Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Sorriso, Dentes, Boca: Saúde Bucal e as DST's (Reedição 2017)



O Sorriso e a Saúde Bucal

O sorriso é um ato de mover os lábios com alegria, com satisfação.
O sorriso é uma expressão agradável.
O sorriso é uma das expressões mais da alma, da nossa essência.
O sorriso é uma porta aberta de nossas emoções, sensações, sentimentos.
O sorriso pode indicar júbilo, excitação, consentimento, agrado, prazer.
O sorriso é um gesto de ternura e contentamento que inebria, ilumina, seduz.
O sorriso tem o poder de quebrar barreiras que vão da rudeza à timidez.

Quem não quer ter um sorriso lindo e atraente de causar inveja e de despertar atenção e interesse do outro?!
Para que você possa causar esse efeito radiante quando sorrir, precisa ter muitos cuidados básicos e constantes com sua higiene bucal.
A boca cumpre um papel essencial em nossa vida social e profissional, em todos os nossos relacionamentos cotidianos. A boca é como se fosse uma “linha de fronteira” entre nosso organismo, o meio ambiente e as pessoas que vivem ao nosso redor.
Concomitantemente com os dentes, eles formam o “cartão de visitas” de qualquer pessoa.
Mas não basta ter um sorriso e dentes bonitos, perfeitos se não adotar medidas preventivas e adicionais ligadas à saúde bucal.
Saúde bucal compreende: boca (incluindo a língua e as paredes da cavidade bucal) e dentes saudáveis, bom e puro hálito (sem halitose = mau hálito), boa mastigação, boa aparência bucal, hábitos diários de higiene.



Lembre-se de que a boca é considerada a porta de entrada de milhões de bactérias, vírus e microrganismos que podem prejudicar a nossa saúde de várias maneiras e, até nos levar à morte.




Observação importante: a saliva é um fluido formado por 99% de água, que contém amilase – enzima digestiva que decompõe o amido contido nos alimentos –, sais minerais e uma gama de microrganismos, muitos deles causadores de doenças.



Hábitos saudáveis e preventivos de higiene são extremamente importantes, indispensáveis para a manutenção da sua saúde, de modo geral. Isso engloba um verdadeiro leque que abrange todos os seus hábitos diários, suas rotinas, seus relacionamentos interpessoais e todo meio ambiente em que vive.
A saúde bucal também é uma questão de saúde pública.

Lia Nagel

Cuidados com a saúde e higiene bucal

A escolha do creme dental



Sempre com a orientação de seu dentista, escolha o melhor creme dental para seu uso diário.
Existe uma variedade de cremes dentais no mercado, entretanto, prefira as que contém flúor para remover a placa bacteriana, principal causa da gengivite e das cáries.
Não use creme branqueador de dentes sem falar com seu dentista. Por vezes esses cremes podem nem funcionar e ainda, podem desgastar o esmalte do dente, causando diversos problemas, inclusive a cárie.



A escolha da escova de dente



Em relação à escolha da escova de dente adequada para você, dê preferência a uma escova de cerdas macias e cabeça pequena. Essas são mais ideais para uma correta higienização dos dentes, pois irão se encaixar mais facilmente entre os dentes.
Outra forma de garantir uma boa escovação é utilizando as escovas elétricas, as quais só devem ser utilizadas com orientação e indicação do dentista.
É muito importante que você troque a sua escova de dente a cada 3 meses.




Escovação



Escove os dentes, no mínimo, três vezes ao dia, após cada refeição e, principalmente antes de deitar. Para evitar o envelhecimento dos dentes e problemas com o seu sorriso é necessário escová-los dez minutos após cada refeição.
Use pouco creme dental. Não é necessário usar em excesso a pasta de dente. Ela ajuda na limpeza dos dentes, mas é mais importante escovar os dentes três vezes, com menos pasta, do que escovar apenas uma vez com um monte de pasta.
Ao escovar os dentes, tenha muito cuidado. Evite escovar com muita força porque pode desgastar a camada translúcida de esmalte, e assim deixar a mostra a camada inferior, a dentina.
Escove os dentes na medida certa e através de movimentos circulares para a realização da limpeza. Faça movimento de varredura com a escova, iniciando-os da gengiva a até a extremidade de todos os dentes. Remova todo o excesso de alimento que se acumula entre a gengiva e os dentes, e entre os dentes. Em seguida, faça o movimento de varredura na face interna dos dentes.
Não se esqueça de escovar a língua, local em que se encontra a maior parte dos micro organismos  principalmente os responsáveis pelo mau hálito.
Uma boa escovação dura em média 2 minutos.
É muito importante você dar mais atenção a escovação noturna, antes de ir se deitar para dormir. Pode caprichar mais na escovação antes de dormir, isso porque enquanto dormimos, a produção de saliva diminui e a temperatura da boca aumenta o que favorece a proliferação de bactérias.





Uso de enxaguatório bucal, anti-séptico bucal ou antimicrobianos bucais



É bom destacar que eles devem ser coadjuvantes na higiene bucal e nunca substitutos da escovação e do uso do fio dental.
Utilize para bochechar, mas não deve ser usado frequentemente. Use por períodos curtos, no máximo, três meses, porque tendem a ressecar a mucosa e alterar o ph da flora bucal.
O anti-séptico bucal é um complemento importante para atenuar o mau hálito, contudo essa não é sua principal indicação. Ele serve como auxiliar para se evitar a formação de placa bacteriana e o acúmulo de tártaro nos dentes, prevenindo cáries, e previne infecções nas gengivas.
O uso é somente recomendado para adultos.
Evite o uso de anti-séptico bucal de composição alcoólica, que não agridem a mucosa bucal. . Dê preferência aos sem álcool, com ingredientes ativos à base de cetilpiridínio ou triclosan adicional do flúor.

Uso do fio ou fita dental






O uso do fio dental diariamente antes da escovação dos dentes é um excelente auxiliar para retirar os restos de alimentos que, por muitas vezes, a escova não consegue retirar, pois muitos resíduos ficam “escondidos” entre os dentes. Preferencialmente, o uso deve ser feito pelo menos uma vez ao dia, antes de dormir.

Visita regular ao dentista



De seis em seis meses é o intervalo ideal para consultar o dentista.
Essa consulta periódica serve para a realização de limpeza geral dos dentes, retirando as placas bacterianas, o tártaro e cáries quando houver.
Além dessas visitas periódicas para manutenção, procure o dentista se notar alguma alteração nos dentes ou sentir alguma dor.

A prevenção da saúde bucal é a melhor atitude.




Se surgir algum problema, vá imediatamente fazer um tratamento!
Não adie!

Problemas que podem surgir:

Sangramento gengival:



Não ignore o sangramento na hora do uso do fio dental ou na escovação. Isso se deve a uma inflamação da gengiva (gengivite), causada pela placa bacteriana, uma película esbranquiçada que se desenvolve com o acúmulo dos micro organismos dos alimentos em decomposição. Isso ocorre devido à limpeza mal feita dos dentes. O acúmulo de placa bacteriana deixa a gengiva inflamada, inchada e, por vezes, apresenta sangramento.



É importante realizar exames regulares, de seis em seis meses, e a limpeza dos dentes em consultório, assim como a higiene bucal em casa.

Periodontite:





A gengivite, sem tratamento, pode levar a uma forma mais grave do problema – periodontite. É quando afeta as outras estruturas de suporte dos dentes, principalmente o osso e o ligamento periodontal que o une ao dente. Formam-se bolsas entre os dentes e a gengiva, difíceis de higienizar, o que permite a progressão da doença, podendo ocasionar a perda do dente.



Então, o controle da infecção, remoção do tártaro e cuidados extras com a escovação fazem parte do tratamento da gengivite que pode evoluir para a periodontite se não cuidada.



Clareamento dos dentes:



Uma boa limpeza no dentista remove a maior parte das manchas externas causadas pelos alimentos. Aliada ao uso de um creme dental branqueador também pode ajudar a remover essas manchas. Mas não deixe de consultar seu dentista para indicar o mais adequado creme dental para seu caso.
Outro método, mais profundo e de média a longa duração, é o clareamento feito pelo próprio dentista ou especialista, com uso de técnicas e produtos especiais. O resultado é extremamente satisfatório! Exige manutenção e cuidados.

Tratamento ortodôntico:



Nada melhor do que ter os dentes alinhados, com formas e tamanhos corretos para tornar seu sorriso mais bonito e perfeito!
Se for o seu caso, não adie mais a ida a um especialista ortodôntico para corrigir seu sorriso. Quanto antes iniciar o tratamento mais rápido são os resultados. O tratamento já pode ser iniciado aos seis anos de idade; com isso os resultados aparecem mais rapidamente e são mais eficientes.
Na idade adulta, o tratamento pode ser um pouco mais demorado, justamente porque a arcada dentária já está formada. Mas, com as técnicas e opções avançadas de hoje em dia, é possível terminar um tratamento em menos de um ano.
Existem, também, opções de tratamento ortodôntico mais discretos e igualmente eficaz, para as pessoas que não querem expor o aparelho, que são os aparelhos dentais invisíveis, colocados atrás dos dentes com uma espessura muito fina, que não atrapalha a fala.



Mulheres gestantes
Um check-up odontológico deve estar na lista dos procedimentos a serem tomados assim que a mulher começar a planejar a gestação. O dentista vai realizar todos os tratamentos necessários para evitar a necessidade de procedimentos odontológicos de emergência durante a gravidez. Também passará as recomendações de cuidados orais específicos, principalmente a manutenção diária de uma boa higiene oral e de uma dieta adequada. Inúmeros estudos científicos já comprovaram que a gengivite e a periodontite estão associadas a riscos durante a gravidez, principalmente por favorecerem o parto prematuro.

Para as pessoas da terceira idade



Idosos podem sofrer mais com sensibilidade, já que é normal haver uma retração da gengiva, que expõe áreas do dente não protegidas pelo esmalte dental. Essas áreas podem ser doloridas quando atingidas por alimentos e bebidas quentes ou frios. Se os dentes estiverem muito sensíveis, o recomendado é usar creme dental apropriado e, se o problema persistir, consultar o dentista, pois a sensibilidade pode indicar um problema mais sério, como cárie ou dente fraturado.




O que você come também pode influencia na sua saúde bucal.


Alimentação:


Evite o consumo exagerado e diário, associado a uma má higiene, de alimentos e bebidas com adição de corantes e cafeína (café, chocolate, refrigerante, chá preto, feijão preto, etc). Estas substâncias em contato com os dentes por um longo período podem amarelar, escurecer ou até mesmo manchar os dentes, além de contribuírem para a formação da placa bacteriana, que destrói o esmalte do dente. Alimentos ácidos como refrigerante à base de cola, mesmo Diet ou Zero, vinho tinto, vinagre e frutas cítricas, como limão e laranja também desgastam o esmalte dos dentes.






Evite consumir açúcar em excesso. Ele é o principal vilão dos dentes saudáveis já que estimula o aparecimento das cáries e prejudica a dentição. Alimentos doces: eles não devem ser ingeridos à noite. Eles alteram o nível do ph da saliva, tornando o ambiente mais ácido, propenso ao crescimento da bactéria da cárie.




Os doces devem ser ingeridos, no máximo, uma vez ao dia. É melhor ingerir 500 gramas de doce de uma vez do que ingerir 100 gramas cinco vezes ao dia, porque ao ingerir mais vezes, o ph salivar não tem tempo de voltar ao normal, o que torna a flora bucal mais propensa à cárie.


Evite alimentos doces muito duros, pegajosos e gordurosos. Eles podem acabar quebrando os dentes ou mesmo as obturações, além de ser um convite as cáries. Se não puder escovar os dentes de imediato, ao menos faça um bochecho.




Evite mastigar chicletes, pois estas guloseimas desgastam os dentes, o que pode fazer com que os dentes sofra redução de tamanho.




Muita atenção para o vício do cigarro (tabagismo) e o consumo de álcool, outros responsáveis pelos dentes escurecidos, amarelados. Além de causarem outros problemas sérios à saúde, o hábito de fumar e de consumir bebidas alcoólicas acarreta extremo mau hálito, problemas como gengivite e câncer.




Higiene oral para fumantes:

Fumar prejudica a chegada do fluxo sanguíneo aos tecidos periodontais, impedindo a formação de células de defesa imunológica e a proteção contra as bactérias periodontais. O fumo inibe a recuperação dos tecidos gengivais após alguma cirurgia e o fumante precisa o dobro dos cuidados com a higiene oral. Escovar os dentes logo após as refeições e acender o cigarro somente após a higiene oral diminui o acúmulo de nicotina nos dentes. A visita ao dentista, para limpeza, deve ser de três em três meses.





Alimentos que colaboram para a saúde de seus dentes:



Dê preferência aos alimentos ricos em cálcio.

Amêndoas, brócolis, couves e laticínios são ricos em cálcio. Esse mineral é essencial para a manutenção dos dentes mais fortes.

Chá verde e romã possuem catequinas. Os polifenóis do chá verde impedem a aderência das bactérias causadoras das cáries.

Aipo, brócolis, folhas verdes e cenoura são alimentos repletos de fibras insolúveis e esse tipo de fibra pode remover as partículas dos alimentos depositadas entre os dentes.

Feijões, laticínios e ovos contêm lisina, um anticorpo natural. A deficiência desse aminoácido (lisina) está associada à aparição das aftas.

As frutas silvestres e cítricas, e o pimentão possuem vitamina C, que além de ajudar na cicatrização bucal, essa vitamina é um componente vital do tecido conjuntivo dos dentes e dos ossos.

Inclua sempre no seu cardápio alimentos como a maçã e a cenoura que são adstringentes e ajudam a clarear os dentes.

Mascar chicletes sem açúcar estimula a secreção da saliva e ajuda a limpar os dentes.




Importante: A genética influi em um belo sorriso, porém, maus hábitos na infância, como o uso de chupeta, e na fase adulta, como o tabagismo e o consumo de álcool, associados à má higiene também podem ser prejudiciais na busca de um sorriso perfeito. Para que os dentes do bebê cresçam saudáveis, controle o uso de mamadeiras e chupetas e evite a mamadeira noturna, para que a criança não durma sem a higiene oral adequada.




Uma receita caseira básica (Made in Índia) para o bom hálito e gengivas saudáveis

Após a limpeza da boca, da língua, dos dentes e da gengiva, deve-se mascar um pedaço pequeno de gengibre (Zingiber officinale, que apresenta propriedades antiinflamatórias e digestivas) e um cravo-da-índia (Syzygium aromaticum, poderoso anti-séptico, bastante utilizado na Odontologia) durante cinco minutos. Logo após, jogar fora e fazer um bochecho com água fria. O odor do cravo com o gengibre é agradável, o que ajuda a liberar serotonina, neurotransmissor responsável pelo bem estar e prazer.

A Echinacea purpurea (equinácea) e a Uncaria tomentosa (Unha-de-gato) têm demonstrado ser muito efetivas no combate do herpes. Num estudo envolvendo 500 pacientes tratados com equinácea, houve 100% de melhora do quadro.




BOCA: PORTA DE ENTRADA DE MUITAS DOENÇAS




O contato entre as bocas, a saliva e os fluídos podem transmitir desde as doenças infecciosas mais leves até as doenças infecciosas mais graves e crônicas. 





O contágio, contaminação ou infecção ocorre quando fluídos de risco se alojam no sangue infectado ou na saliva de uma ferida bucal.

Uma das maiores preocupações dos dias atuais é a proliferação das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's) pelas vias orais (boca, língua e lábios).




Observa-se que as práticas sexuais têm incluído a participação ativa da boca nas relações íntimas e, muitas das DST's, se manifestam na cavidade oral.




Hoje, existem profissionais que consideram a boca como um órgão sexual ou, pelo menos, atribuírem a ela uma nova função além da mastigação e da fonação.



Com isso, a boca não é mais um sítio preferencial ou a porta de entrada de certas doenças como a cárie; a gengivite; doenças de caráter respiratório como gripes; ou relacionadas à garganta, como laringite, faringite ou amigdalite. 



A boca pode ser afetada por doenças localizadas (que só afetam uma zona específica do organismo) – é caso de algumas infecções e feridas. Mas também as doenças sistêmicas (que afetam o organismo em geral) podem causar alterações na boca. Outras condições patológicas, também de caráter infeccioso, podem se originar na cavidade bucal, sendo imprescindível dar a máxima atenção para possíveis manifestações bucais de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's).




A seguir, eu criei quadros bem resumidos das principais doenças que pode ter seu gêneses na cavidade bucal.

Veja!



DOENÇAS QUE PODEM SER TRANSMITIDAS PELO CONTATO BUCAL
(Elaborado pelo Conexão Lia Nagel)

CÁRIE DENTAL

Doença infectocontagiosa causada por bactérias como Streptococcus mutans, que provoca a desmineralização do esmalte do dente, ocasionando destruição localizada, progressiva e irreversível.


GENGIVITE
Inflamação da gengiva, causada por bactérias (placas), que pode se agravar e atingir o osso alveolar, o qual envolve e mantém os dentes firmes. Tem-se observado o aumento do número de casos de gengivite. É de se crer que, além da ausência de cuidados com a higiene bucal, a prática do “ficar”, muito comum entre os jovens e adultos de hoje, esteja contribuindo para isso.

GRIPE
Doença infecciosa muito contagiosa, quase sempre epidêmica, devido a vários vírus do grupo Myxovirus influenzae.

FARINGITE

Inflamação da faringe, região situada entre as amígdalas e laringe (onde se forma a voz), pode ser causada por vírus e bactérias.

LARINGITE

Inflamação aguda ou crônica da laringe (onde estão as cordas vocais), causada por vírus e também bactérias.

AMIGDALITE

Inflamação das amígdalas, geralmente provocada por uma infecção estreptocócica (bacteriana) ou, com menos frequência, por uma infecção viral.


MONONUCLEOSE
É uma doença de progressão benigna e muito comum; 79% dos casos são causados pelo vírus Epstein-Barr, e 21%, pelo Cytomegalovirus, ambos transmitidos pelo beijo, saliva e troca de outras secreções. Caracteriza-se por febre, aumento do número de monócitos (glóbulos brancos) no sangue, angina (sensação de angústia, opressão torácica, devido a um fornecimento insuficiente de oxigênio ao coração), aumento do volume do baço, erupções cutâneas, etc.

HEPATITE A E B
Infecção inflamatória do fígado. Há risco de transmissão do tipo B da doença, caso haja lesões e feridas na mucosa bucal. O tipo A é transmitido por fezes e o tipo C, apenas por agulhas. A vacinação pode prevenir a doença.

URETRITE

Inflamação da mucosa da uretra.

MENINGITE
Inflamação das meninges (conjunto das três membranas que envolvem o eixo cérebro-espinhal). Pode ser cerebral, espinhal ou cérebro-espinhal, de origem bacteriana, tóxica, parasitária ou secundária a diversas doenças.


TUBERCULOSE
Doença infecciosa e contagiosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch). As regiões atingidas pela tuberculose oral envolvem, usualmente, a língua, mandíbula, maxila, lábios, processos alveolares, gengiva e mucosa jugal (mucosa da parte posterior do vestíbulo, correspondente à região das bochechas e ao nível dos molares e pré-molares), podendo também atingir a região da faringe, amígdalas e cavidade nasal.

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST’s)





HERPES
Os herpes e uma afecção cutânea aguda causada pelo vírus Herpes simplex, que se manifestam na boca como uma ou várias vesículas cheias de líquido (bolhas), podem ser do tipo I – Herpes bucalis ou do tipo II – Herpes genitalis, os dois tipos associados ou separados, podem se manifestar na boca e na genitália após aproximadamente 14 dias do contágio, sendo que a manifestação do H. genitalis no lábio é mais dolorida do que a do H. bucalis. Acometem a boca toda, os lábios, faringe, língua, palato e tonsilas. Os sintomas do herpes oral incluem febre, cansaço, dores musculares e irritabilidade. Bolhas doloridas aparecem nos lábios, gengivas, na parte anterior da língua, no interior da bochecha, garganta e do palato. Estas vesículas podem inchar e arrebentar, resultando em sangramento. O Herpes oral torna difícil para o paciente o ato de se alimentar, beber e falar, sendo uma doença altamente contagiosa que pode se propagar de pessoa para pessoa quando as bolhas entram em erupção. Muitas vezes, esta infecção está associada à ocorrência de febre alta e baixa resistência imunológica.



CITOMEGALOVÍRUS
Pertencente à família dos herpes vírus, assim como a herpes e a catapora, possui sintomas parecidos com os da mononucleose. No entanto, se a pessoa não estiver com a imunidade baixa, pode ser assintomática. Em alguns casos, pode comprometer o sistema digestivo, o sistema nervoso central e a retina. Além da saliva, pode ser transmitida também por tosse, espirro, por relação sexual sem proteção e transfusão de sangue.



CANDIDÍASE
“Sapinho” como é chamado popularmente, é causada por um fungo chamado Candida albicans, que pode ser transmitido por um beijo e por uma relação buco-genital desenvolvendo a doença. Caracteriza-se por áreas brancas na mucosa que, quando raspadas, deixam a região vermelha e sangrante.Esta doença se manifesta na forma de um creme que é facilmente removido. Na boca a maior freqüência é no ângulo do início da comissura bucal e na bochecha. Sua manifestação é facilitada pela utilização exacerbada de antibiótico o que favorece o desenvolvimento da microbiota fúngica. As manifestações fúngicas também são facilitadas pela quebra da homeostase do organismo por doenças debilitantes.


HPV (VÍRUS DO PAPILOMA HUMANO)
Nome genérico de um grupo de vírus que engloba mais de 200 variações diferentes e provoca a formação de verrugas na pele, e nas regiões oral (lábios, boca, cordas vocais, etc.), anal, genital e da uretra. A infecção causada pelo HPV pode ser assintomática ou provocar o aparecimento de verrugas com aspecto parecido ao de uma pequena couve-flor na pele e nas mucosas. Se a alteração nos genitais for discreta, será percebida apenas através de exames específicos. Se forem mais graves, as células infectadas pelo vírus podem perder os controles naturais sobre o processo de multiplicação, invadir os tecidos vizinhos e formar um tumor maligno como o câncer do colo do útero e do pênis. Sua principal forma de transmissão é por via sexual. Considerada uma das mais frequentes das doenças sexualmente transmissíveis.








SÍFILIS
É uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Podem se manifestar em três estágios. Os maiores sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença. Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má formação do feto e/ou morte ao nascer. O teste deve ser feito na 1ª consulta do pré-natal, no 3º trimestre da gestação e no momento do parto (independentemente de exames anteriores). O cuidado também deve ser especial durante o parto para evitar sequelas no bebê, como cegueira, surdez e deficiência mental. A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado, por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto. O uso da camisinha em todas as relações sexuais e o correto acompanhamento durante a gravidez são meios simples, confiáveis e baratos de prevenir-se contra a sífilis. Os primeiros sintomas da doença são pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas (ínguas), que surgem entre a 7 e 20 dias após o sexo desprotegido com alguém infectado. A ferida e as ínguas não doem, não coçam, não ardem e não apresentam pus. Mesmo sem tratamento, essas feridas podem desaparecer sem deixar cicatriz. Mas a pessoa continua doente e a doença se desenvolve. Ao alcançar certo estágio, podem surgir manchas em várias partes do corpo (inclusive mãos e pés) e queda dos cabelos. Após algum tempo, que varia de pessoa para pessoa, as manchas também desaparecem, dando a ideia de melhora. A doença pode ficar estacionada por meses ou anos, até o momento em que surgem complicações graves como cegueira, paralisia, doença cerebral e problemas cardíacos, podendo, inclusive, levar à morte. 


GONORRÉIA OU BLENORRAGIA
A gonorréia é causada pela bactéria Neisseria gonorrea e pode sim ser adquirida do trato/contato genital e urinário pelo meio bucal, causando uma infecção que acomete a boca, faringe e tonsilas palatinas. Caracteriza-se por uma inflamação das vias geniturinárias (relativo às funções de reprodução e de eliminação de urina), com corrimento purulento e dores à micção. Apresenta vermelhidão, ardência e prurido na mucosa. Raramente fazem feridas. .É uma doença que pode causar irritação, supuração, mal estar e febre. De acordo com a literatura a mesma pode desaparecer sozinha, após no máximo 3 meses da infecção.




CANCRO MOLE
Pode ser chamado de cancro venéreo, mas seu nome mais popular é “cavalo”. Provocado pela bactéria Haemophilus ducreyi, é mais frequente nas regiões tropicais, como o Brasil. A transmissão ocorre por relações sexuais principalmente ora-anais, ora-genito-anais e ora-genitais. com uma pessoa infectada, sendo o uso de preservativo a melhor forma de prevenção. Aparece de 1 a 4 dias após o contacto sexual com a pessoa infectada. Os primeiros sintomas - dor de cabeça, febre e fraqueza - aparecem de dois a 15 dias após o contágio. Depois, surgem pequenas e dolorosas feridas com pus nos órgãos genitais, que aumentam progressivamente de tamanho e profundidade. A seguir, aparecem outras lesões em volta das primeiras. Após duas semanas do início da doença, pode aparecer um caroço doloroso e avermelhado na virilha (íngua), que pode dificultar os movimentos da perna de andar. Esse caroço pode drenar uma secreção purulenta esverdeada ou misturada com sangue. Nos homens, as feridas aparecem na cabeça do pênis (glande). Na mulher, ficam na vagina e/ou no ânus. Nem sempre, a ferida é visível, mas provoca dor na relação sexual e ao evacuar.


HIV
(Vírus da Imunodeficiência Humana)
O Departamento de Saúde dos EUA considera que pode haver risco, apesar de muito pequeno, de transmissão do vírus HIV, causador da AIDS (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida), através do beijo da boca (http://www.cdc.gov/hiv/resources/qa/qa17.htm) caso existam feridas ou sangramento na boca. O risco de transmissão do HIV através do beijo na boca teoricamente é maior em pessoas com body-piercing na língua ou lábios. Um beijo mais ardente poderia provocar sangramento na região do body-piercing, havendo o risco de infecção do vírus HIV se o sangue entrar em contato com uma lesão bucal ou corte.






ALGUMAS OBSERVAÇÕES MUITO IMPORTANTES

SEXO ORAL


PREVENÇÃO


EXEMPLOS DE TRATAMENTOS
Atualmente, ainda são os homens que detém a maior prevalência de doenças sexualmente transmissíveis, mas as mulheres a cada dia vêm apresentando maior freqüência. Isto não se deve a susceptibilidade e sim a um maior comportamento de risco em relacionamentos sexuais.
O contágio ou infecção se dá por contato sexual direto, por meio das relações bucais, também conhecidas como sexo oral, ocorrendo então, por relacionamentos sexuais buco-genitais, buco-anais e buco-genito-anais, como também podem ocorrer tão somente pelas relações buco-bucais. São mais susceptíveis aqueles que têm sangramentos gengivais, ulcerações bucais e lesões nos tecidos epiteliais da boca ou ora-faringe, associados a uma má higiene bucal.
A transmissão de doenças sexualmente transmissíveis pela realização do sexo oral ocorre principalmente quando o parceiro tem feridas abertas na região genital, que são muitas vezes não percebidas. Pode-se também adquirir a infecção através do sexo oral se ele tem alguma lesão ou cortes na língua, gengivas ou na boca, também muitas vezes não percebidas. O risco de transmissão também pode aumentar devido a certas atividades realizadas antes ou depois do sexo oral. Estas incluem escovar os dentes, utilizar fio dental, mastigar alimentos ou qualquer tipo de trabalho odontológico realizado. A infecção também pode se espalhar devido à partilha de colheres, copos, escovas, toalhas e até lenços infectados.
O relacionamento sexual seguro, sempre deve ser com preservativo e uma excelente higiene bucal, devemos ainda enfatizar que é fundamental uma excelente higiene bucal, por meio da escovação, utilização do fio dental corretamente e cremes dentais que contenham formulação anti-séptica, além de utilizar como co-adjuvantes enxaguatórios bucais com formulação anti-séptica sem álcool. Estes procedimentos citados são a melhor forma de prevenção das Doenças Bucais Sexualmente Transmissíveis.
Uma higiene eficaz corpórea e uma higiene bucal adequada são formas de evitar o estabelecimento de doenças por ulcerações e lesões do tecido epitelial; os controles periódicos em consultórios odontológicos e médicos; uma vida regrada sem o risco de sexo inseguro e com o mesmo parceiro/a.
A higiene bucal é condição indispensável para a manutenção da saúde bucal e todos os produtos que pudermos lançar mão para a não ulceração e para a promoção da saúde serão bem vindos. Os anti-sépticos bucais sem álcool e a base de clorhexidina são coadjuvantes no controle das infecções como as doenças periodontais, portanto, ajudam a evitar ulcerações e exposição de tecido conjuntivo. A higiene bucal é a forma mais simples, mais barata e segura de prevenção para inúmeras doenças, cuja porta de entrada é o meio bucal, principalmente quando ulcerado.

* Herpes Bucal I e II – Tratamentos mais comuns: Auto-vacinas e Antivirais existentes no mercado como o aciclovir, podem ser utilizados produtos anestésicos locais.
* HPV Bucal – Identificação com lupa e remoção cirúrgica das verrugas ou Quimiocirurgia ou Eletrocirurgia das lesões, já existem vacinas para mulheres moças e é fundamental a manutenção de uma boa higiene bucal.
* Gonorréia ou Blenorragia Bucal – A gonorréia bucal geralmente se cura espontaneamente com uma boa higiene bucal, porém pode haver a necessidade de que sejam utilizados antibióticos específicos para essas bactérias Gram negativas.
* Cancro Mole – O tratamento é dado por antibióticos específicos para o microrganismo Haemophyllus ducrei e uma boa higiene bucal.
* Sífilis com manifestação bucal – Causada por uma bactéria Treponema pallidum tem como tratamento a antibioticoterapia, normalmente à base de Penicilina Benzatina e uma boa higiene bucal.
* Candidíase Bucal – “Sapinho” o tratamento é uma boa higiene bucal, com remoção do creme fúngico e caso a formação de colônias fúngicas permaneçam, ministrar fungicidas locais e sistêmicos. O iogurte é uma excelente indicação para alterações fúngicas na boca, pois os Lactobacilos concorrem e matam os fungos causadores das candidíases.
* AIDS ou SIDA – A Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida é tratada com o coquetel à base de AZT e esta indicada a boa higiene bucal.
Vale lembrar que cada caso deverá ser analisado separadamente e a propedêutica medicamentosa para o tratamento da lesão em questão caberá tão somente, ao profissional, após o diagnóstico, o prognóstico e a determinação do plano de tratamento.

Concluindo: O relacionamento sexual seguro, sempre deve ser com preservativo, devemos ainda enfatizar que é fundamental valorizar a manutenção de uma excelente higiene bucal, por meio da escovação, utilização do fio dental corretamente e cremes dentais que contenham formulação anti-séptica, além de utilizar como co-adjuvantes enxaguatórios bucais com formulação anti- séptica sem álcool, para que não existam úlceras e sangramentos gengivais ou das mucosas bucais. Estes procedimentos citados são a melhor forma de prevenção das Doenças Bucais Sexualmente Transmissíveis – DSTs.




OBSERVAÇÃO IMPORTANTE
Os beijos sociais (beijo seco, de boca fechada) são seguros (risco zero) quanto à transmissão do vírus, mesmo que uma das pessoas seja portadora do HIV. O mesmo se pode dizer de apertos de mão e abraços.





MANEIRAS DE IDENTIFICAR A CONTAMINAÇÃO, CONTÁGIO OU INFECÇÃO
No caso de o parceiro ou parceira seja comprovadamente portador (a) de algumas destas doenças e a prática de sexo tenha sido realizada sem a utilização de preservativos. Em uma segunda hipótese, por sinais e sintomas sistêmicos e/ou locais que caracterizam o quadro clínico de DST/AIDS, lembrando que na mulher diversas DST’s podem se apresentar de maneira assintomática durante período variável de tempo. A presença de ulcerações em órgãos genitais, em áreas anais ou bucais, corrimentos vaginais ou uretrais, linfoadenopatias inguinais, pruridos em áreas genitais ou anais, dores pélvicas, crescimento verrucosos em áreas anais, genitais e bucais e lesões dermatológicas são algumas formas de manifestações clínicas e devem constituir focos de suspeita de doenças sexualmente transmissíveis (DST’s), exigindo um pronto atendimento médico e investigação quanto à infecção pelo HIV - as doenças sexualmente transmissíveis, especialmente aquelas que produzem ulcerações, são facilitadoras de transmissão do vírus da AIDS.

ALGUMAS CURIOSIDADES SOBRE O BEIJO


ALGUMAS PRECAUÇÕES
Um beijo apaixonado pode significar a aplicação de uma pressão de 12 Kg sobre os lábios.
Feridas nos lábios, mau hálito, dentes mal cuidados e sangramento gengival (gengivite) são indicativos de maus cuidados com a higiene bucal.
Uma pessoa troca em média, 24 mil beijos ao longo de toda a sua vida, desde os maternais até os apaixonados.
Um beijo mais ardente pode provocar sangramento na região do body-piercing, havendo o risco de infecção do vírus HIV, se o sangue entrar em contato com a lesão bucal.
Para beijar o ser humano movimenta 29 músculos (12 dos lábios e 17 da língua).
Também, antes e após o beijo, além dessa escovação, usar um anti-séptico bucal, para que se diminuam as chances de transmissão de algum tipo de doença.
Quando beijam, 97% das mulheres fecham os olhos. Apenas 30% dos homens fazem o mesmo.
É necessário realizar uma boa higiene bucal diariamente e sempre após as refeições. Usar fio dental, escovar os dentes e usar um anti-séptico bucal
Em cada beijo os apaixonados trocam 9 mg de água, 0,7g de albumina, 0,18 g de substâncias orgânicas, 0711 mg de gorduras e 0,45mg de sais.
Muitas outras doenças podem ser transmitidas pela saliva, e neste caso falar, tossir ou espirrar a menos de 1 metro do indivíduo já pode ser perigoso. Rubéola, sarampo, caxumba e catapora são alguns exemplos destas doenças.
Cerca de 250 vírus e bactérias diferentes podem ser transmitidos em apenas um beijo.
Existem outras maneiras bem prosaicas de se contrair e de transmitir doenças: o hábito de assoprar os alimentos quentes para dar as crianças; oferecer um pouco da sua bebida para outra pessoa; o hábito de oferecer uma mordida num sanduíche ou outro alimento qualquer; oferecer um pedaço do seu picolé; etc
Quando se beija alguém, resíduos de sua saliva permanecem em sua boca por três dias.
Sempre usar preservativos no sexo vaginal, oral e anal para evitar a transmissão, contágio ou infecção de doenças. O uso de preservativos é de importância fundamental, tanto para as práticas genitais, anais ou buco-genito-anais. Na felação, o uso da camisinha é indispensável, bem como nas práticas de cunilinguismo ou anulinguismo, o uso de proteção com látex sobre a genitália feminina ou sobre o ânus masculino ou feminino é a forma de preservativo a ser utilizado.



















Risco relativo de transmissão no sexo oral








Lia Nagel

Fonte: Conexão Lia Nagel; Ministério da Saúde, Google, Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário