Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Diferenças entre homens canalhas e homens cafajestes!!! (Reedição 2017)




É comum eu encontrar no blog vários comentários do tipo “nossa, você nem parece cafajeste”, “me admira uma declaração dessas vindas de um cafajeste” ou “Você tem sentimentos?”.


Muitas mulheres confundem um homem canalha de um homem cafajeste .


Por isso resolvi colocar uma lista de diferenças entre os dois seres:

1-) O canalha transa com uma garota e sai contando pra todos os seus amigos pra tirar vantagem e descarta ela da sua lista. O cafajeste transa, conta só pra seus amigos mais chegados, mas mantém contato com a garota. Afinal ele pode precisar dos seus favores quando tiver na seca.

2-) O canalha sai beijando todas que ve pela frente na balada. É muito legal ficar disputando com os amigos quem beija mais (afinal seu cérebro parou de se desenvolver aos 14 anos de idade). O cafajeste escolhe uma só, a mais interessante. Fica com ela a noite toda, troca até contatos, por que se não sair do lugar pra transar com ela, vai transar num outro dia.

3-) O canalha não sabe tratar bem uma mulher. É grosso, mal educado, destrata pessoas humildes ou empregados como prova de superioridade. O cafajeste sabe quando e que intensidade agradar. Compra chocolate, bichinhos-bonitinhos-de-pelúcia e leva a restaurantes finos, com o único objetivo de fazer a mulher se sentir valorizada e assim alcançar seu objetivo, sexo.

4-) O canalha é burro. Seu senso crítico limita-se a análise do gol mais bonito da semana ou de qual a mais gostosa do Big Brother. O cafajeste sabe se virar em qualquer assunto, se é necessário discutir sobre a moda da estação na frente de mulheres ele vira um estilista, se a garota é fã de Chopin ele se torna um frequentador de concertos, etc


5-) O canalha adora aparecer. Estufa o peito na frente das mulheres, faz piadas prontas, é o amigão de todo mundo e só sabe contar vantagem. O cafajeste não precisa de auto promoção, o boca a boca é feito pelas próprias pessoas que estão ao seu redor. Ele se adapta ao ambiente mudando sua personalidade de acordo com a ocasião. Ou seja, um é pavão o outro camaleão.

6-) O canalha mente. O cafajeste omite.

7-) O canalha não sabe elogiar (ou xavecar, como se diz em sampa). Quando o faz é tão ruim que se torna uma cantada de pião, “uau, que gata!”, “que delícia”, “o la em casa”. O cafajeste sabe elogiar os pontos-chaves da mulher, “nossa, lindo o seu cabelo”, “que sorriso”, “você emagreceu?”.

8 -) O canalha não sabe cuidar de mais de uma mulher. Acaba confundindo nomes, esquece de ligar pra uma, dá mais atenção pra outra, deixa pistas, etc. O cafajeste sabe tratar todas por igual, quando não está afim de sair com uma ele liga ou manda um sms “bonitinho” pra não perder contato. E mesmo que a mulher saiba que ele é um cafajeste, ele a faz crer que é especial e que pode rolar algo sério.

9-) O canalha deixa pista. Seu scrapbook é lotado de recadinhos de mulheres, no subtitle do seu msn ele cita nomes de mulheres, seu celular está cheio de mensagens comprometedoras e sua mãe sempre entrega o jogo (“o x saiu com uma amiga”). O cafajeste apaga todas as pistas, seu scrapbook é apagado diariamente, o msn tem nicks abrangentes que podem ser adaptados pra qualquer uma (“Que saudades de você”), o celular nunca tem mensagens, e sua mãe é grande aliada pois ele sempre diz pra ela que foi na casa de um amigo.

10-) Canalha é substantivo, cafajeste adjetivo!!!


Resultado de imagem para diferença entre canalha e CAFAJESTE



E no "Aurélio" .......
Quando você ouve a palavra "cafajeste" o que lhe ocorre de imediato?


Caso seja uma mulher lendo esse texto, talvez você pense que um homem sendo chamado dessa forma é aquele cara sem nenhum escrúpulo que faz de tudo para conseguir o que quer, geralmente convergindo em SEXO.

Há também aquelas que pensam que um "cafajeste" utiliza-se de alguns artifícios baixos para conseguir outras coisas, como dinheiro por exemplo.

Aquele que pega todas, que só vive na "putaria", que não liga para os sentimentos alheios, também sem enquadra nessa definição de homem.


Vejamos então a definição de "cafajeste" segundo o dicionário:cafajeste

s. m.
1. Bras. Homem de ínfima ou ruim condição.
2. Indivíduo inútil.
3. O que, na gíria escolar coimbrã, se chama futrica.


Parece-nos que nenhuma dessa definição é suficiente para condizer com a fama que essa palavra tem e toda sua versátil contextualização. Então, permito-me a expressar que a pluralização semântica dessa palavra eleva o ser "cafajeste" a patamares indefinidos.
Importante estabelecer uma diferença feita pelos por aqueles que se julgam "cafajeste" que é a separação total do "canalha" que segundo o mesmo dicionário, define:

canalha

s. f.
1. Ralé, ínfima plebe.
2. Crianças pequenas.
s. m.
3. Patife.


Mais uma vez a definição não é suficiente, mas em termos práticos o canalha não "trabalha" de forma parecida com o "cafajeste". Ele(Canalha) é um sujeito, muita das vezes, considerado, vil, velhaco e mau caráter. O canalha é abominável, não sabe tratar uma mulher, de maneira geral, não sabe tratar ninguém bem.

O Novo Cafajeste!!!
Qual é então o propósito do "Novo Cafajeste"?
Acredito que o propósito é subdividir, ou melhor, colocar essa idéia em camadas, por que não existe só um tipo. O tipo que se destaca é o que eu tentarei defender, pois ele está, com certeza, em um patamar diferente dos outros.
Então, para finalizar esse primeiro texto, garanto que existe um tipo de "cafajeste" que as mulheres amam e odeiam, ou odeiam amar ou até, amam odiar. Esse é o que eu tento ser, é esse que eu defendo.
O NOVO CAFAJESTE!

O BOM CAFAJESTE!!!!




REGRAS BÁSICAS DE CONDUTA DO BOM CAFAJESTE:
1 – O bom cafajeste não mente por esporte, apenas em caso de necessidade extrema*. No mais, limita-se à omissão;
2 – O bom cafajeste nunca, jamais e em tempo algum, jura amor eterno ou fidelidade. Se você precisa dizer “te amo”, “faço tudo por você”, “mudo de vida”, “largo tudo por você” e afins, para convencer uma mulher a ir pra cama, você é um idiota;
3 – O bom cafajeste nunca alardeia suas conquistas. Quem come calado come duas vezes;
4 – O bom cafajeste é escravo das mulheres, e não seu senhor;
5 – As mulheres sempre sabem que o bom cafajeste está sendo exatamente o que ele é: cafajeste;
6 – O bom cafajeste nunca trata mal uma mulher;
7 – Conquistar mulheres fáceis, do tipo que fica com qualquer um, não tem a menor graça. Coisa de amador;
8 – “Case comigo”, “Você é minha noiva”, “Gosto de você há anos, você que nunca percebeu”, e afins, não fazem parte do vocabulário cafajestiano. Recurso de criança;
9 – Mulher tem que ser, antes de tudo, inteligente. As idiotas ficam para os “conquistadores”;
10 – O bom cafajeste nunca caça em bandos, nunca ataca em locais públicos, e nega até à morte qualquer suposição em contrário.
* Casos de necessidade extrema: Negar uma “traição”, seja para a ficante/namorada/esposa ou para o corno da vez…

II – EXPLICAÇÕES GERAIS:
Antes de ser linchado pelas feministas de plantão, ou pelos “conquistadores”, deixo aqui o conceito do bom cafajeste.
O bom cafajeste é o cara que tem carisma, e sabe usá-lo. Apaixonado pela conquista, dificilmente resiste à paquera e a relações onde haja prazer físico e intelectual mútuo. Perceba-se, porém, que o bom cafajeste foge ao estereótipo do “namorado/marido/traidor/galinha”, uma vez que sempre deixa claro que é cafajeste, que tem propensão à “traição” (conceito que considera mal empregado), não jura amor eterno ou fidelidade, e é sempre, acima de tudo, discreto. A mulher que se relaciona com um indivíduo dessa categoria, quando fugazmente, tem em geral uma relação curta e extremamente prazerosa. Numa relação longa, esta sabe o que esperar do seu parceiro, e dificilmente fica sabendo de algo que a faça sofrer.
Fique claro também que o bom cafajeste, quando comprometido, nunca “trai” por esporte, não fica com qualquer uma nem sai de casa à procura de prazer vazio ou freqüente. A relação extra-conjugal, para o bom cafajeste, só pode existir quando há paixão real, não por mera atração física, e nunca por alguém intelectualmente inferir à sua parceira regular. É um acaso que ele não procura, mas com o qual, ao se deparar, não foge jamais.
Em linhas gerais, o bom cafajeste se diferencia do “gostosão”, do “conquistador/contador de vantagem” e do simples “homo safadus” por assumir sua cafajestice, mas ser ao mesmo tempo romântico, sensível, tratar bem todas as mulheres e nunca mentir para conquistar…”

COMO RECONHECER OS CAFAJESTES!!???



De cara, ele pode parecer irresistivelmente sedutor. Mas o modo de agir nem sempre é o mesmo, embora um único rótulo seja usado para classificar qualquer homem com tendências a praticar canalhices. Para ajudar a enxergar os sinais de perigo antes mesmo de você se envolver e se machucar, conheça os diferentes perfis desse tipo
A tese pode não ter comprovação científica, mas a observação dos amores da vida real indica que é verdadeira: homens ao estilo gente boa, atenciosos e dedicados não despertam tantas e tão acaloradas paixões quanto os que têm ares de aventureiro indomável e deveriam trazer escrito na testa ‘Pouco confiável’. Jovem ou madura, quase toda mulher tem ao menos um romance-encrenca para contar. É que a lista de razões que faz a preferência feminina recair sobre o homem-roubada é extensa.
Para começar, o tipo cafajeste é realmente sedutor -e, se nossa auto-estima estiver baixa e a carência, alta, ele vai parecer ainda mais irresistível. ‘O cafajeste é propaganda enganosa’, diz Fabricio Carpinejar, autor do livro de crônicas ‘Canalha!’ (ed. Bertrand Brasil). Para ele, a mulher que se deixa levar pelo ‘cafa’ é carente e pouco exigente. ‘Como ele cria um papel, e certamente será desmascarado, procura as ingênuas. Assim, a farsa dura mais.’
Segundo a antropóloga Mirian Goldenberg, autora de livros como ‘Coroas – Corpo, Envelhecimento, Casamento e Infidelidade’ (ed. Record), esse tipo é competente para satisfazer o desejo de toda mulher de ter um homem que a faça se sentir única e insubstituível. ‘O cafajeste conhece a técnica de sedução para conseguir que tanto a esposa quanto a amante, ou várias namoradas, acreditem que são ‘o amor da vida dele”, afirma Mirian. Ainda que alguma delas note pistas de que ele não está sendo sincero, é quase certo que se apegue à idéia de que ‘comigo, vai ser diferente, meu amor irá mudá-lo’. Um erro. ‘Só mudarão os falsos cafajestes’, diz a psiquiatra e psicanalista francesa Marie-France Hirigoyen, autora de ‘A Violência no Casal’ (ed. Bertrand Brasil). ‘O verdadeiro não pode ser transformado porque tem necessidade de esmagar o outro para existir.’
Até o rótulo de cafajeste, um tanto genérico, contribui para sermos atraídas para emboscadas. Acontece que os ‘cafas’ não seguem um único script. Ao contrário, podem assumir diferentes personagens, tornando mais difícil desmascará-los antes de o estrago estar feito. Como medida preventiva, confira suas várias faces. Talvez dê para enxergar o sinal amarelo a tempo de frear na próxima vez em que um deles cruzar o seu caminho.
O insensível
Ele é como um marinheiro, em constantes viagens pelo mundo. Não quer envolvimento, apenas curtir momentos ao lado de uma mulher, sempre com o olhar voltado para o horizonte, já pensando no próximo porto. Existe alguém mais irresistível do que esse aventureiro insensível, cheio de histórias e perfumes de diferentes lugares, com o dom de desaparecer antes mesmo de o romance ter começado? Ele pode ser visto como um cafajeste, mas também como um herói. O problema é que só trabalha em causa própria. Você sofre porque ele some justamente quando está apaixonada e envolvida. O que ele pode fazer, se nunca lhe prometeu nada e o amor nem é o seu objetivo? No fundo, não há como censurá-lo.



Por que ele é assim? Pode ser que esteja se protegendo do amor ou que esse sentimento não lhe diga nada. ‘Para dar e receber amor, é preciso, antes de mais nada, ter essa cultura’, diz o psiquiatra francês Serge Hefez. ‘Isso significa ter sido amado o suficiente quando criança. Mas, frequentemente, esses homens nem sabem o que é o amor. Alguns estão absorvidos demais em si mesmos, outros estão apenas em busca de qualquer coisa que os leve embora. Nos dois casos, a relação de amor é vista como perigosa, pois ameaça seu egocentrismo ou freia suas aventuras.’


O predador



Consumista, enxerga as mulheres expostas em uma arara e com uma data de validade que raramente ultrapassa um fim de semana. Ama o romance pronta-entrega e pode até ser grosseiro ou agressivo ao receber uma recusa. Acha-se irresistível e seduz com frases do tipo ‘Eu sinto algo especial entre nós’. Gosta de ostentar, coleciona cartões de crédito e ama espelhos no quarto para se ver em ação. Ele ‘caça’ mesmo acompanhado e é capaz de trair sua mulher com a melhor amiga dela. Nos sites de relacionamento, procura variados perfis (ou seja, qualquer uma) e está sempre disposto a fazer promessas de amor eterno.



Por que ele é assim? Tem a autoestima baixíssima e, por ser desprovido de amor-próprio, trata suas mulheres com o mesmo desprezo. Como inconscientemente acredita não merecer quem seduz, sabota a relação. Mas há outra possibilidade: amar não é sua prioridade. Já que as ambições profissionais e/ou sociais ocupam todo o seu tempo, o sexo sem envolvimento basta para ele.
O dominador




Sufoca, esmaga e destrói. É o ás das críticas e, na intimidade ou em público, sabe desvalorizar sua mulher como ninguém. Os três quilos perdidos são ‘comemorados’ com a desagradável frase ‘Você não tem mais peitos’. Convencido de que é um erudito, impõe seu ponto de vista como se fosse um especialista, seja qual for o tema em pauta, de geopolítica a coloração de cabelos. A parceira acaba se anulando e desenvolvendo ferrenha autocensura.
Por que ele é assim? ‘Sua sobrevivência psíquica parece estar ligada à depreciação dos outros. Ele é como alguém que se afoga e esmaga a cabeça do seu salva-vidas para sobreviver’, compara a terapeuta comportamental Isabelle Nazaré-Aga, da França. Ao oprimir o outro, ele se sente poderoso. Não raro, esse homem se acha a parte inferior do casal, seja porque seu trabalho é menos valorizado e ele ganha menos ou porque seu grau de instrução é menor do que o da parceira.
O narcisista


Charmoso e cativante até o momento em que você cometer o ‘erro’ de ter problemas. Diante de depressão, doenças, dificuldades no trabalho, desemprego e afins, ele sai pela tangente. É que ele não suporta qualquer coisa que possa provocar máculas à própria imagem e sonha em formar um casal tão perfeito que faria o Ken e a Barbie morrerem de inveja. Então, se você não está mais em forma -ou, pior, ele julga que nunca esteve-, ‘procurará outro alguém com quem poderá passar uma imagem que lhe permita continuar em seu pedestal’, diz Marie-France.
Por que ele é assim? ‘Espera que o casal cure seu mal-estar interior. O que oferece não é nada além de um amor narcisista e é difícil distinguir a adoração do ser amado da adoração de si mesmo’, afirma Marie-France. Hefez completa: ‘Ele não tem autoestima devido a decepções precoces. Mal-amado, não-amado, rejeitado, o que resta senão amar a si mesmo?’
O medroso


O amor é encarado como contratempo. Pode se mostrar atencioso, amável, feliz em interagir com seus amigos e sempre disposto a fazer declarações. Mas, quando perceber que você está pronta a transformar o ‘eu’ em ‘nós’, entrará em pânico e se tornará distante ou sumirá. Recusará (por e-mail!) até os programas que ele mesmo planejou com você. Pode até cancelar um casamento marcado. Você não poderá fazer nada, pois o problema é com ele mesmo.
Por que ele é assim? ‘Tem medo de se perder e ser engolido pelo amor, de ser abandonado ou traído’, afirma Marie-France. ‘Sua infância não o permitiu elaborar bases suficientemente sólidas para que seu narcisismo aceite que amar é também correr o risco de sofrer. Como as relações afetivas não oferecem garantias, alguns preferem fugir. Outros se tornam agressivos para mascarar o menininho amedrontado dentro dele.’
O mentiroso


Nunca sabe o nome do hotel que esteve agora há pouco nem lembra seu número de telefone para avisar que vai demorar. Quando muito, é possível alcançá-lo no celular. Se você o questiona sobre as reuniões repentinas aos domingos, ele contra-ataca: ‘Para fazer uma pergunta dessas, você deve ter algo a esconder!’ Marie-France analisa: ‘Seu objetivo é sempre estar por cima. Assim, desestabiliza a mulher e a leva a duvidar da veracidade daquilo que acaba de acontecer ou de ser dito.’
Por que ele é assim? Porque funciona para ele. Esse homem ama a si mesmo e seu único objetivo é o próprio conforto, por isso adapta os cenários às suas necessidades. Pouco importa o que o outro sente. Ele construiu uma imagem negativa das mulheres, que vê como poderosas, logo perigosas. Então, na presença delas, se sente subjugado e reage.
O desapegado


Mantém rígido controle sobre si e não gosta de se arriscar. Você sempre o leva para casa (nunca cogitam ir à dele) ou a um hotel e ele parte às 3h sem explicações, cafés da manhã a dois ou aparições em público. Nunca a apresenta aos amigos nem quer conhecer os seus. Jamais tiram férias juntos. Apaixonada, você nem percebe. Até ele desaparecer.
Por que ele é assim? ‘O amor é visto como uma complicação a mais em um mundo já difícil e ele prefere ficar na esfera confortável das relações sem amanhã’, analisa Marie-France. Outra possibilidade: ele idealiza demais e, como encontrar a perfeição é impossível, seus relacionamentos são sempre mornos. ‘Ele vive inconscientemente o fracasso de suas relações como se isso fosse benéfico, pois seus fantasmas e ilusões continuam intactos’, diz a psicanalista francesa Sophie Cadalen.
O adolescente

Não quer crescer e abandonar os maus hábitos que aprendeu com a mamãe. Mesmo que esteja comprometido, ele continuará a se ver como um garoto solteiro. Seus amigos são sua prioridade e, tranquilamente, a abandonará um fim de semana inteiro por qualquer diversão com eles. Colocará sempre os pés na mesa e nunca os pratos na pia. O problema é que ele a vê como mamãe-empregada-gueixa.
Por que ele é assim? Foi criado com a ideia de que ‘mulheres devem servir aos homens, consolá-los e dar-lhes estabilidade’, diz Marie-France.
O perverso


Atencioso no começo, faz com que se sinta ‘a eleita’. Como sabe fingir reciprocidade, logo a deixa viciada nele. Mas, quando você mostra que foi fisgada, seu comportamento muda. Apenas na intimidade. A sós, ele destrói sua autoconfiança, mina suas certezas, alimenta suas culpas. Em público, continua agindo como um perfeito príncipe. É sua tática para mantê-la isolada. O que
adianta desabafar se ninguém acreditará em você?



Por que ele é assim? ‘Recusar-se a ter uma comunicação direta é sua grande arma. A mulher se vê obrigada a fazer exigências e dar respostas que a levam a cometer erros. E ele sempre enfatiza esses erros para lembrar sua nulidade’, avalia Marie-France. Resultado: a parceira se sente esvaziada, idiota e sozinha. O tipo é destrutivo e não sabe ser de outra forma. ‘Normalmente, foi machucado na infância e tenta sobreviver da forma como aprendeu. Para muitos, é impossível não associar o amor ao ódio.

Fonte: Fabricio Carpinejar




Os Canalhas .... a culpa é das mulheres!!!

Vamos ao fato: vocês, mulheres, são as grandes culpadas pela existência dos canalhas.

É isso mesmo.

VOCÊS SÃO AS CULPADAS. Sim, vocês.


Não digo isso por misoginia, não estou aqui tirando o corpo fora e nem adotando qualquer teoria maluca. É tudo muito simples, facilmente explicável e, ouso dizer, quase inatacável (digo “quase” porque é sempre divertido quando vocês esperneiam no espaço dos comentários).



Começando Pelo Começo
Vocês já viram como as mães tratam os filhos homens? Salvo raras (e falo em “raras” pelo benefício da dúvida, porque nunca as vi) exceções, é sempre a mesma coisa. Não apenas mimam, mas os transformam em pequenos monarcas prepotentes.
Não adianta meramente ensinar a falar “por favor” e “obrigado”, mas em todo o mais tratar o pirralhinho como se fosse um Messias. Porque, nessa primeira fase da vida, obviamente ele não sairá cantando meio mundo, mas é óbvio que guardará a prepotência para mais tarde.


Na Escola
As coleguinhas — e digam se estou mentindo! — tratam os bonitões como príncipes. E eles devolvem na moeda oposta: riem, tripudiam, pisam em cima etc. Os homens, é claro, fazem a mesma coisa com as bonitonas. É o tal jogo das conquistas escolares: pouca gente cobiçada, muitos cobiçando e levando na cabeça.
Mas, com o tempo, os meninos começam a atirar para todo lado (leia-se: da quarta série em diante). Mas as meninas, ah!, elas não desistem. Prosseguem empedernidas na busca pelo Santo Graal da Boniteza. Com isso, o galã vai talhando e esculpindo a personalidade de canalha e, a partir de certa altura, passa ensinamentos para o resto da turma.
Faculdade
Nessa fase da vida, as mulheres que não conseguiram seu cão passam a caçar com gato (sentido obviamente figurado, pois os rapazolas com quem decidem bagunçar o coreto podem ser tudo, menos gatos). E a sapecada é tão irrestrita que ocorre um fenômeno engraçado: ATÉ CARA RIDÍCULO COMEÇA A PAGAR DE CANALINHA! Todo mundo que já fez faculdade deve ter visto essa cena.


Isso por quê? Simplesmente porque a mulherada dá mole e facilita. Porque as meninas dão corda pra mané. Porque vocês, meninas, alimentam o bichinho canalha que existe dentro de QUALQUER perobinha. E, uma vez alimentado, ele quer mais e mais e mais.


Vida Adulta
Depois de tudo isso, é claro que não há mais nada a fazer. O cara já se acha o malandrão, mesmo sendo um evidente mané. Para piorar, você se casa com algum palerma e, lá pelas tantas, tem seu filho. Mas você nunca teve filhos. Você é menina e foi criada como menina. No máximo, vá lá, pode ter algum irmão.
E como cria seu menino? Sim, você faz exatamente como a mãe lá do primeiro tópico: COMEÇA A MIMÁ-LO, TRANSFORMANDO-O NO FUTURO CANALHA QUE DARÁ SEQUÊNCIA À HISTÓRIA DO MUNDO. Depois, não vale reclamar comigo.




















Fonte: Hellen Guareschi; Lia Nagel


4 comentários:

  1. Simplesmente maravilhoso cada paragrafo desse texto. Os caras canalhas estão em todo lugar e o cafa não fica atrás. Enfestado a sociedade como uma praga. Muito bem colocado a sua opinião, e sempre observando os cafajeste que querem me conquistar! Por esse motivo que sempre leio e venho pesquisando sobre o perfil masculino, que pode frustar um sonho de uma mulher, deixando inseguras e incapazes de amar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada e desculpe pela demora em responder!!
      Seu comentário é um estímulo para mim!!
      Valeu!

      Excluir
  2. Diferença entre um canalha e cafajeste de forma simples:

    Canalha é desonesto porque precisa ser. Cafajeste é desonesto para obter o que quer por esporte e não por necessidade. Cafajeste ama o poder e dominação, canalha ama o poder e a corrupção. Canalhas e cafajestes se aproveitam das emoções alheias para obter o que querem (desonestidade) e são parecidos com narcisistas ( EU, EU EU, E EU).

    Cafajestes não amam em si as mulheres, amam o poder de possuírem uma mulher. Eles geralmente dizem quando estão em um relacionamento 'estou satisfeito com o que tenho' e não 'eu amo essa mulher'. Além do mais tanto cafajestes e canalhas possuem dificuldades em amar alguém verdadeiramente. É claro que podem amar porém a definição de amor deles é bem diferente da utilizada com frequência por pessoas que não são cafajestes ou canalhas. Muitos deles de fato amam, porém não é tão simples assim chegar a tal conclusão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada e desculpe pela demora em responder!!
      Agradeço pelas complementações ao post!! São muito válidas!
      Valeu!

      Excluir