Conexão Lia Nagel

terça-feira, 30 de abril de 2013

Ciclo menstrual e período fértil

Entenda seu ciclo menstrual

Primeiro alguns dados



Toda menina nasce com até 450 mil óvulos armazenados nos ovários.
Na época da primeira menstruação, geralmente entre os 10 e os 14 anos, esses óvulos começam a ser amadurecer e a ser liberados, um a um, mensalmente. O óvulo é liberado do ovário e cai em estruturas parecidas com franjas na extremidade da tuba uterina (ou trompa de Falópio), que o vão transportando, devagar, com um movimento ondulatório, até o útero.
Se no meio do caminho o óvulo for fertilizado por um espermatozóide, ele vai se alojar quando chegar ao útero e se multiplicar até se transformar no bebê e na placenta. Se a fertilização não acontecer, o óvulo será eliminado, junto com o revestimento interno do útero -- o que compõe sua menstruação.

Como é um ciclo menstrual normal?




Um ciclo menstrual normal costuma durar 28 dias, contando desde o primeiro dia da menstruação até o início da menstruação seguinte.
Há mulheres que têm ciclos bem mais curtos, com até 23 dias, e outras possuem ciclos mais compridos, de até 35 dias. Ciclos mais curtos ou mais longos que isso têm mais probabilidade de ser anormais, por isso é aconselhável conversar com o ginecologista. Também é preciso ser avaliada pelo médico se você tiver sangramentos no meio do ciclo ou depois de ter relações sexuais.

Como os hormônios funcionam?




Seu ciclo menstrual é controlado por uma série de hormônios produzidos por partes diferentes do corpo:

• Hormônio liberador de gonadotropina (produzido pelo hipotálamo, que fica no cérebro)

• Hormônio folículo-estimulante (produzido pela hipófise, uma glândula que também fica no cérebro)

• Hormônio luteinizante (também produzido pela hipófise)

• Estrogênio (produzido pelos ovários)

• Progesterona (também produzida pelos ovários)

O processo começa no cérebro. O hipotálamo produz o hormônio liberador da gonadotropina (GnRh), que vai até a hipófise e determina a produção ali do hormônio folículo-estimulante (FSH). O FSH entra na corrente sanguínea e chega até os ovários, estimulando o amadurecimento dos óvulos. Entre 15 e 20 "sacos", chamados folículos, contendo óvulos começam a amadurecer. Um deles (às vezes dois ou mais) se desenvolve mais rápido que os outros: é o folículo dominante.



O FSH também estimula os ovários a produzir estrogênio. Esse hormônio incentiva os óvulos a amadurecer e determina que o revestimento interno do útero fique mais espesso, para que possa abrigar um eventual óvulo fertilizado.

Ovulação: o óvulo é liberado



À medida que os níveis de estrogênio no sangue aumentam, os níveis de FSH diminuem temporariamente, para depois crescerem de novo. Esse novo aumento é acompanhado pela forte secreção pela hipófise do hormônio luteinizante (LH). É o LH que deflagra a ovulação -- o momento em que o óvulo mais maduro rompe o folículo e sai do ovário. Logo que é liberado, o óvulo é capturado pela extremidade da tuba uterina (ou trompa de Falópio).
O colo do útero, o "gargalo" que une o útero à vagina, normalmente produz um muco opaco e espesso, que os espermatozóides não conseguem penetrar. Pouco antes da ovulação, no entanto, o estrogênio faz com que essa secreção mude de aspecto: ela fica mais fina, transparente e viscosa, parecida com clara de ovo. Através dela os espermatozóides conseguem passar pelo colo do útero e nadar até as tubas uterinas, para então encontrar o óvulo. É na tuba (ou trompa) que a fertilização costuma acontecer.

Depois da ovulação



Dentro do ovário, o folículo vazio de onde o óvulo saiu se transforma no corpo lúteo. Trata-se de um pequeno aglomerado de células amarelado, que começa a produzir a progesterona. A ação da progesterona faz com que o muco que reveste o colo do útero e a vagina volte a ficar opaco e impenetrável aos espermatozóides. Também estimula o revestimento interno do útero, que fica mais espesso e de aspecto esponjoso, devido ao forte afluxo de sangue. É o endométrio, que está pronto para receber o zigoto (óvulo fertilizado por um espermatozóide).
Conforme a concentração de progesterona no corpo aumenta, os seios ficam mais volumosos e sensíveis. A hipófise pára de produzir o FSH, para que nenhum outro óvulo amadureça.

Quando há fertilização...



Quando um espermatozóide fertiliza o óvulo dentro da tuba uterina, o óvulo continua descendo até chegar ao útero, onde se aninha no endométrio, o revestimento interno do útero. A essa altura, o zigoto já possui cerca de 150 células. A viagem desde o ovário até o útero leva cerca de cinco dias. Os níveis de progesterona continuam altos, o corpo lúteo continua trabalhando e pode se transformar num cisto temporário, e é possível que você comece a sentir os primeiros sintomas da gravidez.

Quando não há fertilização...

Se o óvulo não for fertilizado ou se, mesmo fertilizado, não conseguir se implantar no endométrio, ele começa a se desintegrar, e o corpo lúteo diminui. Os níveis de estrogênio e de progesterona caem, e o revestimento interno do útero começa a produzir prostaglandina. Essa substância modifica a irrigação sanguínea do útero, fazendo com que o endométrio se rompa e que o útero comece a se contrair para expulsá-lo (daí a cólica menstrual). A menstruação desce, e o óvulo não-fertilizado é eliminado junto com o revestimento uterino. Com isso, o ciclo recomeça.


Como determinar o período fértil


A maioria das mulheres sonha em ser mães. Quando chega o momento deste sonho se realizar, começam a surgir inúmeras dúvidas.
Nesta matéria você poderá tirar algumas destas dúvidas e começar a se preparar para o grande momento de sua vida, a maternidade.
O primeiro passo é visitar seu ginecologista para que ele possa indicar alguns exames que devem ser feitos, (HIV, urina, toxoplasmose, rubéola, entre outros).
É importante também, que você tome acido fólico três meses antes de engravidar e durante os três primeiros meses de gestação.

Como determinar o período fértil?



Para determinar o período fértil, a mulher deve começar a contar a partir do primeiro dia da menstruação, este será o dia 1. Nas mulheres que possuem um ciclo regular a ovulação ocorre normalmente no dia 14 deste ciclo. O período fértil inicia no dia 10 e vai até o dia 17.
Quando se pretende engravidar, deve-se manter relações dia sim, dia não, durante estes dias e nunca mais de uma relação no mesmo dia.
Existem outros métodos para identificar se você está ovulando, a temperatura basal, o muco cervical, o ultra-som transvaginal sequencial e o teste de ovulação. A seguir, você poderá entender o que é cada um deles.

O que é a temperatura basal?



É a temperatura do corpo de uma pessoa, que acaba de acordar, depois de ter dormido serenamente durante 6 horas ou mais. Para sermos mais exatos, a temperatura basal é aquela que deve ser tirada 12 horas depois de ter ingerido qualquer alimento, depois de seis horas de sono e antes de fazer movimentos ou de sofrer qualquer alteração emocional.

Como se mede a temperatura basal?



A temperatura deve ser tomada sempre da mesma forma (pela boca, via vaginal ou retal) e de preferência sempre no mesmo horário.
O ideal seria tomar a temperatura ao acordar, sem levantar da cama, falar ou se mexer.
Geralmente, quando a mulher está para ovular, ocorre uma queda de temperatura e quando ela já ovulou a temperatura se eleva bruscamente. A variação pode ser de 0,3 a 1,0 graus. Veja a tabela que preparamos para que você possa fazer o controle de sua temperatura.

Muco cervical


O muco cervical é uma secreção eliminada pela vagina nos dias férteis. Sua aparência é igual a da clara de ovo, transparente e elástica. Quando esta secreção aparece, provavelmente a mulher está iniciando seu período fértil. Quando esta secreção se torna mais abundante e mais elástica, provavelmente ocorreu a ovulação.



Ultrassom transvaginal sequencial



O ultrassom transvaginal é capaz de visualizar com perfeição se a mulher vai ovular, quantos óvulos tem a possibilidade de serem expelidos e de que ovário (direito ou esquerdo) ele sairá. Normalmente, deve-se realizar este exame no dia 13, 14 e 15 do ciclo menstrual.

Teste de ovulação


É um teste vendido em farmácias que detecta o aumento repentino do Hormônio Luteinizante (LH) na urina. Este processo funciona através de uma reação, confirmando ou não o resultado. O pico de LH determina o início do processo de ovulação que se produzirá entre 24 a 36 horas depois. Este é o momento de maior fertilidade da mulher.



É importante saber que este teste não deve ser usado como método contraceptivo, pois não é designado para prevenir ou ajudar na prevenção da gravidez.




Fonte: Lia Nagel; Ultrassom3d;
brasil.babycenter




6 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada e desculpe pela demora em responder!!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada e desculpe pela demora em responder!!

      Excluir
  3. Tudo que eu queria saber.

    ResponderExcluir
  4. Que bom saber que minhas informações têm sido úteis!! Obrigada pelos comentários! Isso é um incentivo pra mim! Abraços carinhosos!!!Lia

    ResponderExcluir