Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

domingo, 21 de agosto de 2016

Algumas regras de boas maneiras para seu dia a dia

Boas maneiras é a essência  da boa educação.
Um bom relacionamento depende, e muito, do nosso comportamento social.
Há uma gama imensa de normas a seguir:
Devemos ser corteses em sociedade e no lar.
Há fórmulas de cumprimentar e conviver.
Não queremos ser amigos de todos, guardamos este sentimento para aqueles que temos afinidades.
Ser franco demais é errado.
A franqueza é a maneira mais fácil e certa de ser desagradável.
Guardamos a franqueza para os íntimos, mas espere que a pessoa lhe peça opiniões sinceras.
A cortesia causa prazer e não nos compromete, mas não devemos exagerar.
Quando se é cortês e amável a nossa presença só causará prazer.
Exemplo: " Obrigado, desculpem-me, por favor". Outro exemplo, ceder a cadeira para uma senhora, etc...
APRESENTAÇÃO:
A apresentação é o marco inicial do conhecimento em sociedade. O "muito prazer" vai bem seja ao ancião, a uma bela senhorita. Por isso temos a obrigação de promover as apresentações. Seguimos as seguintes normas: Grau de idade, Sexo, Política e Posição Social.
- Havendo um Sacerdote, é quase sempre ele quem tem grau superior. Quem apresenta deve fazê-lo claramente dando os nomes por extenso e se possível acrescentar uma palavra que qualifique os apresentados, para ambos entrarem em entendimento.
- A pessoa mais importante estende a mão à que lhe foi apresentada, ou faz uma referência com a cabeça, não restando a esta senão imitar. É a pessoa importante quem diz primeiro "Muito Prazer" e, inicia a conversação. Os ingleses dizem somente - Como vai? e o outro responde com as mesmas palavras..
- Uma senhora nunca se levanta, quando é apresentada a outra senhora ou a um senhor, fazendo-o somente quando a pessoa apresentada é de tal ordem, que a isso obriga. Ex.: Chefe de Estado, Sacerdote, alta hierarquia, senhora ou senhor muito idoso.
- Quando a pessoa é do mesmo nível, é indiferente o nome citado em primeiro lugar.
- Quando a pessoa a quem se apresenta é por demais conhecida ou se, na ocasião essa pessoa é homenageada (todos devem saber disso) não há necessidade de mencionar seu nome, mas somente o da apresentada.
- Se você for apresentado e não entendeu bem o nome, pergunte. É muito importante guardar os nomes dos novos conhecidos.
- o homem não permanece sentado durante uma apresentação. Só os Chefes de Estado, Sacerdotes de alta hierarquia podem permanecer sentados.
- Quando há um grupo de pessoas reunidas e chega mais uma, a dona da casa deve apresentar a que chega, dizendo seu nome e o nome das pessoas que estão na roda, apresentando-as sem que haja apertos de mão. As pessoas apresentadas vão repetindo o clássico "Muito Prazer". Se houver pessoas idosas no grupo, devem dar-lhes primazia no cumprimento.
- Se a pessoa que devia fazer as apresentações não faz, por esquecimento ou por estar ocupado, os convidados podem apresentar-se mutuamente.. Podem e devem fazê-lo. Muito formalismo é tão censurável como a intimidade exagerada à primeira vista. Em se tratando de pessoas de sociedade deve-se encontrar sempre a forma certa de entabular uma palestra agradável, quando há afinidades entre si.
- Apresentação por meio de cartas devem ser feitas com algumas palavras simpáticas para ambas as partes. Por telefone também é permitido, pedindo a um amigo que receba o outro e se desejar, colocar os dois no aparelho. Pode fazê-lo, desde que haja intimidade entre o que apresenta e as duas pessoas que se se deseja conhecer..
- Se você for apresentado a um Chefe de Estado, Ministro ou a outra personalidade e não entendeu o nome, não torne a perguntar.
SAUDAR
Saudar é um ato de boa educação. O essencial é que a saudação seja sempre um gesto de amizade cordial e espontâneo. A saudação deve apresentar realmente o desejo de que a pessoa a quem cumprimentamos tenha um "Bom dia" uma "Boa tarde" uma "Boa noite", ou o real prazer em vê-lo de novo. Uma coisa permanece imutável, é o dever de saudar conhecidos e amigos.
- O homem saúda primeiro a mulher, a um superior hierárquico ou grandes personalidades, não deve estender a mão, deixando a iniciativa ao saudado.
- Uma senhora saúda primeiro outra senhora menos jovem, ou de posição mais elevada, um cavalheiro muito importante ou idoso, uma autoridade. Nunca tomar a iniciativa de estender a mão.
- Entre homens ou senhoras, quem chega ou vai passando deve saudar em primeiro lugar. Parando se houver conhecimento suficiente.
- Quem entra num salão ou num elevador residencial, cede o passo aos mais idosos e as senhoras, faz uma saudação com um simples aceno de cabeça. Quem recebeu a saudação, deve corresponder com a mesma gentileza..
- Um homem, em companhia de um amigo ou de uma senhora, secunda o cumprimento deste ou desta a uma terceira pessoa, com um discreto aceno. Uma senhora nunca o faz.
- O homem levanta-se sempre, para receber um aperto de mão, seja de quem for, salvo se ele for muito importante ou idoso.
- A mulher só se levanta ante seus convidados, senhoras idosas ou pessoas de alta hierarquia, ou importantes.
- Quando duas pessoas conhecidas se cruzam na rua ou num salão cumprimentam-se. A iniciativa de parar deve ser sempre da mais idosa ou importante.
- Se um senhor cumprimentar uma senhora nessas mesmas condições, cabe a este, a iniciativa de parar.
- Não se estende a mão a um doente ou a mesa de refeições.
- O "beija-mão" requer cuidado, o gesto só cabe em recinto fechado, não em público. Não se beija mão de senhoritas ou mão enluvadas. É correto beijar as mãos das mais idosas ou das mais íntimas e cumprimentar as demais. Uma senhora ao entrar no salão sempre descalça as luvas, pelo menos a direita, para cumprimentar as pessoas que lhe venha falar.
- Cumprimentar tirando o "chapéu" é obrigação de quem se dá ao trabalho de usá-lo. Quando há senhoras, numa sala, num bar, numa loja, etc, tira-se o chapéu. Nunca se fica de chapéu, quando há dúvida.
- Se estiver frio e dois amigos se encontram enluvados, ambos retiram as luvas, antes de dar as mãos. Sendo uma senhora ela conserva as luvas ao encontrar-se com um amigo ou amiga.
- Num salão ou recinto fechado, geralmente o saudar é acompanhado do aperto de mãos. Não é obrigatório, sobretudo quando alguém se aproxima de um grupo numeroso. Basta saudar com a cabeça. Se quiser, poderá apertar a mão de uma ou duas pessoas, as quais deve mais respeito.
- Um homem bem educado nunca toma a mão enluvada de uma senhora, levantando com o polegar, a luva para beijar-lhe o pulso.
- Um anfitrião ou um hóspede nunca beijará, seja onde for, a mão de uma convidada, estando ela em "deshabillé" e ele em "role de chambre" ou qualquer deles nesses trajes. Não se beija "mão", em praia, campo ou fazenda.
- Não se deve estender a mão, num restaurante, quando se está à mesa ou a outra pessoa o está. Uma saudação com a cabeça é suficiente, mesmo que se chegue à mesa para conversar. Nesse caso, os homens levantam-se para cumprimentar, de longe, a senhora ou senhor.
- Em um jantar se uma senhora se levanta todos os homens devem fazer o mesmo, repetindo o gesto quando ela regressar. Sendo um jantar grande, essa obrigação fica limitada aos vizinhos da direita e da esquerda.
Cumprimentos
Contato Físico:


Não se cumprimenta uma pessoa que acabamos de conhecer dando - lhe beijos na face. Beijinhos são apenas para pessoas intimas.


O homem é apresentado à mulher mas caberá a mulher estender a mão para o homem; a mulher, quando com a sua mão enluvada, deverá tirar a mesma sempre que sentar-se à mesa .


O homem deve saber que não se beija a mão de uma senhorita. O beijo na mão se estende apenas às senhoras casadas.

Não é de bom tom apresentar uma pessoa, identificando por parentes ou situações de posição social.

Tapinhas nas costas entre cavalheiros são dispensáveis.

Regra básica: Todos os cumprimentos deve, ser feitos com elegância e discrição.


Acenos de mãos: Os cumprimentos feitos a distância também requer cuidados especiais. Imagine você caminhando na rua e do outro um amigo lhe vê. Ele começa a gritar o seu nome e fazer gestos para que você o perceba...... Bom, o mais elegante seria que primeiro caminhássemos olhando na linha do horizonte e de preferência tomando devido cuidado de perceber o que acontece ao nosso redor.


Para cumprimentar uma pessoa na rua, basta um breve aceno de mãos, sem muito exagero, isto se a pessoa para quem se acena também tiver lhe visto. Não se faça enxergar, você corre o risco de passar vergonha.


Outros cumprimentos como um aceno de cabeça , uma piscada rápida, um gesticular com os lábios são discretos e muito charmosos.


Algumas normas de BOAS MANEIRAS:
No Automóvel: - se é o homem quem dirige, a mulher senta a seu lado, o outro a direita.
No Táxi: - a senhoras sentam ao lado esquerdo e o homem a direita. Sabemos de antemão que é o cavalheiro quem abre a porta para as senhoras entrarem e saírem.
Guarda-Chuva: - é o abrigo contra o mau tempo, nunca uma arma de guerra. Como para o homem é sempre de cabo curvo, deve ser dependurado no braço esquerdo ou seguro no direito, sem que sua ponteira agrida o próximo.
Escada: - sempre o homem sobe a frente ou a senhora a seu lado na descida, o contrário é o exigido. Para uma senhora idosa o homem deve procurar ajudar, mas sem melindrá-la. Há pessoas idosas que detestam ser ajudadas.
Gesticular: - gestos são permitidos, mas discretamente para dar ênfase a uma palestra.
Apontar: - não aponte, só quando é absolutamente necessário, mas tome cuidado para não esbarrar em outra pessoa.
Telefone: - é o empregado mais solícito e rápido que a era moderna nos proporcionou. Ele deve ser usado para recados rápidos, informações ou convites. Devemos falar ao telefone com voz clara e pausada. O certo é dizer o nome da dona da casa em vez do número.. Quando o telefonema é uma atenção social de pessoa mais graduada à menos graduada, a primeira que chama é quem desliga.
Falar alto: - não se fala sempre com um surdo, mesmo os surdos percebem melhor quem fala claro. Numa discussão, não procure abafar a voz do parceiro, tenha bons argumentos, convence mais.
Cuspir: - não cuspa, seja onde for, usa-se o lenço com discrição. A escarradeira é indispensável somente para os enfermos.
Bolsos: - não ponha a mão nos bolsos da calça, é muito feio e deselegante. Quando está frio há os bolsos do sobretudo ou mesmo do paletó. Bolso de calça nunca.
Assoar: - é preferível assoar-se ao invés de continuar fanhoso, com o nariz carregado e fungando. Se está resfriado é preferível fazê-lo antes de ir a mesa.Em mesa íntima, é necessário pedir licença, ir assoar-se fora e voltar em seguida, do que procurar conter-se.
Bocejo: - se não puder evitá-lo, levante-se dê uma volta e afaste-se por um momento do grupo.
Assobiar: - é fazer pouco caso do próximo que está conversando ou calado. Assobie quando estiver só, ou em festinhas, que estejam cantando ou assobiando. Profissionais e Artistas - é um prazer imenso ouví-los.
Espirrar: - o lenço foi feito para silenciar, quanto possível o espirro, não deve ser evitado com contração. Para evitá-lo devemos colocar o dedo bem no centro dos lábios, em cima, apertando-o nessa região.
Tossir: - ao tossir deve-se levar o lenço a boca para abafar e evitar salivas..
Gírias: - podem ser usadas na intimidade, em sociedade quando dão mais sabor ao que se conta. Devem ser evitadas diante de pessoas mais velhas ou de mais cerimônias.
Restaurante: - ao entrar no restaurante, o homem vai a frente da mulher ou lado a lado, se há espaço. É o homem quem puxa a cadeira para a mulher sentar-se. Quando há "Maitre" é ele quem vai a frente, em seguida o homem e depois a mulher. O homem indica o lugar para a mulher, que senta ajudada pelo garçon. Os cardápios são distribuídos para o homem e mulher, cabe ao homem transmitir o pedido, enfim, tudo que a mulher precisar. Se vier um casal amigo cumprimentá-los, o homem deve levantar-se. Ao sair do restaurante, a mulher vai a frente, ou lado a lado. Cabe também ao homem pedir capa, guarda-chuva e sombreiro se houver, como também abrir a porta de saída.
Despedida: - quando alguém parte, convém ser atencioso, mas não ficar grudado ao viajante. Talvez ele queira dizer alguma coisa de particular a um dos presentes e ficar constrangido em não poder fazê-lo, sem tomar a terceira pessoa pelo braço, afastando-se ambos do grupo. Caso não possa ficar até o momento da partida, dê um pretexto razoável, deixando-a com os melhores votos de uma boa viagem.
Salão: - um homem sempre se levanta para receber uma xícara de café, chá, etc., que alguém lhe estende. Quando dois homens se encontram em um salão, ambos levantam-se para se cumprimentar. Havendo grande diferença de idade o mais velho pode não se levantar mas pede simpaticamente desculpas pela sua atitude.
Livros: - não devolver um livro emprestado é ato de pouca cortesia. Faça-o no estado em que o recebeu. Devolve-se tudo o que não nos pertence, mesmo que o valor seja insignificante.
Gaffe: - quando cometemos uma gaffe, o mais certo é deixar que ela caia por si só. Tentar corrigir o que se fez ou disse é pior. Sendo outra pessoa ajude-mo-la a mudar de conversa.
Cotovelos: - cuidado com eles a mesa. A boa maneira condena essa atitude feia.
Embrulhos: - não se acanhe de carregar pacotes na rua.. Se quem o acompanha é uma senhora, então é indescupável.
Teatro: - o homem vai a frente a procura de cadeira, na saída é ela quem vai a frente.
Televisão: - em sociedade é arma de dois gumes. Por um lado reúne e forma grupo, por outro, faz calar e o silêncio é inimigo da sociedade.
Gratificar: - em restaurante o clássico "dez por cento", se vem na conta não há necessidade. em visita a amigos, fins de semana, campo, praia gratifica-se os criados de acordo com a posição social da família ou seja, dos anfitriões.
Casal cuidado: - todo o marido deve tratar com deferência sua mulher principalmente em público e vice-versa. Havendo contenda não devem pedir a opinião de terceiros, o que é constrangedor. Estando ambos em casa de amigos, mesmo que não se dêem bem, devem ser gentis. A delicadeza é imperiosa.
Tratamento público: - sendo alguém íntimo de um chefe de governo, um sacerdote, embaixador, etc., que ocupe cargo elevado devemos dar-lhe tratamento respeitoso. Não devemos dizer-lhe brincadeiras pesadas, havendo outras pessoas menos íntimas no grupo e, mesmo na intimidade.
"Eu" : - quando há um grupo de pessoas, no qual fazemos parte é sempre melhor dizer: fulano, beltrano e eu. É de bom tom colocar-se modestamente no fim da enumeração.
EXCEÇÃO:
O Patrão diz: "Eu e meu secretário".


O Bispo diz: "Eu e o padre".

O General diz: "Eu e meu ajudante de ordens".

Em casos semelhantes a primeira pessoa cede a primasia às demais.

Dinheiro: - quando recebemos dinheiro, devemos contar a soma discretamente diante da outra, é possível erro contra ou a favor. Se for cheque, ainda assim, deve-se certificar que o cheque está em ordem.
DISCRIÇÃO
É o comportamento pessoal na sociedade e o cartão de visita de cada um. Agir sempre discretamente, vestir-se, portar-se discretamente, é o segredo da verdadeira elegância.


Agir com naturalidade, sem elevar a voz, sem muita gesticulação, seja na rua, em casa ou em sociedade, no trabalho, etc., não procurar sobressair, tornar-se alvo de todos os olhares. Esta é a norma fundamental, e o segredo da sua elevação social.


PONTUALIDADE
É a cortesia dos Reis, portanto, sejamos reis e rainhas, principalmente nós brasileiros, que na Europa somos sempre condenados por esta falta de cortesia.


Pontualidade é o ponto de honra na vida social. Sabendo que a pessoa com quem se trata, não tem essa virtude britânica, marque encontro num lugar agradável, para que a espera não seja cansativa. Deixe a desvantagem para a outra pessoa.


Ser um "Gentleman" - Um cavalheiro tem a obrigação de suportar impertinências e mesmo inconveniências até um certo ponto, mas não hesite em aplicar o remédio certo na hora precisa, mas com discrição, de tal maneira que o visado perceba o que se passa.
Não crie "aura" de constrangimento num grupo recusando a mão que se estende mesmo de um desafect, com isso demonstramos ao nosso opositor a nossa superioridade.




Saber ouvir e saber falar - Não saber ouvir, é um defeito gravíssimo. Coisa alguma corta mais a alegria de uma boa palestra, quando um ouvinte está frenético para entrar na conversa, logo que haja uma deixa. Saber ouvir é a mais difícil arte e dá ao parceiro, força e estímulo para expor com mais facilidade o que tem em mente. Sem uma palestra agradável e em termos elevado, com a voz natural, a vida em sociedade se torna enfadonha.
Boas maneiras no ambiente de trabalho
O trabalho é, provavelmente, o local onde passamos a maior parte de nosso dia. Não esqueça que também aí as regras de boas maneiras devem ser aplicadas. O respeito entre as pessoas deve ser uma constante, mantendo um clima harmônico e favorável aos negócios. Nada mais desconfortável do que um local onde não há respeito entre os funcionários e com clima pesado. Para evitar isso, algumas regras devem ser observadas:
São deveres do funcionário:
• Ser pontual e assíduo.


• Ao chegar e sair do local de trabalho deve cumprimentar os colegas.

• Deve se vestir com elegância sem exageros.

• Deve ser discreto.

• Não é necessário levantar-se para os diversos chefes, apenas para os mais idosos.

• Não deve se ficar reclamando de tudo o tempo todo.

• Evitar o mal humor.

• Não deve tratar o patrão com intimidade.
• Ter espírito de coleguismo.

São deveres dos chefes:
• Deve cumprimentar a todos.


• Não precisa mostrar a toda hora sua posição de superioridade.

• Não deve reclamar de tudo e por tudo.

• Deve exercer sua autoridade de chefe sem contudo ser arrogante.

• Deve ter atitudes firmes e coerentes

• Deve estar aberto para receber sugestões e reconhecer seus erros.




Os dez pecados mortais contra a arte de bem conversar, de Jonathan Swft:


1 - A desatenção de quem ouve.


2 - O mau hábito de interromper e a de falar ao mesmo tempo.

3 - A precipitação de mostrar que se tem espírito ou cultura.

4 - A vontade de querer dominar a conversa e o assunto.

5 - Pedantismo.

6 - A falta de seguimento na conversa.

7 - O espírito de contradição.

8 - O vício de sempre querer fazer graça.
9 - A falta de calma na apresentação de argumentos.
10 - Trazer a baila assuntos pessoais em detrimento dos de ordem geral.


Boas Regras:


Deve-se partir de um ponto certo.

Quem cala e ouve - aprende.

Quem fala - ensina.

Fonte: Terra
Saiba que:

Solidariedade é sinônimo de educação
Apesar dos governantes procurarem melhorar a qualidade de nossas vidas, procurando preservar algumas preferências aos idosos, grávidas e deficientes, ainda vai demorar a chegar o dia que todos teremos nossos direitos respeitados. Porém, se cada um de nós tomar para si uma pequena tarefa na comunidade, as dificuldades podem se tornar mais amenas, o desconforto pode ser diminuído e a vida mais agradável para todos. Ser solidário também é ser elegante. Na maioria das vezes, custa pouco, vale a pena e faz um bem danado. Não é necessário que bancos tenham cores diferentes para que nós deixemos esses lugares para idosos, grávidas, deficientes ou pessoas com qualquer dificuldade, num transporte coletivo ou em situação que o valha.
Então:
- Não espere que os mais jovens, homens ou qualquer outra pessoa reaja diante dessas situações: tome para si a responsabilidade de ser educada e ceda o seu lugar;
- Cumprimentar e agradecer aqueles que nos prestam serviços, ainda que sejam pagos para isso, só nós fará bem e pode significar uma recompensa a quem tem um trabalho estressante;
- esteja sempre preparada para pagar por suas compras ou serviços, assim você evita filas e desconfortos;
- fale em voz baixa em ambientes coletivos; os outros também têm direito de conversar e não precisam tomar conhecimento dos seus assuntos;
- zele pela conservação e pela limpeza do que é público e que a serve também.
Não custa levar um pequeno presente na primeira vez que for à casa de uma pessoa ou de um casal. Pode ser uma caixa de biscoitos ou de chocolates, uma garrafa de vinho ou outra lembrança impessoal e pouco comprometedora.
Quando um amigo muda de casa tam é vale a mesma regra e, nesse caso, é muito mais fácil presentear, porque conhecemos seu gosto. Pense em algo que possa ser usado na nova casa.
Deve-se tomar a iniciativa de cumprimentar alguém que se conhece há pouquíssimo tempo?
Cumprimentar é um ato atemporal: não importante se você conhece a pessoa há 15 minutos ou há 15 anos. Se você foi a primeira a avistá-la, cumprimente sem receio de parecer intrometida.
Quanto a dar a mão, essa é uma iniciativa que deve partir dos homens. Aguarde e, sendo o caso, retribua.

Fonte: Etiqueta e Elegância, de Célia Leão - Manequim; Lia Nagel

Nenhum comentário:

Postar um comentário