Conexão Lia Nagel

domingo, 2 de dezembro de 2012

Aparelhos ortodônticos: não tem limite de idade ...






É cada vez mais comum se deparar com adultos utilizando aparelhos ortodônticos. Com as novas tecnologias e aparelhos menos visíveis, o caminho pelo sorriso perfeito se torna muito mais curto. Dependendo do caso, em poucos meses já se atinge o resultado desejado. Confira nossas dicas e descubra o aparelho ideal para o problema.


A procura da estética no sorriso é o principal fator pelo qual os adultos buscam o tratamento ortodôntico. “Acredito que o uso de aparelho demonstra cuidado consigo próprio. São conceitos de atualidade que parecem moda. Existem pessoas que mesmo sem necessidade evidente, querem colocar aparelho”, diz a ortodontista Cristiane Rosa, da Ortocris Dental Care (SP). Por outro lado, muitas pessoas que precisam fazer o uso têm receio se, de fato, o tratamento irá funcionar depois de adulto. De acordo com o ortodontista Leandro Lukacsak, da OralFix (SP), o resultado nos adultos também é satisfatório. “O tratamento para correção de posicionamento dos dentes serve para qualquer idade.” Outra dúvida comum entre os pacientes é se seus dentes conseguirão se movimentar igualmente como de um paciente mais jovem. Para a ortodontista Luciana Abrão Malta, da Odonto Valian (SP), os dentes dos adultos se movimentam como de uma criança, porém a força que deve ser exercida no aparelho precisa ser mais controlada para evitar dores e reabsorção das raízes, já que o paciente adulto não possui o mesmo metabolismo de uma criança. “Uma grande desvantagem dos pacientes adultos é que não podemos contar com o crescimento. Pacientes que apresentam uma discrepância muito grande do tamanho da maxila e da mandíbula, ou que apresenta arcos dentários muito estreitos, não podem ser corrigidos somente com o uso de aparelhos ortodônticos. Muitas vezes temos que utilizar procedimentos cirúrgicos ou extrações dentárias para atingir o objetivo desejado”, fala.
Dê tempo ao tempo O prazo de uso dos aparelhos ortodônticos caiu bastante em vista de alguns anos atrás. “Hoje em dia, com materiais modernos, o tratamento dura, em média, dois anos”, explica a ortodontista Beatriz Pinotti, da Akaki Odontologia (SP). O tempo de tratamento é variável, conforme a complexidade de cada caso e de fatores comportamentais: se o paciente é assíduo às consultas ou não; se é dedicado às orientações ao uso de elásticos; se há necessidade de cirurgia ou a fazer sessões de fonoaudiologia, enfim, fatores que podem determinar o tempo de tratamento. Vale lembrar que após a finalização do tratamento ortodôntico é necessária a inserção de aparelho de contenção fixa ou removível, por períodos variáveis e controlados para acompanhar o pós-tratamento. “Mesmo com a correção perfeita, os dentes podem entortar por conta da respiração bucal, tipo de face, posição do lábio, da língua, força muscular e relação entre os ossos da face. Por isso o tratamento de correção dentária é sempre realizado não só pelo ortodontista, mas em conjunto com outros profissionais, como: fonoaudiólogo, otorrinolaringologista, dentre outros. Assim, o resultado será bom, com um pós-tratamento estável”, diz o ortodontista Luiz Fernando Valério, da RMV Ortodontia (SP).
O melhor aparelho para cada um Existem várias opções de aparelhos para o tratamento de pacientes adultos. As principais diferenças são o custo e a exigência estética do paciente. Veja a ficha técnica de cada um deles:
Bráquetes metálicos Aparelhos metálicos comuns, que são feito de aço inoxidável. Atualmente são pequenos e muito mais confortáveis. A maioria dos pacientes gosta de colocar elásticos coloridos, trocados a cada manutenção. A manutenção mensal varia de 15 a 21 dias.
Essa versão é a menos utilizada pelos adultos por ser muito chamativa
Bráquetes Autoligáveis Eles utilizam alta tecnologia. Este tratamento permite que o fio deslise livremente dentro do bráquete, com mínimo atrito, diminuindo o tempo de tratamento e número de ajustes necessários no aparelho. Eles não utilizam as famosas borrachinhas, que podem ser coloridas ou transparentes. Dessa forma, estes aparelhos nunca amarelam, resultando em maior conforto para o paciente. A manutenção mensal varia de 15 a 21 dias.
Braquetes estéticos (safira ou cerâmicos) Muitos pacientes gostam da combinação entre a cerâmica e o metal, pois simultaneamente é estético e resistente. Estes bráquetes não amarelam as borrachinhas, que são as causas deste incômodo. Para evitar este problema, usamos os elásticos de silicone, aumentando o tempo de permanência da transparência das mesmas. A manutenção mensal varia de 15 a 21 dias.
Aparelho lingual É a técnica em que o aparelho fixo é colado no lado interno dos dentes. Este tipo de aparelho é indicado para os pacientes que necessitam de tratamento ortodôntico fixo e não querem exibir bráquetes colados em seus dentes por motivos pessoais ou profissionais. Esta técnica foi desenvolvida nos Estados Unidos na década de 70, pela necessidade de tratamento ortodôntico em modelos, artistas de cinema, políticos, esportistas e demais pessoas públicas. Seu tempo de tratamento é o mesmo que o aparelho convencional. A manutenção é igual a do aparelho fixo. Varia de 15 à 21 dias.
Invisalign Utiliza jogos de plaquinhas removíveis transparentes feitas sob medida. Estas placas, chamadas de alinhadores, são praticamente invisíveis e reposicionam seus dentes passo a passo. O paciente retira o aparelho para comer, escovar os dentes e passar fio dental. A troca dos alinhadores é a cada duas semanas, mas a manutenção mensal pode demorar de 15 dias a um mês. Os resultados aparecem entre seis meses a um ano.
Aparelho móvel tradicional São dispositivos móveis de acrílico utilizado para movimentar os dentes, reeducar a musculatura facial, estimular o desenvolvimento ósseo e muscular em pacientes em crescimento. Nos pacientes adultos, podem ser utilizados para minimizar problemas na articulação temporomandibular (ATM), tratamentos de ronco e apneia, bruxismo e apertamento dos dentes. Por serem removíveis, o sucesso do tratamento dependerá da cooperação do paciente. O tempo de tratamento varia com o objetivo do tratamento. Manutenção varia de 21 dias a um mês.
O aparelho móvel é também utlizado para minimizar ronco, apneia e bruxismo
Limpeza é fundamental Veja a maneira correta de manter aparelho e dentes sempre limpinhos. Seu sorriso agradece!
Aparelhos ortodônticos fixos > o fio dental deve ser usado com a ajuda do “passa fio”, acessório semelhante a uma agulha de plástico onde se coloca a linha para a passagem do fio entre os dentes. A escovação deve ser feita normalmente, conforme a orientação do seu dentista. Uma dica: para limpar a parte superior dos dentes, faça movimentos de “cima para baixo” e de “baixo para cima” nos dentes inferiores. Depois feche os dentes e faça com sua escova movimentos circulares (bolinha) para completar a escovação. Lembre-se que nunca deve-se fazer força quando estiver escovando os dentes, pois isto pode machucar a gengiva e quebrar o aparelho. Com movimentos de vai-e-vem, limpe a face oclusal (parte de cima dos dentes). Use a escova interdental para auxiliar na limpeza entre os dentes e ao redor dos bráquetes. O uso de bochechos com flúor de manhã e à noite pode ser indicado pelo seu ortodontista.
Aparelhos móveis > a limpeza dos aparelhos móveis deve ser feita com ele fora da boca, assim, você pode escovar os dentes e passar o fio dental normalmente, sem estar com o aparelho colocado. Para a limpeza do aparelho pode-se usar uma escova de dente mais dura e pasta dental convencional. Limpe-o com cuidado para não entortar os fios. Não se esqueça de escovar as áreas da gengiva cobertas pelo seu aparelho móvel. Isso inclui a parte superior da sua boca, caso use aparelho móvel nos dentes superiores. Após escovar muito bem seu aparelho, enxágue com bastante água corrente.
Aparelhos linguais > A limpeza é semelhante a dos aparelhos ortodônticos fixos, só que a higienização dos bráquetes e a passagem do ‘passa fio’ são feitas na parte posterior dos dentes, onde os bráquetes estão colados”, finaliza a ortodontista Luciana Abrão Malta.

Fonte: Andressa D’Amato; Lia Nagel

Nenhum comentário:

Postar um comentário