Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

domingo, 15 de setembro de 2013

Independência Emocional

Nos orgulhamos de nossa independência emocional.
Claro, não é bem assim: continuamos precisando dos outros na nossa vida inteira, mas é uma “vergonha” demonstrar isso, então preferimos chorar escondidos.

E quando alguém nos pede ajuda, esta pessoa é considerada fraca, incapaz de controlar seus sentimentos.


A palavra independência em geral é definida como a desassociação de um ser em relação a outro, do qual dependia ou era por ele dominado.
É o estado de quem ou do que tem liberdade ou autonomia.
Se a independência financeira em geral não é alcançada a menos que primeiro sejamos específicos naquilo que queremos alcançar e então ir em busca daquilo. Dependemos do aprendizado sobre esse assunto para criar independência financeira.


Aproveite esse momento e se pergunte com profunda atenção em sua resposta. “O que seria independência financeira para mim”? “O que eu teria de ter ou ser para me sentir independente financeiramente”?
E a mesma regra você deve aplicada em relação a independência emocional.


Alguma vez você já se perguntou:


“Que tipo de pessoa eu teria de ter a meu lado para eu me sentir independente e feliz em relação a mim mesma (o)”? “Como seria essa pessoa”? “Que tipo de personalidade teria de ter para eu admirar e respeitar essa pessoa”? E assim por diante.


Quanto a você que se sente independente em pelo menos algumas das independências parabéns!

Sugiro procurar aprimorar as que não foram lapidadas ainda, não somos perfeitos, mas dá gosto querer se sentir perto das vitorias ultrapassando nossas limitações.

O primeiro passo para assumir o controle de nossas vidas é: cultivar saúde emocional, obtendo relação saudável com si mesmo, e depois com os demais. Auto estima, auto confiança, nutrição emocional. E, clareza mental a respeito de quem somos, e proximidade com nossa essência. E, assumir o compromisso de optar sempre pelo melhor em nossas vidas, independente das escolhas dos outros.


Muitas vezes está tudo bem, você dominando a situação, só, feliz, inteiro, sem dívidas, sem culpas, sem qualquer outro no coração ou na cabeça – livre, desocupado, disponível e, mais que tudo, absolutamente feliz! Pronto para começar uma nova relação e certo de que isso não faz a menor diferença para seu estado de espírito.


Independente de qualquer coisa você deve continuar se amando, amando os outros, mas deixou esvaziar aquela sensação enlouquecida de necessitar do outro para respirar. Pode, por isso, analisar incluir ou não uma relação na sua vida. Pode escolher: entrar ou não em um relacionamento saudável. Pode decidir por manter tudo como está ou recomeçar a amar, e isso é muito melhor.


No trabalho se você consegue estar bem, apesar de muitos a seu lado ainda não possam alcançar o estado em que chegou!


Chegar aqui dá trabalho? Sim, um trabalhão danado.


Demanda trabalhar a auto estima, mudar o foco e deixar para lá a função insana de se ocupar com o outro. É importante mudar de lado e assumir a si mesmo. Abrir mão da dependência emocional, evoluir principalmente.


Tudo é possível, mas não é nada simples e muito menos rápido, vai ter muitos momentos em que estará sozinha não por medo, mas por opção!


Até porque, o fato de ter feito escolhas erradas, simplesmente não pode condená-lo a continuar errando e a única forma de sair desse círculo é compreender que sim, você errou, escolheu o pior e se deixou iludir.


Mas passa! Dói, mas crescer dói, olhar para os erros é dolorido, compreender o que nos faz manter um comportamento doente, vicioso, o que nos faz viver uma vida é um temor. Procure olhar para trás, mas continuar andar pra frente, seja forte, você consegue.


Amadurecer é um caminho inevitável, e quando conseguir entender, ai conseguira se auto conhecer ai está tudo bem. Sem os véus é possível viver. Viver de forma diferente. No aqui, agora, para escolher melhor com base em todo o aprendizado, isso que você vai alcançar.


Procure fazer uso desse poder de escolha é mesmo o máximo!


E faz tão bem, que eu realmente recomendo deixar de lado o que não serve e focar no que faz bem! Esse é mesmo o melhor dos mundos. E, para tal, não há mágica.
É preciso deixar de lado tudo o que for piloto automático, conforto desconfortável, acomodação.


É necessário usar a força e a coragem – que pode estar escondida por anos de submissão. É preciso pegar a vida com as próprias mãos. Deve definir os caminhos, as diretrizes a forma como quer chegar do outro lado.


Plantar o bom para colher beleza, verdade, bondade. Respirar e inspirar. Viver porque é bom. Porque podemos mais.
Para conseguir tudo isso deve sonhar e também auto conhecimento, recuperação da auto estima e, um toque de desapego. Desapego da dor, do sofrimento, de tudo o que não é coerente com as nossas novas escolhas, tudo isso junto com seus sonhos.

Pois nunca devemos nos esquecer de nossos sonhos.

Por isso, quando está tudo bem podemos sempre celebrar!


Festejar, a vida, as datas importantes, o momento, tudo enfim, e para isso viva, pense escolha, e seja muito feliz!


Fonte: Lia Nagel; Terra.



2 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada e desculpe pela demora em responder!!
      Seu comentário é u estímulo para mim!!
      Abraços!!

      Excluir