Conexão Lia Nagel

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Guia rápido: O que voce deve saber sobre Cruzeiros Marítimos ...


Como são as cabines de um cruzeiro

Existem vários níveis de cabine a bordo. Os preços sobem conforme aumentam os tamanhos das opções e também dos benefícios. Para escolher a cabine mais adequada ao seu orçamento e à sua necessidade, dê uma olhada na planta do navio junto ao seu agente de viagens.

Descontos para comprar um cruzeiro

Quem compra antes paga menos não só porque consegue vagas nas cabines mais baratas, mas porque tem direito a promoções especiais.

Minicruzeiros

São viagens de três ou quatro noites. É uma ótima alternativa para quem nunca viajou de navio e quer ter uma amostra da experiência, sem risco de enjoar.

Taxa portuária

Ela não está incluída no preço do cruzeiro e varia de acordo com o número de noites e os portos visitados ao longo do cruzeiro. Deve ser paga ao agente de viagens.

O que levar na bagagem de mão

Vale a pena ter um biquíni ou os objetos mais urgentes à mão porque sua bagagem pode demorar um pouco para chegar à cabine. Se ela tiver o formato de uma mochila, pode ser reutilizada durante os passeios realizados nas cidades em que o navio para.

Que tipo de calçado levar num cruzeiro

Os calçados devem ser muito confortáveis para circular pelo navio. E os sapatos com sola de borracha evitam escorregões nos deques.

Dinheiro no navio de cruzeiro: cartão de crédito internacional ou dólares

A moeda oficial do navio é o dólar. Mas não precisa rechear o bolso de notas o tempo todo. No início da viagem, você recebe um cartão magnético no qual serão armazenados todos os seus gastos. Para isso, é preciso, logo no início da viagem, apresentar o seu cartão de crédito internacional ou fazer um depósito caução em dólares.

Documentos necessários para fazer um cruzeiro

Nos cruzeiros pelo Brasil e naqueles que param na Argentina e no Uruguai, basta embarcar com a carteira de identidade original. Já quem for viajar para outros mares estrangeiros precisa levar passaporte. E também precisa se informar se o país de destino exige visto para brasileiros. As regras também valem para os menores de idade, que ainda devem portar autorização especial dos pais se estiverem desacompanhados.

Que roupa usar num cruzeiro

Apenas a noite do comandante exige um traje mais formal, como terno ou blazer para os homens e vestido fino para as mulheres. No jantar dos outros dias não é preciso se vestir com tanta formalidade, embora não seja recomendável entrar no restaurante de calção e chinelo. No resto do dia, todo mundo usa roupas leves de verão, como maiô, calção, short, bermuda ou vestidinho de praia.

Check-in no cruzeiro

Ele é encerrado uma hora antes da partida do navio, por isso é recomendável chegar ao porto cerca de três horas antes da viagem.

Portos de parada do cruzeiro

Ao longo do roteiro, os navios param em várias cidades turísticas, nas quais ficam algumas horas para você descer e passear. Alguns desses lugares não têm exatamente um porto, mas um cais. Neste caso, o navio fica fundeado no meio do mar e os passageiros pegam lanchas (chamadas tenders) para ir até o cais de desembarque.

Refeições no cruzeiro

Todos os alimentos consumidos a bordo estão incluídos no valor da viagem, mas as bebidas são pagas à parte.

Serviços disponíveis num cruzeiro

Centro médico: os navios têm departamentos médicos muito bem equipados. As consultas e os remédios são cobrados à parte.
Cofres: estão presentes em todas as cabines, para você guardar com segurança dinheiro, documentos, joias e outros itens valiosos.
Excursões em terra: podem ser compradas nos balcões de informações dos navios e têm duas vantagens: você passeia com os companheiros de viagem e não corre o risco de perder a hora do reembarque.
Fotos: durante todo o cruzeiro há fotógrafos clicando os melhores momentos da viagem. As imagens ficam expostas em uma galeria especial e são vendidas para quem desejar.

Limite de compras no exterior

Quem viaja de avião para o exterior pode gastar, no máximo, US$ 500 em compras, sob pena de pagar multa de 50% sobre o valor excedente (por navio ou via terrestre, a cota de isenção cai para US$ 300). A parte boa é que, desde outubro de 2010, celulares, máquinas fotográficas, relógios, roupas, sapatos e cosméticos não precisam ser declarados. A Receita Federal classifica esses objetos como de uso pessoal e, por isso, não entram na cota de isenção. Em compensação, para qualquer item há um controle sobre o número de unidades (veja o quadro).

Fique atento:
  • A Declaração de Saída Temporária de Bens foi extinta. Esse documento era emitido antes do embarque, a pedido do turista, para comprovar que ele já era dono dos equipamentos importados levados na viagem. Era a melhor forma de prevenir eventuais confusões na alfândega - como o fiscal da Receita alegar que o produto fora comprado naquela temporada no exterior.
  • Para não correr o risco de pagar imposto por algo que você já tinha, leve a nota fiscal do equipamento.
  • Se você não tiver o comprovante, melhor deixar o eletrônico em casa; essa regra não se aplica a produtos nacionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário