Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

terça-feira, 21 de março de 2017

Dicas para viagens a negócios ou a serviço - Use a Etiqueta (Reedição)



Etiqueta

Etiqueta é sinônimo de boa educação. Imprescindível na vida e também no mundo dos negócios. Ser competente é primordial para ter sucesso em qualquer carreira, mas saber se comportar em qualquer situação que se apresente, é da mesma forma importante. Afinal de contas, é a sua imagem pessoal que está em jogo.
Etiqueta Empresarial


Dicas de viagens a negócios ou a serviço:
No mundo globalizado, as chances de você, empresário ou executivo, viajar para tratar de negócios são cada vez maiores. Mas seu tour, no País ou no exterior, precisa ser cercado de cuidados, para evitar perda de tempo e, sobretudo, frustração com relação aos resultados esperados. Alguns mínimos tropeços têm potencial de jogar por terra todo seu esforço. Por isso, todas as etapas afins com as viagens de negócio precisam ser tratadas com atenção máxima.

1. Burocracia:
· Viagem Nacional
· - Adultos: RG original (em bom estado)
· - Menores de 12 anos: precisam de autorização judicial para viajar desacompanhados. A autorização ‚ dispensada quando viajar acompanhado por qualquer dos pais; pessoa comprovadamente titular de sua guarda ou tutela; ascendente ou colateral com mais de 21 anos até o terceiro grau de parentesco devidamente documentados; pessoa com mais de 21 anos, portadora de autorização dos pais ou responsáveis
· - De 12 até 18 anos: desacompanhados podem viajar mediante à apresentação de certidão de nascimento ou carteira de identidade.

2. Viagem Internacional:
· - É necessário o passaporte com validade mínima de 6 meses, exceto para os países limítrofes do Brasil apresentando somente carteira de identidade em bom estado de conservação (inclusive para menores de idade).
- Alguns Países limítrofes: Argentina, Uruguai, Paraguai.
· - Confira antes de viajar com as respectivas Embaixadas dos Países de destino, quais as exigências da Fiscalização Imigratória dos mesmos, para evitar transtornos.

3. Passaporte:
· O passaporte é o documento internacional de identificação de qualquer pessoa. Além de seus dados pessoais, consta o carimbo e o visto com a autorização de sua entrada, trânsito ou permanência em outros países – se for uma exigência do lugar. Portanto, se você vai para o exterior, deve providenciar seu passaporte com a máxima antecedência possível – pelo menos um mês antes. Se já o possui, verifique o prazo de validade, de modo a não correr o risco de expirar no decorrer da viagem – determinados países só concedem visto se a validade se estender por pelo menos seis meses após o início da viagem. Caso esteja vencido, é necessário pedir a renovação na Polícia Federal. Existem lugares que basta apresentar a identidade, como na Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile. Esses países aceitam apenas a apresentação da carteira de identidade de brasileiros, desde que emitida por órgão oficial dos Estados, para autorizar a entrada em seu território.
· Nos demais países há sempre algum tipo de controle. Para viajar para os Estados Unidos, por exemplo, o visitante precisa receber o visto de entrada em seu passaporte ainda no Brasil, por meio do consulado, definindo-se, em seguida, o prazo máximo de sua permanência no exterior.
· A princípio, o visto de permanência, em geral de três a seis meses, não precisa ser renovado pelos executivos. Na maioria dos casos o prazo é considerado suficiente para que os acordos comerciais que motivaram a viagem possam ser concluídos. Como nos EUA, os países do Leste Europeu, os asiáticos, a Rússia, o Equador, entre muitos outros, são rígidos no controle de quem atravessa suas fronteiras. No entanto, a França e o México, por exemplo, já eliminaram a exigência de visto de entrada de brasileiros, o que agiliza a viagem e reduz a burocracia.
· Para quem ainda não tem um passaporte e deseja solicitar um, deverá acessar o endereço eletrônico www.dpf.gov.br , para obter mais informações conforme o seu caso, se homem ou mulher, ou ainda menores de 18 anos. As regras mudaram recentemente com o novo passaporte padrão ICAO, de cor azul, que foi implantado em algumas cidades brasileiras. As demais unidades do DPF continuam expedindo o passaporte modelo antigo (padrão não-ICAO, cor verde).
· Obs. O titular do passaporte comum padrão não-ICAO, cor verde, poderá utilizá-lo regularmente até a data de vencimento aposta na caderneta.
· O passaporte é retirado na Polícia Federal e leva no máximo 6 (seis) dias úteis para ficar pronto. O interessado terá que pagar cerca de R$ 156,07 pelo serviço, através de uma guia GRU, para emissão em prazo normal. Veja no site da Polícia Federal, www.dpf.gov.br , nessa página, clique no link "informações gerais e requerimento de passaporte", para obter mais informações sobre a emissão de passaportes. Outras dicas, Você também encontra logo abaixo, nesta seção do site da ACOMP, no item Emissão de Passaporte.
· -Se o seu passaporte foi perdido, extraviado ou roubado, o melhor a fazer é registrar imediatamente uma ocorrência policial. Desse modo, é possível impedir o uso indevido do documento. Mesmo assim, terá de pagar uma taxa para a retirada de um novo passaporte.
· - Se o extravio aconteceu num outro país, a Polícia Federal orienta que você procure imediatamente a embaixada ou consulado brasileiro mais próximo para que as autoridades o auxiliem na retirada de um novo passaporte ou documento específico – assim, conseguirá retornar ao país. Não deixe de levar na viagem, além do original, uma cópia do passaporte e da carteira de motorista, mesmo que não pretenda alugar um carro, pois pode surgir oportunidade.
· - Para maiores informações sobre emissão do passaporte, documentação necessária, valores entre outras informações, consulte o site: http://www.dpf.gov.br/
4. Cuidados a serem adotados antes do embarque:
· A definição do meio de pagamento (traveller`s check, cartão de crédito ou dólar), tipos de seguros e limite de volumes autorizados nos vôos internacionais são itens que o viajante deve levar em conta. Os especialistas recomendam que os empresários não levem em espécie todo o montante a ser gasto na viagem. O risco de perda e a possibilidade de você ser vítima de roubo ou furto, nas grandes metrópoles do mundo, são situações que precisam ser bem avaliadas. Além da segurança e da possibilidade de restituição em caso de extravio, os traveller`s check tem a seu favor o fato de ser cotado em dólar, o que permite maior facilidade em dar e receber troco. O contraponto‚ no caso a variação do câmbio, especialmente em países escandinavos, pode tornar sua despesa um pouco maior por meio do travell check. Em nome da segurança, especialistas recomendam pagar a conta para não ter dor-de-cabeça.
5. Seguros de viagem
· Com relação aos seguros, algumas das maiores seguradoras brasileiras têm um leque de produtos, incluindo coberturas à vida e saúde no exterior, além de assistência aos segurados em viagens internacionais. Os preços variam de acordo com os dias de cobertura no exterior, idade do segurado e seu nível de exigência. Por 15 dias, o seguro de saúde, acoplado ao de vida, custa US$ 30, no mínimo. Os planos podem ter franquia de US$ 100. Os produtos mais sofisticados, com indenizações entre US$ 15 mil e US$ 200 mil, têm os prêmios mais salgados, claro.
· Suas bagagens também podem ser seguradas - o prêmio é fixado com base nos quilos transportados. As indenizações podem atingir de US$ 1,5 mil a US$ 3 mil, em contratos com vigência de 10 dias. Ainda sobre as bagagens, vale destacar que há limite de volumes nos vôos internacionais. Para os Estados Unidos e Canadá, por exemplo, o limite está fixado em dois volumes de 32 quilos cada. Na Europa, Ásia e países da América do Sul, a cota por passageiro é ainda menor: dois volumes de 20 quilos cada.
6. Costumes locais:
· Um bom começo para evitar gafes que possam inviabilizar sua aproximação dos players internacionais‚ é recolher o maior número possível de informações sobre os hábitos e costumes dos povos.
· As embaixadas brasileiras e alguns especialistas dão instruções sobre os cuidados que os empresários devem ter para não causar mal-estar. Especialistas no assunto, percorrem o País ensinando boas maneiras aos brasileiros que estão começando a se relacionar com estrangeiros no minado mundo dos negócios.
7. Outras dicas:
· - Quando for viajar, deixe em casa qualquer tipo de opinião ou idéia formada sobre outras regiões do país, seus povos e sua cultura. Faça o mesmo em relação a viagens ao exterior. Cada lugar tem suas diferenças de costumes e culturas, mesmo dentro do Brasil, esse gigante continental.
· -Entregue-se por completo a essa experiência de aprender, procure conhecer os hábitos regionais, locais ou de outras nações. Assim, não cometerá gafes e aprenderá a respeitar as peculiaridades de quem o receber.
· -Se o destino de sua viagem é fora do Brasil, os agentes de viagem recomendam que faça uma pesquisa em livros ou pela Internet para conhecer mais sobre o lugar onde vai passar suas férias ou lua de mel. Uma dica é saber sobre regras e boas maneiras no trato com as pessoas e como os nativos se relacionam entre si e com os turistas. Lembre-se: comportamentos considerados normais para os brasileiros às vezes são compreendidos como descortesia em outros países e vice-versa.
· -É preciso atenção quanto às normas impostas a áreas de visitação pública para não ter problemas ou constrangimentos com autoridades locais. Na Itália, por exemplo, não chega a ser perigoso que uma mulher viaje sozinha, mas costuma chamar a atenção quando é vista desacompanhada. Por isso, deve-se, nessa condição, evitar ruas vazias próximos às estações de trem durante a noite. Nesse caso, andar de modo decidido ajuda a evitar abordagens indesejadas.
· -Nas demais situações, leve sempre um bom guia da cidade ou do país e leia um pouco sobre história do lugar. Informe-se previamente sobre o horário de funcionamento do comércio e dos bancos, além dos museus, bares, restaurantes e outras atrações. Tente ser pontual nos compromissos, pois em muitos países não se tolera atrasos como acontece no Brasil.
· A regra número um em uma viagem a negócios ou a serviço é conhecer os costumes do país ou da região dos futuros parceiros comerciais.
· Caso seu foco de negócios seja o Oriente Médio, é bom desarmar o espírito para não assustar-se com hábitos muito peculiares daquela região. Assim como a vaca‚ sagrada na Índia, mulher de árabe, por exemplo, é intocável para o visitante e todo o cuidado é pouco. Portanto, se convidado para um jantar, lembre-se de que o presente para a mulher de seu anfitrião dever ser entregue ao dono da casa, cabendo a ele depois decidir se repassa ou não o mimo. "As mulheres ocupam uma posição inferior na estrutura da sociedade árabe e só podem ter contato físico com seu marido. Para os demais homens, sequer é recomendável uma conversa banal ou descompromissada". Em contrapartida, se o marido árabe sair tascando beijos em você, faça o convite para andar de mãos dadas pelas ruas e não tire conclusões precipitadas. O toque físico entre homens é a mais pura manifestação de amizade. Antes de alguma reação explosiva, lembre-se que o povo árabe é fiel aos amigos e aos negócios apalavrados. E, para encerrar a conversa, donos de amplas reservas de petróleo, commodity cujo preço em alta ameaça pôr o crescimento econômico mundial de joelhos.
· Na China, um dos maiores mercados de consumo do planeta, a obediência à hierarquia é fundamental para os que pretendem fechar parcerias. Daí porque, acrescentam os especialistas, aquele povo nutre respeito extremo aos seus idosos. Logo, o tratamento deve ser cerimonioso. Os sobrenomes dos chineses, tradicionalmente, precedem o primeiro nome.
· Se você resolver buscar um sócio estratégico na Índia, lembre-se que o convite para comemorar o virtual acordo por meio de um saboroso churrasco pode significar a morte súbita de uma ex-futura promissora associação. Explica-se: Na Índia, a vaca é sagrada e, em conseqüência, sua carne não pode ser comida no país.
· França: Almoços com franceses também exigem cuidados. Mas, não especificamente no campo das preferências culinárias. O ritual do almoço é algo quase sagrado entre eles. Daí que falar em negócios neste momento pode ser uma blasfêmia. Prefira assuntos mais informais.
· Coréia: Mas, se seu interlocutor for um coreano, sinta-se à vontade para arrotar ao final da refeição. O gesto indica seu grau de satisfação, mas deve ser discreto.
· Alemanha e Inglaterra: Os alemães e ingleses são tradicionalmente os mais formais. A princípio, detestam intimidades. Não ouse programar uma reunião de negócios com os ingleses às cinco horas da tarde. Nesse horário, a tradição britânica diz não haver nada mais importante do que saborear o famoso "chá das cinco".
· Dica importantíssima: Anote também que os europeus detestam impontualidade, com exceção dos italianos e espanhóis. Para os mais sisudos europeus, a pontualidade reflete o homem que está à frente do negócio. A propósito, além de pontual, evite piadas. Em geral, dada à formação cultural diferente, o que entre nós, latinos, pode parecer algo divertido, entre eles pode não causar graça alguma.
· Nos Estados Unidos, os players são de fato mais alegres. Mas não se deixe enganar pela primeira impressão. Alegres, sim, mas também pontuais, profissionais, rígidos e pouco afetos ao caloroso contato físico dos homens de negócios da banda de cá do planeta. Também são altamente patrióticos e, em conseqüência, deve-se evitar temas que possam causar mal-estar aos americanos. Daí jamais acusar os Estados Unidos de querer ser a polícia do mundo, por exemplo.
8. Outros fatores importantes a serem observados:
· Não basta apenas o item etiqueta empresarial ser preenchido para que seu tour de negócios pelo mundo seja bem-sucedido. Na verdade, o empresário ou executivo deve preparar-se para o inesperado e ter na cartola alternativas para que seus efeitos tenham a menor conseqüência possível. Lembramos de alguns detalhes que podem gerar muita dor-de-cabeça para quem faz uma viagem de negócio ao exterior. Quem, por exemplo, estiver encarregado de apresentar show room de sua empresa a investidores estrangeiros, em busca de novos recursos, de cara o ideal‚ é hospedar-se o mais próximo possível do local em que ocorrer o encontro (daí porque não se deve esquecer de fazer a reserva com a maior antecedência possível).
· Para não abusar dos serviços de seu anjo da guarda (afinal, ele pode eventualmente falhar), recomenda-se conferir as dependências do local que abrigar o meeting antes de sua realização. O objetivo da visita prévia‚ aferir a qualidade dos recursos técnicos disponibilizados pelo hotel e, se necessário, requisitar às pressas a troca ou a colocação de algum equipamento que considere fundamental para sua exposição.
· A apresentação pessoal, precisa ser impecável. Afinal, imagem, combinada a conteúdo, é fundamental para gerar credibilidade. Além disso, quando participa de viagem de negócio, você se torna o foco das atenções. Trocando em miúdos, se você tiver de participar de uma festa de gala, imprescindível vestir um smoking. Em um campo de golfe, há roupas esportivas adequadas para o evento. As roupas precisam ser muito bem cuidadas, de acordo com as situações sociais e o clima da cidade. Isso porque nada é pior do que um executivo com vida profissional organizada e moda pessoal bagunçada.
· O vestuário, na verdade, deve ser escolhido com base nos tipos de atividade que você tem. É sempre bom levar peças sobressalentes, mas sem exagerar na medida, já que‚ é sempre preferível abrigar tudo nas bagagens de mão a correr risco de extravios ou demora na liberação das malas em aeroportos.
· O ideal é levar o menor número possível de peças, principalmente em viagem nacional. Leve roupas adequadas à estação. Para viagem internacional, lembre-se que, no exterior, as pessoas se vestem de maneira simples. Não é necessário usar cada dia uma roupa.
· Leve roupas informais. Mas, caso haja algum imprevisto, tenha sempre uma peça de gala. Nos Estados Unidos e Europa, a estação é contrária à do Brasil. Na bagagem de mão leve sempre uma peça de roupa, caso sua bagagem seja extraviada você estará prevenido. Se precisar declarar algum equipamento eletrônico, na saída do Brasil dirija-se à Receita Federal do aeroporto, levando o aparelho.
· Identifique sua bagagem com nome, endereço e telefone, ponha as etiquetas em lugares visíveis e também uma dentro da mala. Esteja com todos os documentos em mãos ou na bagagem de mão ( Passaporte, RG, Passagem ou Voucher ).
· Em longas viagens, é recomendável o uso de roupas e sapatos confortáveis. Preocupe-se com suas bolsas, carteiras, pacotes e malas. Não peça e não aceite que outras pessoas transportem suas malas.
· Conferir o horário e o número do vôo é outra medida providencial. Nos casos de atraso do vôo, os parceiros de negócios que estão à espera devem ser imediatamente notificados. O cancelamento dos encontros no exterior só deve ocorrer por motivo absolutamente de força maior, como óbito, doença ou problemas graves envolvendo a empresa. Portanto, chegue com pelo menos duas horas de antecedência para vôos nacionais. Nos vôos charter, o comparecimento é solicitado com duas horas de antecedência. Não coma em excesso e beba muito líquido.
· Por fim, lembre-se de que os fusos horários são dos mais diversos e, por meio da Internet, é possível saber que horas são na cidade de destino de seu vôo.
9. Observações para viagens ao Exterior:
· As viagens internacionais exigem mais atenção na hora da arrumação. Prepare-se com antecedência para evitar surpresas durante sua lua de mel.
· Etiqueta e cultura: não esqueça de se informar sobre a cultura do destino, assim não correrá o risco de cometer gafes. Como por exemplo nos países muçulmanos e também na Índia e na Tailândia, evite levar alimentos à boca ou cumprimentar alguém com a mão esquerda. Esta mão é reservada à limpeza íntima.
· Guia turístico: não esqueça de comprar o guia da cidade ou país. Além de terem dicas de restaurantes, bares, lojas e parques, possuem ótimos mapas.
· Conversores de energia: confirme primeiro a voltagem que há no hotel em que ficará. Caso necessário leve o conversor de energia.
· Vacinas: Informe-se sobre a necessidade de vacinas para entrar no destino escolhido, para maiores explicações entre em contato com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), localizados em alguns dos principais aeroportos, portos e fronteiras do país aplicam a dose da vacina gratuitamente. Para tirar dúvidas: 0800-61-1997 (Anvisa).
· Assistência de viagem: É a melhor forma de garantir tranqüilidade para sua viagem. Os seguros de viagem vão muito mais além de seguro saúde, eles garantem emergências odontológicas e perda de bagagem, informe-se com o seu agente de viagens.
10. Gorjetas:
· -Gorjeta, às vezes, é um “probleminha” para quem faz principalmente viagens internacionais. Quanto e quando se deve dar um agrado em dinheiro no hotel, no restaurante ou no táxi por causa de pequenas gentilezas? Os agentes de viagem recomendam que você tenha um pouco de dinheiro trocado na moeda de seu primeiro destino para cobrir as primeiras despesas como gorjetas para carregadores de malas e corrida de táxis.
· -As gorjetas variam de acordo com a cultura de cada país. Daí, a necessidade de se informar sobre isso antes do embarque, se possível. Para se ter uma idéia, em alguns lugares, esse tipo de gesto é considerado uma recompensa por bons serviços. Noutros, é esperado em qualquer circunstância. Ou tido como uma ofensa.
· -Orienta-se como referências gerais para o turista que se dê gorjeta de US$ 1 por mala para o carregador; e de 10% a 15% sobre o valor total da corrida do táxi. Em bares e restaurantes, geralmente a comissão já vem incluída na conta – verifique ao receber a nota. Na Itália, em restaurantes familiares, a comissão nem é esperada. Para camareiras e room-services nos hotéis, dê de US$ 1 a US$ 2.
· -Alguns programas de cruzeiros já incluem as gorjetas aos membros da tripulação, mas é comum também presentear os garçons e camareiros que o ajudaram durante todo o período em que você esteve embarcado. Apesar de não obrigatório, trata-se de um gesto de reconhecimento pela atenção e simpatia que estes profissionais dedicaram para que sua viagem se tornasse ainda mais agradável.
11. Fotos & Vídeos:
· -É preciso ficar atento durante as viagens internacionais quanto ao registro fotográfico e de imagens dos lugares que você vai visitar. Como equipamentos dessa natureza são caros, faça o registro na alfândega para que não tenha problemas na volta.
· -Atenção ao tirar fotos e fazer imagens de lugares considerados de defesa de uma cidade ou país, como sedes de governo, escritórios da polícia, órgãos das Forças Armadas etc. Na dúvida, peça permissão.
· -Faça o mesmo em lugares públicos fechados como museus, bibliotecas etc. O flash das máquinas é considerado extremamente nocivo para alterar ou danificar o material composto usado em pinturas, por exemplo. Essa proibição está relacionada também à proteção de direitos autorais. Desse modo, evita-se que pessoas de má fé usem imagens de pinturas famosas para comercializar sem autorização. Ao se dirigir a um lugar assim, procure saber de algum funcionário o que pode ser filmado ou fotografado. É uma forma de contribuir para preservação do patrimônio, além de evitar transtornos.
· -E não se esqueça de levar sempre filmes, cartuchos e baterias adicionais!
12. Bagagem:.
· Sempre a menor possível, principalmente para viagem nacional. Leve roupas adequadas à estação. Para viagem internacional: no exterior as pessoas se vestem de maneira simples. Não é necessário usar cada dia uma roupa. Leve roupas informais, mas caso haja algum imprevisto tenha sempre uma peça de gala. Nos Estados Unidos e Europa, a estação é contrária à do Brasil. Na bagagem de mão leve sempre uma peça de roupa, caso sua bagagem seja extraviada você estar prevenido.
· Se precisar declarar algum equipamento eletrônico, na saída do Brasil dirija-se à Receita Federal do aeroporto, levando o aparelho. Identifique a sua bagagem com nome, endereço e telefone, ponha as etiquetas em lugares visíveis e também uma dentro da mala. Esteja com todos os documentos em mãos ou na bagagem de mão ( Passaporte, RG, Passagem ou Voucher ).
· Em longas viagens ‚ recomendável o uso de roupas e sapatos confortáveis. Não comer em excesso e, beba muito líquido. Preocupe-se com suas bolsas, carteiras, pacotes e malas. Não peça e não aceite que outras pessoas transportem suas malas. Chegue com pelo menos duas horas de antecedência para vôos nacionais. Nos vôos charter, o comparecimento ‚ solicitado com duas horas de antecedência.
· Na Europa (França, Inglaterra, Alemanha, Itália, Portugal, Espanha) a regra‚ é uma só: no máximo duas bagagens somando 20 quilos cada e uma mala de mão com não mais do que cinco quilos. Para os Estados Unidos e Canadá, o turista tem direito a embarcar com duas malas de 32 quilos, cada uma, e ainda uma mala de mão de 18 quilos. A única exigência é que a mala de mão deve caber embaixo do assento do passageiro.

13. Outras orientações importantes:
· -identifique suas bagagens – na parte interna e na externa – com seu nome, endereço, telefone. Para achar fácil sua mala ou sacola na esteira do aeroporto, faça sinais externos como fita, risco de tinta etc.
· -Os agentes de viagem também orientam que se faça duas cópias de todos os documentos antes da partida. Leve uma contigo e deixe a outra com alguém de contato no Brasil. Pode funcionar como segurança no caso de roubo ou perda.
· -Procure se informar sobre as condições climáticas do seu destino – diurnas e noturnas – e se previna contra frio ou calor em excesso. Dezembro e janeiro os dias e noites costumam ser muito frios no Hemisfério Norte.
· -Leve na mão troca de roupa e um casaco.
· -Quando chegar ao hotel, procure saber sobre a voltagem elétrica e não se esqueça de adaptadores de aparelhos elétricos, principalmente se vai levar celular e notebook.
14. Dinheiro:
· Não é aconselhável que você ande com todo seu dinheiro no bolso. Procure guardá -lo em cofres no hotel. Em viagem ao exterior, procure levar traveller's checks, todos os bancos têm departamento de câmbio e farão a conversão na hora. Os cartões de crédito internacionais são bem aceitos. O dólar é aceito internacionalmente. Para quem tem problemas crônicos, leve os remédios na viagem. Mas se for ao exterior, fazer um seguro-saúde é a melhor opção
15. Locação de veículos: cuidados e atenções no exterior:
· Para locação de veículos nos Estados Unidos são necessários os seguintes documentos:
· - carteira de habilitação
· - passaporte
· - cartão de crédito internacional
· - voucher de reserva
· - Caso haja um segundo ou terceiro motorista na mesma locação, eles deverão constar na abertura do contrato. Há taxas extras para cada motorista complementar.
· - Os veículos locados costumam vir com seguros obrigatórios (roubo e colisão), contudo a locadora irá oferecer vários seguros que irão custar caro. Fique atento!
· - Caso o voucher do carro venha a ser perdido, não haverá reembolso. Exceto em caso de roubo, mediante apresentação do boletim de ocorrência, com prazo de 24 horas após o fato.
· - Se o locador estiver entre 21 e 25 anos será cobrado taxa adicional de locação.
· - Os locadores cobram localmente as taxas municipais, impostos sobre vendas e o combustível que faltar no tanque quando o carro for devolvido. Informe-se na locadora quanto ao procedimento referente ao combustível no ato da retirada.
· - É obrigatório o uso do cinto de segurança para adultos e crianças.
· - Caso você esteja com crianças menores de 5 (cinco) anos, é preciso alugar cadeiras especiais.
· - Logo ao anoitecer e embaixo de chuva deve-se acender os faróis.
· - Cuidado com as multas, elas são caras e a polícia não costuma aceitar desculpas. As multas são cobradas rapidamente das locadoras e você vai acabar gastando bem mais do que planejou ao devolver o carro.
· - O velocímetro nos Estados Unidos marcam a velocidade em milhas e não em quilômetros.
· - Obedeça aos limites de velocidade nas estradas e na cidade
16. Telefonemas:
· -Durante suas viagens nacionais ou internacionais, tenha sempre na carteira ou na bolsa uma lista de telefones úteis para algum tipo de emergência. Faça uma ficha com o nome do seu país de origem, o número que deve ser chamado da família ou de um amigo e leve o contato do consulado brasileiro no lugar onde está visitando.
· -Faça o mesmo antes de sair do país e mantenha sua família informada de seu destino e de como pode ser achado o mais rápido possível. Nunca se esqueça de especificar seu tipo sanguíneo. É importante que tenha anotado os endereços e telefones locais da companhia aérea pela qual você está viajando e a empresa de turismo que o atendeu. Essas informações podem ser úteis no caso de extravio do passaporte, da passagem ou alguma outra emergência.
· -Se você quer manter contato com sua família no Brasil, não terá dificuldade em se comunicar de qualquer lugar. Em vários países, os telefones públicos podem ser operados por moedas ou cartões. Neste caso, você tem a opção de recorrer a um cartão de crédito ou telefônico (phonecard) especial pré-pago. Para adquiri-lo, dirija-se aos jornaleiros (newsagents), correios e supermercados. Quando o dinheiro ou cartão colocado no telefone estiver para terminar, você ouvirá uma série de bips rápidos.
· -Lembre-se que chamadas de um telefone particular são bem mais baratas do que as feitas por um aparelho público. As ligações locais são mais em conta entre as 18h e 8h. As internacionais, entre 20h e 8h, mais sábados, domingos e feriados. Algumas companhias no Brasil e no exterior oferecem cartões de telefone pré-pago ou para débito na conta.
· -Para evitar surpresas desagradáveis, evite fazer chamadas internacionais do seu apartamento no hotel os preços não são tabelados e podem chegar a valores estratosféricos. Lembre-se que alguns hotéis cobram taxas de serviço mesmo para chamadas a cobrar.
17. Algumas dicas gerais:
· Os apertos de mão devem ser firmes. Nada de pegar apenas nos dedos ou deixar a mão mole;
· O beijo no rosto é um comprimento entre amigos, normalmente não utilizado no meio de negócios. Mas se a outra pessoa for à sua direção, aja com naturalidade;
· A pontualidade deve ser um hábito;
· Se precisar sair mais cedo de uma reunião, avise a pessoa que vai presidi-la antes de começar, em particular e saia discretamente;
· Não faça fofocas. Um profissional de verdade tem mais o que fazer;
· Sempre responda às cartas e e-mail;
· Evite o envio de emails de correntes e mensagens no horário de trabalho. Você pode achar “bonitinho”, mas se há trabalho a fazer, não perca tempo com isso;
· Sorria! Ninguém gosta de pessoas que só sabem resmungar e reclamar;
· Use e abuse da simpatia: por favor, obrigado(a), por gentileza, etc.
18. Algumas dicas para os homens:
· Não ande com o paletó jogado sobre os ombros. É um sinal de desleixo;
· Não desabotoe o botão do colarinho e afrouxe o nó da gravata ainda no ambiente de trabalho (espere ao menos chegar no carro);
· Observe o tipo de vestuário utilizado e tente se adaptar, mesmo que você deteste usar gravata. Algumas empresas liberam o uso de roupas menos formais nas sextas-feiras, mas cuidado para não exagerar.
19. Algumas dicas para as mulheres:
· Esmalte descascado nunca! É melhor estar sem esmalte e com as unhas limpas;
· Cuidado com roupas extravagantes, bijuterias exageradas e decotes sensuais;
· Cabelos: Mantenha-os limpos e de acordo com a apresentação que requer a função. Ex: Secretárias e recepcionistas normalmente prendem os cabelos na forma de coque ou rabo-de-cavalo.
Fonte: Terra/ Acomp
TODO CUIDADO É POUCO
Alguns exemplos do que é ou não de bom tom ao redor do mundo
China, Índia, Albânia e Argélia
O arroto depois das refeições, que em muitos países é considerado grosseiro, é uma agradável homenagem às habilidades do cozinheiro.
Países islâmicos
É proibido o contato físico em público entre pessoas de sexos opostos. Não se deve olhar demoradamente nos olhos. Carregar revistas femininas com editoriais de moda pode ser considerado pornográfico
.
Países da ex-URSS
Cuspir no chão é um hábito comum. Depois de uma frase de elogio, é normal cuspir três vezes por cima do próprio ombro para afastar o mau-olhado
Grã-Bretanha
Ao ser convidado para um almoço de negócios, esteja ciente de que o assunto será realmente o trabalho. No jantar, porém, é falta de educação tocar no assunto
Holanda
Apoiar a ponta do polegar nos lábios significa mentiroso e alisar o nariz com o indicador enquanto se fala significa que a pessoa de quem se fala é má e avarenta
Grécia
Fazer o V da vitória significa 'vá para o inferno' e recusar algo colocando diante de si a mão aberta com os dedos estendidos é um insulto violento e vulgar
Japão
Em público não se deve beijar uma mulher, nem mesmo no rosto, sob pena de ser considerado muito descortês. Beijo na boca, então, somente antes de relações sexuais
Alemanha
Em ocasiões formais, as mulheres não cruzam as pernas, os homens não se espreguiçam e não se sentam apoiando o tornozelo na perna oposta
Austrália
Não se deve apontar uma pessoa com o dedo indicador. Assoar o nariz em público é considerado desrespeito. Quem está resfriado deve ficar em casa

Vejam abaixo alguns outros exemplos
diferenças culturais que se refletem nas boas maneiras reiterados do HowStuffWorks:
- Cuidado com os pés.
Na maior parte do Oriente Médio e do Extremo Oriente é considerado um insulto apontar os pés para outra pessoa – especialmente a sola do sapato, que jamais deve ser mostrada. Nunca se devem colocar os pés para cima.
- Mais do que um pedaço de papel.
Na maioria dos países asiáticos o cartão de visitas é visto como uma extensão da pessoa. Daí que dar pouco valor ao cartão – dobrando-o, escrevendo nele ou guardando-o sem olhá-lo com atenção – equivale a desrespeitar quem o ofereceu.
- Saindo do aperto.
É meio estranho um aperto de mãos mole – dá a impressão de pouca disposição por parte de quem cumprimenta. Só que em boa parte do Oriente – e em particular nas Filipinas – um aperto de mão mais forte, daqueles de esmagar os ossos, é entendido como uma agressão, equivalente a apertar qualquer outra parte do corpo.
- Guerra dos sexos.
Judeus ortodoxos não apertam as mãos de mulheres, e muçulmanas fervorosas não apertam as mãos de homens. Para tornar tudo mais complicado, um homem muçulmano aperta as mãos de uma mulher que não seja muçulmana. Mas no geral as pessoas desses dois grupos evitam tocar em pessoas do sexo oposto que não sejam de suas famílias.
- Em pratos limpos.
Num jantar na China nunca tente limpar o prato para dar mostras de boa educação. Quem oferece o jantar pode ser visto como rude se não se mantiver enchendo seu prato. Para demonstrar o reconhecimento pela generosidade de seu anfitrião, deixe um pouco de comida a cada prato servido.
- Dá um dinheiro aí…
No Japão e na Coréia as gorjetas são consideradas um insulto, e não um cumprimento. Para japoneses e coreanos tradicionais aceitar gorjeta equivale a mendigar – mas isso já começou a mudar, graças à maior presença de ocidentais com seus costumes.
- Contando nos dedos.
O sinal de OK, com o indicador e o polegar fazendo um círculo e os outros dedos levantados, é bem aceito nos EUA, mas na Alemanha e na maior parte da América do Sul é visto como uma das ofensas mais graves – mandar o sujeito tomar naquele lugar… Já na Turquia o gesto equivale a chamar alguém de homossexual. No Brasil o OK vem ficando cada vez mais OK, com a adoção do gesto americano, feito só com o dedo médio para cima.
- Paz e guerra.
No Reino Unido, o V de vitória, usado também como símbolo da paz, vira convite para uma briga se for feito com a palma da mão virada para dentro. É o mesmo que o OK que não é OK, ou o dedo médio mostrado para quem se quer ofender.
- Mão boba.
Na Grécia é extremamente ofensivo fazer qualquer sinal que mostre as palmas das mãos abertas. Não se deve acenar mostrando a palma da mão, nem levantar a mão aberta para faze alguém parar. Para dar tchau na Grécia é preciso apontar a palma da mão para dentro, como faz a família real…
- Pés descalços.
No Japão e em outros países da Ásia – e também em alguns da América do Sul – é obrigatório tirar os sapatos ao entrar na casa de alguém. E na Europa é de bom-tom perguntar se é melhor tirar os sapatos. Não há segredo aqui – é só uma questão de limpeza.
- Chiclete fora da lei.
Muita gente acha feio mascar chiclete. Na França, na Suíça e em Luxemburgo isso é visto como algo vulgar. E Cingapura vai além de muxoxos – lá é ilegal mascar chiclete desde 1992, quando o povo se cansou de ter que raspar da calçada a goma mastigada e cuspida.
- De canhota.
Na maioria dos países árabes a mão esquerda é considerada suja, o que torna extremamente grosseiro usá-la para cumprimentar alguém – tanto com um aperto de mãos quanto acenando. Também é falta de educação passar comida para alguém usando a mão esquerda. O motivo? No deserto, sem papel higiênico, as pessoas se limpavam com a mão esquerda. Como não havia água para lavá-la depois, a sujeira era removida na areia. Enquanto isso, a mão direita era mantida sempre limpa.




O Comportamento e a Etiqueta, nos Negócios


Introdução
No Brasil os comportamentos, de uma maneira geral, são extremamente informais.
Isto deriva, primeiramente, do clima (tropical e subtropical), que induz ao uso de roupas mais leves, e gestos mais expansivos. Mas deriva também da grande influência cultural que herdamos de Portugueses, Italianos e Africanos, ou seja, culturas que são bem distintas daquelas que são a base da Etiqueta e do Comportamento clássicos: França e Inglaterra.
Se você prefere manter a informalidade, em sua vida social, terá as aceitações e rejeições que essa atitude provoca, e talvez nunca se aperceba delas. Mas, quando se trata de Negócios, você pode perder Clientes, ou perder negócios, em determinadas ocasiões, em função do excesso de informalidade!
Esta página não pretende ser um manual completo (você pode achar bons livros e cursos sobre o assunto), mas uma pequena coleção de "dicas" e sugestões que poderão ser muito úteis em sua vida profissional - quer você seja um proprietário de empresa, ou um executivo, ou gerente, ou supervisor, ou apenas um jovem profissional (tudo isso também para as mulheres!), com potencial para muitas promoções em sua carreira - desde que saiba se comportar!
Bem vindo, e boa leitura!


Um resumo da história
Tão logo o homem deixou as cavernas, foram necessárias regras para organizar a vida em grupo, ou seja a vida social. Quando as regras não eram seguidas, a pessoa era ridicularizada...
Já na Idade Média, as regras de comportamento tinham motivações militares, com gestos que significavam "paz": o apertar de mãos, com a mão forte (guerreira), o retirar do chapéu (respeito), o retirar do elmo, ou o levantar da viseira (como gesto de reconhecimento e confiança dos Cavaleiros em armadura).
O envio de convites se iniciou antes das grandes navegações - o comércio se fortalecia com as visitas, que eram quase sempre associadas às refeições.
As refeições se faziam sem talheres, e o ato de apanhar alimentos com as mãos, de uma mesma travessa, aproximava as pessoas. Ao final, os árabes tinham o ritual do café, os japoneses o do chá, e os gregos presenteavam os visitantes com sal.
Até o final do século XVII, os Europeus levavam consigo uma faca de caça, quando convidados para uma refeição, para cortar os alimentos em pedaços menores. Os Japoneses sempre prepararam os alimentos em pedaços pequenos, evitando a necessidade de usar talheres metálicos.
Começaram, então, a surgir os primeiros códigos escritos de Comportamento, para uso generalizado - anteriormente havia códigos para grupos fechados, na China, no Japão (os Samurais), na Grécia, na antiga Roma, e na França (os Livros de Cortesia ensinavam os Cavaleiros como se comportar na presença de uma dama, a quem deveriam defender).
Os primeiros manuais amplos surgiram na Itália e na Inglaterra, por volta de 1530.
Mas foi na França, no século XVII, que surgiram as "etiquetas", pequenos bilhetes escritos por Luiz XIV, para ensinar como os convidados da Corte deveriam se comportar em determinada cerimônia. Esta é a origem do nome Etiqueta. As pessoas comuns procuravam, de todas as formas, imitar as maneiras da Corte.
Na Inglaterra, no século XVIII, as "Cartas de Chesterfield" ensinavam como se comportar para obter favores de pessoas influentes e poderosas.
O conjunto de regras originadas na França e na Inglaterra foram amplamente adotadas no Brasil, principalmente a partir do início do século XX.
A França, em particular, se tornou o modelo de cultura - era o Francês o idioma oficial da diplomacia. Famílias abastadas enviavam seus filhos para os estudos na França (exemplo: Santos Dumont).
Com o correr dos anos, e o crescimento imenso da população, e mais, com a influência da televisão (que muitas vezes incentiva os comportamentos informais), a maior parte da população se afastou das Regras Clássicas de Comportamento.
Mas existe um "mínimo" de regras que devem ser seguidas, especialmente nos negócios, e algumas sugestões estão listadas mais adiante.
Porém, se você se dedicar a um estudo mais profundo das Regras de Etiqueta e Comportamento, e passar a se comportar de acordo com elas, você encontrarão mais portas abertas do que encontrava antes! Mal, não faz! Só pode fazer bem!
Apenas não faça isso com excesso de afetação, ou para "aparecer". O efeito pode ser o contrário do que você espera. Aja com naturalidade, e tudo irá bem! Quando não se lembrar de algum detalhe, use o bom senso!
As regras gerais foram adaptadas para o mundo dos negócios - veja as "dicas", e compare com as pessoas com quem você convive, nos negócios. Tire suas próprias conclusões...


Numa reunião de negócios...
Planeje para chegar antes da hora marcada, inclusive para arrumar roupa e cabelos, bem como limpar o suor. Use roupas mais formais, principalmente quando vai encontrar seu interlocutor pela primeira vez. Se for atrasar (trânsito, etc.), telefone se desculpando. Trate bem todas as pessoas no caminho: porteiro, secretária, etc. Não se esqueça de memorizar o nome das pessoas com quem vai se reunir.
Durante a reunião, trate a todos com a forma de tratamento mais pertinente: Sr. Fulano, Dr. Sicrano, Dona Beltrana, e assim por diante. Só fume se a maioria fumar! Não fique com o corpo "jogado" na cadeira, e não cruze os braços (usualmente é interpretado como rejeição às idéias propostas). Só use assuntos pessoais (poucos) no início, na fase de "degelo" da reunião. No restante do tempo mantenha-se no assunto em foco. Não cometa erros de linguagem - em certas ocasiões eles podem ser fatais. Respeite o cronograma previsto - controle o tempo, de forma que as conclusões e próximos passos estejam bem definidos antes que todos se levantem.
Você pode presentear com um brinde de sua empresa, ou um charuto, etc. Também pode telefonar, no dia seguinte, agradecendo pelo apoio na reunião, e parabenizando pela condução da mesma - elogiar é um item "em falta", e provoca melhores aproximações daí para frente (só não exagere, pois parecerá falso!).
Se a reunião for interna, em uma empresa, valem as mesmas "dicas", embora possa haver um pouco mais de flexibilidade.


Ao telefone...
Ao atender uma ligação suponha sempre que possa ser um novo cliente, portanto atenda com alegria e gentileza - a forma de atender, quando é grosseira, põe a perder todo o investimento em marketing, imagem etc. Se a pessoa quer falar com alguém próximo a você, e ela não puder atender, explique o fato, e se ofereça para ajudar no que for possível. Ou, informe aproximadamente quando a pessoa poderá ligar de volta (não deixe pessoas esperando ao telefone!). Se a pessoa tem um problema, e não pode atender, mostre que você vai fazer o necessário para resolvê-lo (não fique informando que é responsabilidade de outro, ou desleixo da empresa, etc.).
Ao fazer uma ligação procure discar você mesmo - o interlocutor se sente mais dignificado ao receber sua ligação diretamente. Se não for possível, e você pede para alguém discar para você, esteja pronto para dar sequência à ligação - é inaceitável deixar o interlocutor esperando...É cada vez maior o uso de "secretárias eletrônicas", ou "serviços de voz" atendendo ligações em empresas - embora não seja nada mercadológico. Esteja pronto para passar uma mensagem compacta, mas completa, sobre o que deseja.
Ligações e atendimentos através de secretárias e/ou telefonistas: proíba terminantemente as expressões "meu querido", "meu bem", "meu amor", ou equivalentes. Treine para uma conversação curta, objetiva e educada. Ensine que mulheres devem dizer "obrigada" e homens, "obrigado". Proíba o atendimento comendo, ou mascando chiclete. Peça para um amigo ligar, de tempos em tempos, para avaliar a qualidade do atendimento, e relatar para você.
Com telefones celulares: felizmente a moda e o status já passaram! Agora você já sabe que deve desligá-lo em muitas ocasiões (restaurantes, aviões, teatros, cinemas, reuniões, etc.). Também deve se afastar do grupo, se desculpando, quando tiver que atender, ou fazer, uma chamada urgente - o assunto deve ser sempre só seu, portanto fale em voz baixa. Verifique sempre sua "caixa postal", retornando a ligação aos que ligaram.


Correspondências...
Neste caso, apenas as correspondências de negócios (cartas, fax, e-mail, bilhetes).
Como regras gerais: nomes e cargos dos destinatários não podem ter nenhum erro de grafia! A linguagem deve ser formal, educada e objetiva. Em todos os casos, não podem faltar a data e o assunto (tema). Devem se iniciar com os fatos antecedentes do assunto ("...tendo em vista...", ou "...em nosso último encontro...", etc.), para colocar a pessoa rapidamente no assunto. Em seguida descrever o tema, ou o problema, objetivamente.
Ao final, destacar, com ênfase, o que você deseja que a pessoa faça, a respeito do assunto. Encerre com uma expressão de gentileza (...agradecendo...atenciosamente...tenha um bom fim de semana, etc.).
Um bilhete pessoal pode acompanhar a correspondência, para acrescentar um toque de amizade pessoal e intimidade (o que minimiza a dificuldade de assuntos complexos - ...espero que sua esposa esteja bem...seu filho passou de ano?...etc.). Para isso, é melhor usar um cartão de tamanho médio, com seu nome impresso, no canto, de forma discreta.
Nos e-mail de negócios, evite as simplificações que os jovens usam atualmente (vc para você, pq para porque, tc para teclar, etc.) - o tratamento formal e respeitoso sempre abre mais portas!


Roupas...
Respeite o clima, e use roupas mais leves, ou mais pesadas, de acordo com a época do ano - mas preste atenção nos detalhes que farão a diferença:
O ideal é usar roupas formais e elegantes (pense no padrão exigido para os funcionários do Citibank...). Em caso de visitantes estrangeiros, ou de empresas maiores, é obrigatório.
Se não for esse o caso, então não permita saias muito curtas, nem decotes fortes, nem camisas abertas no peito, nem chinelos. Em casos de visitas a locais abertos e quentes, o uso de roupas informais é bom - desde que todos usem.
As roupas jovens são agradáveis, confortáveis e alegres, mas elas podem e devem ser usadas fora do ambiente de trabalho. Mesmo que não haja Clientes, ou visitas, por perto, o trabalho tende a ficar mais produtivo (menos "papos", rodinhas, etc.).
Evitar: quantidades de jóias ou enfeites, excesso de perfume, roupas da moda (só porque são da moda). Se vista como se fosse receber uma promoção em cada dia, ou se fosse "fechar" um grande negócio (se "fechar" mesmo, coloque uma roupa bem informal, à noite, e celebre em grande estilo!).
Sapatos, maquiagem, unhas e cabelos devem acompanhar as roupas: discretos e bem cuidados.
Depois que você se adaptou ao estilo correto, vira rotina, e passa a fazer parte de sua imagem profissional. Além disso, a roupa tem o dom de ampliar o grau de autoconfiança, e a melhorar o desempenho das pessoas!


Refeições...
Há livros inteiros sobre o assunto, portanto vou apenas destacar alguns detalhes, e sempre pensando em refeições de negócios, embora as "dicas" sejam válidas para qualquer refeição em público:
Ao chegar, não estenda a mão para quem já estiver se alimentando (um amigo no restaurante, por exemplo); não use o fone celular à mesa, a menos que possa auxiliar na discussão (e sem incomodar a mesa ao lado); se for convidado, nunca escolha o prato mais caro - espere o anfitrião escolher, e escolha um pouco mais barato (as pessoas conhecidas por "engrossa a conta" ficam mal faladas...).
Coloque o guardanapo sobre o colo (cuidado para não escorregar); não há problemas em pedir esclarecimentos ao "maitre" ou garçon, sobre o cardápio (mas atenção para as "indicações" do "maitre": geralmente são itens de pouca saída).
Nunca comece a se alimentar antes dos outros - espere que todos estejam servidos, e comecem juntos. O mais óbvio: não falar com a boca cheia, e não gesticular com os talheres; não se alimentar segurando os dois talheres ao mesmo tempo: a faca serve só para cortar - após usá-la, em cada vez, apóie no prato, em diagonal, com o corte para dentro. Não apóie os cotovelos na mesa, só os ante-braços; não "abrace" o prato com uma das mãos, nem apóie o braço todo na mesa, entre o prato e o corpo. Limpe bem a boca com o guardanapo antes de beber, em cada vez.
Ao terminar, coloque os dois talheres juntos (não cruzados) na posição 04h30min do relógio - é o "código" de que você está satisfeito, e de que o garçon pode retirar seu prato (eles sabem reconhecer os códigos certos - geralmente são treinados para isso). Sem esse código, eles continuarão perguntando se você deseja mais.
Em banquetes, use os talheres de fora para dentro, para cada prato, e coloque-os no prato, para que sejam levados na sequência certa, e na posição certa. Os pequenos talheres à frente do prato são para a sobremesa. Os copos são: fino e alto = champagne; maior = água ou refrigerante; médio = vinho tinto; menor = vinho branco. Copos para Cognac (mais "gordinhos") ou Licores (pequenos cálices) surgem ao final, geralmente. A presença de "lavanda" (pequena tijela com água perfumada, para "lavar" as pontas dos dedos) significa que você terá que usar os dedos (geralmente na "entrada") para apoiar, ou segurar pequenos pedaços de alimentos.
Não chame o garçon estalando os dedos, ou gritando; não fume na mesa; não palite os dentes em público (nem use fio dental, é claro); não fale alto - falar alto geralmente é sintoma de pessoas inseguras (precisam se afirmar), ou "novos ricos" (precisam se mostrar), ou sem educação, mesmo! Não arraste a cadeira, ao se levantar. Recoloque a cadeira no lugar, também sem arrastar.
São muitas as "dicas"! Estude em um livro especializado, ou faça um curso! Você podia não saber, ainda, mas num restaurante são avaliados quase todos os profissionais, antes de promoções, ou de decisões para viagens ao exterior! São também fortalecidas, ou enfraquecidas, parcerias comerciais!


Situações embaraçosas...
Mesmo com todo o preparo, todas as pessoas cometem "gafes", uma vez, ou outra. A gafe é cometer um "grave" erro de comportamento (chamar a segunda esposa de alguém pelo nome da primeira, deixar cair um copo cheio, num coquetel cheio, ter problemas com gases, em público, esquecer o nome de alguém, no meio da reunião, chegar com a roupa suja de lama, etc., etc., etc.).
Não há receita certa para tais situações - é preciso apenas usar o bom senso, para que a situação não se agrave. Nesse sentido, o "jeitinho" brasileiro é muito útil, pois um pedido de desculpas, acompanhado de bom humor, mostrará que não foi intencional, nem se pretendeu ofender a ninguém. Como diz o Ditado: "...ocorre nas melhores famílias Londrinas...".
Mas, infelizmente para todos nós, ninguém esquecerá a situação para os próximos 100 anos! A única atenuante que temos é sabermos que todos passam por tais situações, algumas vezes na vida...




Conclusão...
Não "entre" na "conversa" de que tudo isso não passa de "frescura"!
De cada 20 pessoas, no mundo todo, apenas uma consegue se destacar pela liderança positiva, pelo comando democrático, pelo exemplo positivo para muitos! Essa pessoa sempre tem características especiais, inclusive, e principalmente, no que se refere a seu Comportamento em Público.
Por motivos éticos, não vou usar exemplos ruins do mundo dos negócios.
Seja você, também, uma dessas pessoas de destaque!
Comece você mesmo a observar, a partir de agora, e decida-se sobre como se comportar.




Resultado de imagem para dicas de etiqueta empresarial


Fonte: Correionet; Lia Nagel

Nenhum comentário:

Postar um comentário