Conexão Lia Nagel

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Liderando através dos perfis comportamentais: Metodologia DISC

Há mais de seis anos tive o primeiro contato com a ferramenta dos Perfis Comportamentais, também conhecida como Perfil DISC.


Naquela época atuava como gestora numa rede de academias, onde coordenei a implantação de um projeto de mapeamento dos nossos clientes, entendendo quais as características e as preferências de cada um, para que pudéssemos definir qual seria o professor responsável pelos resultados e pela motivação desse cliente durante todo o período de sua permanência em nosso estabelecimento.

Após uma reunião de definição dos passos para esse projeto, cada coordenador ficou responsável em fazer o levantamento e a classificação dos clientes de seu departamento.


A surpresa foi quando pude perceber como cada um dos coordenadores começou a agir de forma diferente para realizar a tarefa.

Um deles no dia seguinte já me entregou toda a tarefa realizada, perguntando qual seria o próximo passo, para que ele já pudesse iniciar.

Outro veio me pedir um modelo de planilha, pois sem essa informação ele não conseguiria trabalhar.

Enquanto que outro, passado uma semana não tinha nem iniciado o processo e só conseguiu finalizá-lo quando sentamos juntos para executar a tarefa.

Essa experiência fez com que eu refletisse sobre a questão que sempre surge ao falarmos sobre liderança, que é a importância de liderar diferentemente cada uma das pessoas.


Numa equipe de trabalho encontramos diferentes habilidades e talentos e logo, percebemos que as ações que motivam uma pessoa muitas vezes não funcionam com outra.

Por isso, existem ferramentas no mercado que abordam e identificam essas características individuais, auxiliando no desenvolvimento da liderança.

Uma delas, conhecida como Perfil de Comportamento DISC teve sua origem em 1928, através dos estudos de Marston, que observou a existência de quatro tipos diferentes de comportamento.


O primeiro deles é conhecido como um perfil de alta Dominância, e tem como principais características: ser direto, objetivo, rápido, voltado para desafios e resultados.

Conhecido como alta Influência, o segundo perfil é bastante carismático, otimista, persuasivo, voltado para pessoas e relacionamentos.


O terceiro é o de alta Estabilidade, ou seja: mais calmo, tranquilo, um bom ouvinte, com foco em segurança e persistência para fazer uma tarefa de cada vez e completá-la até o final.

O último é o perfil de alta Conformidade, no sentido de realizar as tarefas conforme as regras e os procedimentos que foram estabelecidos, sendo um perfil mais analítico, detalhista e meticuloso.

Segundo Marston, as pessoas apresentam combinações desses diferentes fatores, apresentando, dessa forma, habilidades e talentos específicos para executar as tarefas diárias.


Uma pessoa com alta Dominância tende a ser motivada com trabalhos desafiadores, que ela possa realizar de forma autônoma e independente.

Uma pessoa de alta Influência prefere atividades em que se possa ter contato com outras pessoas, que haja interação e ter um reconhecimento preferencialmente em público das tarefas que executou.

Já uma pessoa com o perfil de alta Estabilidade precisa de mais tempo para executar suas atividades, gosta de um ambiente seguro, onde possa realizar uma tarefa de cada vez, mas até o final.

O quarto perfil, a pessoa de alta Conformidade, precisa saber exatamente como é esperado que se realize uma tarefa e qual é o procedimento a ser seguido. Gosta de trabalhos que requerem precisão e análise lógica.

Se o líder tiver a habilidade de identificar essas diferenças e direcionar as tarefas de forma específica para cada perfil, além da pessoa se sentir mais motivada com o seu trabalho estará mais engajada para a realização do mesmo, podendo trazer melhores resultados.

Outra forma que o líder pode utilizar a ferramenta dos Perfis Comportamentais é estar atento aos pontos de melhoria que cada perfil apresenta.


Por exemplo, o perfil de alta Dominância tem que ter cuidado para não atropelar as pessoas que estão a sua volta, devido à forma direta de se comunicar e a rapidez com que executa as tarefas.

O perfil de alta Influência precisa estar atento para não perder o foco durante a realização de uma tarefa, principalmente quando começa a interagir com outra pessoa.

A pessoa de alta Estabilidade deve entender que as mudanças são oportunidades de crescimento e que a segurança no trabalho vem através do resultado que ela entrega.

O perfil de alta Conformidade deve aprender que a flexibilidade muitas vezes é necessária.

Algumas vezes, os procedimentos que foram definidos não se aplicam numa determinada situação.


Para que o líder consiga entender esse conceito e mudar a sua forma de liderar baseando-se no Perfil Comportamental do seu liderado, ele deve primeiramente conhecer o seu Perfil Comportamental preferencial e posteriormente o perfil de cada pessoa da sua equipe. Dessa forma, o líder pode adaptar-se aos diferentes estilos e assim, conseguir atingir a alta performance de sua equipe.

Então, eu pergunto:

Você se conhece como líder, consegue descrever suas preferências de comportamento?


Se não consegue identificar, pense quem poderia ser a melhor pessoa para lhe ajudar nesse processo.

Agora, se você consegue identificar algumas de suas características, você tem se adaptado para melhor atender o seu liderado ou acredita que é o liderado quem deve se adaptar a você?


Experimente, busque se comunicar, delegar, negociar de forma diferente e verá os resultados que poderá alcançar.


Fonte: Veronica Ahrens




Nenhum comentário:

Postar um comentário