Conexão Lia Nagel

quarta-feira, 13 de abril de 2011

A ciência do beijo

Beijo sinaliza a compatibilidade do casal
Segundo psicóloga, ponderar sobre os instintos na hora de beijar pode dizer muito mais do que apenas o prazer temporário



Na hora do beijo, quando o casal se aproxima, fica face a face, a troca de sentimentos, olhares e odores estimula a produção e liberação de feromônios, substâncias químicas transmitidas por animais da mesma espécie e que permitem o reconhecimento mútuo e sexual dos indivíduos. Ou seja, o beijo permite identificar a afinidade biológica entre os parceiros.

Gostar de beijar determinada pessoa, indica que ela tem características biológicas e orgânicas que sintonizam-se com as suas

De acordo com a psicóloga e conselheira amorosa Eliete Matielo "o beijo é capaz de sinalizar a compatibilidade do casal. Conscientemente beijamos porque é bom. No nível do inconsciente, beijo bom é aquele biologicamente compatível para gerar descendentes saudáveis e preservar a espécie". É evidente que nem todas as pessoas que beijamos na vida, beijamos com a intenção de gerar descendentes, mas é através da percepção da afinidade biológica que podemos observar a relação afetiva como uma rede de afinidades, a começar pelo beijo.

Exigências?!


As mulheres são mais exigentes que os homens nos aspectos de estética, dentes, hálito e se o homem beija bem para, então, se sentir atraída para uma relação sexual. Isso, porque ela é emocional, o ver apenas não basta; é preciso sentir. Já os homens não dão prioridade para o beijo para despertar interesse sexual. Ele é mental e visual, se atrai pelo que vê da mulher.

Beijo compatível

Se você tem vontade e gosta de beijar determinada pessoa é porque ela tem características e substâncias biológicas e orgânicas que sintonizam com as suas. Isso explica porque, às vezes, não gostamos do beijo e/ou do cheiro de uma determinada pessoa que aparentemente é bonita.

Beijo racional

É aquele beijo que está ligado com a escolha mental da pessoa. Geralmente, acontece quando não há vontade instintiva em beijar, e sim, interesse em beijar. O beijo de balada, por exemplo, sem critérios; o beijo por interesse do status, em estar com alguém de prestígio social; o beijo por interesse sexual ou ainda o beijo pelo sucesso de bens materiais do outro... A psicologia social ainda explica que o beijo quantitativo, o "ficar", de hoje em dia, também está relacionado ao grupo de comportamento racional.

Objetivos


Com esta análise a especialista não quer discriminar os beijos das baladas, e os beijos mais descompromissados, mas apenas colocar mais conhecimento sobre o funcionamento do nosso organismo e psique. "Saber dosar as ações entre os impulsos e conhecimento pode tornar as escolhas mais assertivas e certeiras em sua vida afetiva", finaliza.

Fonte: Bonde

Nenhum comentário:

Postar um comentário