Conexão Lia Nagel

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Você é um "workholic"?

Não é novidade de que a exigência do mercado em relação à performance dos profissionais tem aumentado a cada dia. Essa realidade é decorrência de vários fatores, principalmente a alta competitividade evidenciada entre as empresas, bem como em relação às próprias pessoas que estão em constante processo de desenvolvimento e querem garantir uma carreira promissora.
O resultado desse processo de cobranças contínuas é pessoas com um ritmo acelerado de trabalho em vários segmentos e funções organizacionais. Quando o colaborador consegue administrar bem sua vida pessoal e profissional, ótimo. Mas não são raros os casos de indivíduos que em virtude de inúmeras cobranças, passaram a fazer parte do "clube" dos"workaholics" - os viciados pelo trabalho.

A seguir, destaco algumas características de que tornou as atividades laborais em uma compulsão:

1 - As pessoas obcecadas pelo trabalho não mantêm um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Não encontram tempo para um momento de descontração, mesmo que seja algo simples como fazer uma caminhada, assistir a um bom filme ou ouvir uma música que goste.

2 - Mas não são apenas os momentos de lazer que os workaholics deixam de lado. Geralmente, o relacionamento com a família também é colocado em segundo plano. Ele não consegue conversar com o cônjuge, acompanhar o desenvolvimento dos filhos e tampouco fazer uma simples ligação para as pessoas mais próximas e que o amam.

3 - Como prioriza apenas o trabalho, não encontra outras atividades para seu próprio bem. Isso compromete o relacionamento com os familiares, os amigos e termina no "isolamento".

4 - A sua vida tem duas prioridades: metas e obrigações que precisam ser cumpridas, mesmo que isso o leve ao desgaste físico e mental.

5 - A compulsão pode levar o indivíduo a perder a própria identidade e, por conseguinte, não reconhecer seus próprios limites. Respira 100% trabalho e tem a sua autonomia comprometida. Acredita que sua vida é resumida à empresa.

6 - A preferência pelo ambiente de trabalho à própria casa é notória. O vício o leva a chegar mais cedo e sempre sair depois dos colegas. E se alguém questiona o motivo do expediente prolongado, o workaholicalega que precisa adiantar alguma atividade e isso se repete e quase ou durante toda a semana.

7 - Caso a energia do seu departamento seja desligada, isso não é problema. Ele reúne algum material do trabalho e assim que chega à residência, senta-se à mesa, não para fazer uma refeição, mas sim para rever algum relatório ou listar as prioridades para o dia seguinte. Ah, o computador, lógico, também é um ótimo companheiro para um viciado no trabalho fechar o dia com "chave de ouro". Afinal, sua produtividade conta com a aliada tecnologia.

8 - Quando a sexta-feira chega, ele se sente desanimado, porque passará dois dias longe da empresa. Para aliviar a sua "angústia", leva alguma atividade para fazer em casa. Quando o Fantástico começa, sua alegria torna-se visível porque a "segundona" é muito bem-vinda.

9 - Se o calendário marca que um feriado está próximo e se o mesmo for prolongado, não consegue controlar o sentimento de inconformismo. Afinal, não encontra motivos para deixar de trabalhar, feriado é um dia como outro qualquer.

10 - Férias? As férias já estão próximas? Que péssima notícia para um viciado no trabalho. Lógico que durante sua ausência, surgirão problemas e como a empresa vai se "virar" sem sua presença? Ele sempre tenta adiar ou entrar em acordo com a organização, para não ficar tanto tempo ausente.

11 - Aposentadoria é uma palavra de baixo calão e que apavora o viciado pelo trabalho.

12 - Caso precise tirar alguns dias de licença médica, entra em desespero e mesmo que esteja com uma doença infectocontagiosa como "catapora", coitados dos colegas de trabalho. Ele é capaz de usar blusas com mangas compridas em pleno verão, apenas para esconder as marcas das "bolinhas" e a irritação na pele.

13 - O "workaholic" está sempre competindo com os demais profissionais e consigo, isso porque está disposto a extrapolar os próprios limites.

14 - A sua motivação, geralmente, resume-se à ganância, à vaidade, à necessidade de se autoafirmar e uma ideia fixa de assimilar completamente o ritmo acelerado do mercado trabalho.

15 - De tanto priorizar apenas o trabalho, o "workaholic" se esquece de que precisa cuidar da saúde. Os reflexos, cedo ou tarde, surgirão e as consequências mais comuns são: exaustão física e mental; alterações na pressão arterial; problemas cardíacos; insônia; dores de cabeça; depressão; complicações gástricas; alteração no humor; agressividade, entre outros.


Fonte: Patrícia Bispo

Nenhum comentário:

Postar um comentário