxaqueca, quando uma vontade de comer doce toma conta de quem tem enxaqueca e em seguida (horas depois) vem a enxaqueca, muitas vezes se põe a culpa no chocolate, mas na verdade pode ter sido apenas o pródromo da enxaqueca.


Mas na PÁSCOA o CHOCOLATE passa a ter uma importância maior, com o exagero do consumo, muitas pessoas, inclusive crianças passam a ter crises de enxaqueca com a ingesta dos chocolates.
O chocolate pode desencadear crises de enxaqueca por várias razões, pelo seu conteúdo de:
1. Cafeína, 2. Gordura, 3. presença de nozes ou outras frutas secas.
Cuidado com os exageros! 
Não exceda no consumo do chocolate!

Segundo a nutricionista Vanessa Santos, o chocolate tem uma grande quantidade de substâncias que podem trazer sérios problemas de saúde.
O chocolate em excesso engorda mesmo. Um bombom de 13 gramas tem 70 calorias. Entretanto, pesquisas têm mostrado que essa guloseima pode fazer bem à saúde. Consumido na medida certa ele é capaz de manter as células jovens e a pressão arterial controlada.
O chocolate é composto de substâncias poderosas para o nosso organismo:
O triptofano ajuda no desenvolvimento do feto em mulheres grávidas.
O aminoácido também produz serotonina, um remédio para as tensas.
A massa de cacau também tem magnésio, bom para combater o estresse.
Um alerta: É necessário ficar atento a tabela nutricional do produto, pois quanto menos valor calórico tiver o chocolate, menos prejuízos à saúde ele pode causar.

Fonte: Folha de São Paulo; Dr Mario Peres, médico neurologista; Vanessa Santos, nutricionista; Lia Nagel.

sábado, 6 de março de 2021

Pré menopausa e menopausa


Pré menopausa

A pré menopausa ou climatério é o período de transição que ocorre de 2 a 4 anos antes da última menstruação.

Caracteriza-se pela irregularidade nos ciclos menstruais, diminuição nos níveis dos hormônios sexuais (progesterona e estrógeno) e presença de alguns sintomas como suores noturnos, fogachos (ondas de calor), perda da lubrificação vaginal, depressão, irritabilidade, ansiedade e insônia.


Estes sintomas variam de uma pessoa para a outra.


Quando os hormônios diminuem, são observadas alterações na pele e curvas da mulher. Isto acontece porque a falta de colágeno leva à perda de elasticidade da pele e dos vasos sanguíneos, com redução da massa muscular e aumento de gordura corporal localizada.
Ah, bendita barriguinha!
A queda do estrógeno também leva a um aumento das taxas de colesterol e triglicérides que, por sua vez, pode levar ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Ocorre, ainda, um prejuízo na captação e absorção de cálcio pelos ossos levando à osteoporose.

Por isso, é importante que você comece a cuidar de sua alimentação agora mesmo.
Mas, que alimentos são indispensáveis para a mulher nesta fase?
Neste período é preciso preservar a massa muscular e reduzir o acúmulo de gordura corporal para prevenir a osteoporose, fortificar o sistema imunológico etc.
As regras básicas são:


1. Beber muita água - de 8 a 10 copos de água e sucos por dia. Isso ajuda a regular a temperatura do corpo pela transpiração, levam embora toxinas pela urina e transportam nutrientes e outras substâncias pelo corpo inteiro.

2. Evitar alimentos ricos em cafeína (café, chá mate, chá preto, etc.), refrigerantes e bebidas alcoólicas destiladas (pinga, uísque, etc.) ou fermentadas (cerveja). Essas bebidas atuam como diuréticos e aumentam a perda de líquidos e nutrientes pela urina.

3. Reduzir os alimentos gordurosos de origem animal e aumentar o consumo de azeite de oliva extra virgem - rico em gorduras mono-insaturadas, diretamente associadas à redução do risco de desenvolvimento de doenças degenerativas. Apesar de caro, o azeite de oliva deve ser considerado um investimento em nossa saúde.

4. Diminuir o consumo de sal, pois se consumido em excesso, o sódio de sua composição pode levar à pressão alta ou hipertensão arterial.

5. Diminuir o consumo de açúcar refinado e das preparações que o contenham. Atenção: o excesso de açúcar se transforma em energia de reserva e aumenta nossa quantidade de gordura.

6. Dieta rica em cálcio - aumente o consumo dos alimentos que são fontes de cálcio, como leite, iogurte desnatado, queijos brancos e magros, soja e derivados, peixes, legumes, brócolis, couve, repolho, etc. O cálcio é fundamental para fortalecer os ossos, dentes e unhas. Só uma coisinha: não coma, na mesma refeição, alimentos fonte de cálcio com alimentos fonte de ferro (carnes, por exemplo), pois o cálcio prejudica a absorção do ferro e pode acabar sobrando uma anemia para você!

7. Procure incluir sementes de linhaça na sua alimentação diária, pois contém ligninas, um tipo de fitoestrogênio utilizado como alternativa na Terapia de Reposição Hormonal. O mesmo para os alimentos fonte de isoflavonas como os feijões, ervilhas, lentilhas grão de bico e a soja.

Uma alimentação balanceada é o alicerce para uma boa saúde.
As fases de pré menopausa, menopausa e pós menopausa precisam de muito equilíbrio nutricional para que seus possíveis danos orgânicos sejam minimizados e até excluídos. Por isso, lembre-se: todo o “querer” está em você, em sua mente.


Fonte: Centrinho/Usp


O aumento de peso da mulher depois da menopausa

Durante esse período, o nível do hormônio estrógeno diminui, fazendo com que o metabolismo da mulher fique mais lento e, consequentemente, facilitando o acúmulo de gorduras.

A menopausa jamais deve ser considerada uma doença, ela é um estágio da vida da mulher onde ocorrem diversas transformações e pode ser considerada como um estado de transição, onde o corpo feminino começa a se preparar para o envelhecimento.

Durante a puberdade, o corpo da mulher é comandado basicamente pelo estrógeno, um hormônio que dita a maior parte das transformações do organismo nesta fase da vida. O estrógeno modifica a silhueta da menina, arredonda os quadris, afina a cintura e faz com que os seios despontem.

Com o passar dos anos, a taxa de produção do estrógeno cai e as funções que ele exerce acabam ficando prejudicadas. As maiores dificuldades sentidas com a menopausa são as variações de sensação de calor e frio, a osteoporose, a menor lubrificação do tecido vaginal e o aumento de peso.

Com o nível do estrógeno baixando, o metabolismo também diminui e, com isso, os depósitos de gordura no organismo aumentam. Sem o hormônio agindo sobre o corpo, as distribuições de gordura se tornam desordenadas, modificando o aspecto físico.

As características mais comuns da menopausa são o aumento da medida da cintura e do abdome e do volume dos seios. O tecido magro (aquele desprovido de células que armazenam gordura), a massa muscular, a água e a massa óssea diminuem com a chegada da terceira idade, porém isso não é motivo para esperar o tempo passar.

A maioria das mudanças no organismo da mulher durante a menopausa pode ser controlada seguindo uma dieta balanceada e a prática regular de exercícios físicos. A alimentação é o primeiro ponto que merece atenção especial.

Comidas gordurosas e pesadas devem ceder lugar a saladas, pratos leves e muita água. As bebidas alcoólicas devem ser restringidas e a ingestão de açúcar controlada.

Os exercícios também devem seguir uma cadência que favoreça o bem estar e a saúde da mulher. Nada de exageros e de exigir demais do seu corpo.

Na terceira idade a mulher pode se exercitar normalmente, mas sempre é bom lembrar que o acompanhamento de um profissional capacitado e de um médico é fundamental.



Fonte: Unimed


Conheça os sintomas da menopausa

Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários.
Ou seja, os ovários deixam de produzir os hormônios estrógeno e progesterona.

Não é uma doença, é apenas um estágio na vida da mulher. A principal característica da menopausa é a parada das menstruações.

No entanto em muitas mulheres a menopausa se anuncia por irregularidades menstruais, menstruações mais escassas, hemorragias, menstruações mais ou menos freqüentes.

Não existe idade predeterminada para a menopausa. Geralmente ocorre entre os 45 e os 55 anos, no entanto pode ocorrer a partir dos 40 anos sem que isto seja um problema.


Sintomas da Menopausa


Se bem que em algumas mulheres não sintam nada durante o período da menopausa, a maioria poderá sentir alguns sintomas:

1. Ondas de calor
2. Suores noturnos
3. Insônia
4. Menor desejo sexual
5. Irritabilidade
6. Depressão
7. Ressecamento vaginal
8. Dor durante o ato sexual
9. Diminuição da atenção e memória

Causa dos sintomas


O estrogênio é o hormônio básico da mulher. Sua produção começa na adolescência, quando é responsável pelo aparecimento dos sinais sexuais secundários na mulher, e vai até a menopausa.

A falta de estrogênio causa as ondas de calor ou fogachos em aproximadamente 75 a 80 % das mulheres.

O estrogênio também é responsável pela textura da pele feminina e pela distribuição de gordura. Sua falta causará a diminuição do brilho da pele e uma distribuição de gordura mais masculina, ou seja, na barriga.

É a falta de estrogênio que causa a secura vaginal que acaba por afetar o desejo sexual, pois transforma as relações em algo desagradável e doloroso.

O estrogênio também é relacionado ao equilíbrio entre as gorduras no sangue, colesterol e hdl-colesterol.

Estudos mostram que as mulheres na menopausa têm uma chance muito maior de sofrerem ataques cardíacos ou doenças cardiovasculares.

Uma outra alteração importante na saúde da mulher pela falta de estrogênio é a irritabilidade e a depressão.

O estrogênio está associado a sentimentos de alta estima e a falta dele pode causar depressão em graus variados.

Por último o estrogênio é responsável pela fixação do cálcio nos ossos.

Após a menopausa grande parte das mulheres passará a perder o cálcio dos ossos, doença chamada osteoporose, responsável por fraturas e por grande perda na qualidade de vida da mulher.

Estudos recentes têm associado a falta de estrogênio ao Mal de Alzheimer, perda total da memória.

Tratamento da Menopausa


Terapia Hormonal

Se o que falta na menopausa é o estrógeno nada mais lógico que a base do tratamento seja a reposição hormonal com o estrógeno.

Em mulheres que ainda tem o útero é importante associar a progesterona para proteger contra o risco de câncer do endométrio.

Mas o mais importante hoje é que o tratamento deve ser individualizado. Médico e paciente devem discutir todas as vantagens e riscos dos diversos tipos de terapia existentes e chegar a um consenso sobre o que fazer.

Vantagens do tratamento


1. Redução do Risco de osteoposose
2. Redução dos Riscos de Doenças Cárdio-vasculares
3. Melhora da Depressão
4. Melhora da Atividade Sexual
5. Melhora da Memória com possível prevenção da Doença de Alzheimer

Desvantagens

1. Custo do Tratamento.
2. Tratamento Prolongado.
3. Volta da Menstruação em algumas mulheres.
4. Agravamento da possibilidade de Câncer de Mama em mulheres suscetíveis

O que não é verdade

1. Tratamento com hormônios aumenta os pelos no corpo
2. Tratamento com hormônios engorda
3. Tratamento com hormônio causa câncer


Outros Tratamentos


No entanto para as mulheres que não podem usar os estrógenos existem alternativas com medicamentos que diminuem os sintomas e/ou os efeitos da menopausa.

O seu médico saberá identificar as vantagens e desvantagens de cada medicamento.
Como reduzir os sintomas do climatério.
Nutrição


Uma dieta alimentar adequada e bem balanceada torna a mulher mais saudável em qualquer idade. É aconselhável, que a mulher tenha uma alimentação pobre em gorduras e colesterol e rica em fibras, vitaminas e sais minerais, principalmente cálcio, que é um importante componente do osso.

Atividade Física


Os exercícios físicos são muito importantes para manter a mulher com boa saúde. A atividade física reduz a perda óssea e é fundamental para o coração e vasos sanguíneos.

Além de causar bem estar, já que durante a atividade física há liberação de endorfinas, que são substâncias produzidas no cérebro e que dão sensação de satisfação. A estes benefícios podemos adicionar a manutenção do peso que evita a deformação do corpo e o aumento do risco cardiovascular.

Hábitos


É aconselhável não fumar e diminuir o consumo de café, chá preto ou mate, bebida alcoólica e sal, pois:

A mulher fumante entra na menopausa 1,2 a 2 anos antes que a não fumante, pois a nicotina dificulta a ação do estrogênio.

Além disso, a tabagista tem risco aumentado de doenças cardíacas e vasculares, de osteoporose e de piora da qualidade da pele.

O consumo exagerado de café (mais do que 6 xícaras de café por dia) eleva o risco de osteoporose. E a ingestão de café, chá preto ou mate antes de deitar pode aumentar o risco de insônia, uma vez que esses produtos têm substâncias estimulantes.

A ingestão de bebida alcoólica em longo prazo pode causar alterações no fígado.

A ingestão de sal através dos alimentos, em decorrência da relação desse componente com a hipertensão arterial (pressão alta).

Terapêutica de Reposição Hormonal


Muitas vezes, apenas a dieta alimentar, os exercícios físicos, as alterações de hábitos não impedem a manifestação de sintomas de curto, médio e longo prazo.

Por este motivo a mulher nesta fase em que há deficiência hormonal deve consultar o médico, com o intuito de avaliar a conveniência da instituição de um tratamento para os sintomas do climatério.


A menopausa é um evento natural, porém suas conseqüências não o são. Não é preciso sofrer por causa das consequências dos sintomas e dos problemas que o climatério pode causar.

PROCURE SEMPRE O SEU MÉDICO

Fonte: Zambon