Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

domingo, 1 de agosto de 2010

Última geração para eliminar as estrias


Não é fácil disfarçá-las; no entanto técnicas avançadas, como o laser fracionado, podem acabar com as marcas na pele de vez.
As rupturas das fibras elásticas da pele, as temidas estrias, incomodam tanto homens como mulheres. As causas são as mais diversas, como por exemplo o excesso de peso, a gravidez e uma herança genética de peles pouco resistentes.
Não é fácil disfarçá-las e há até quem já tenha desistido. Já há, porém, procedimentos de última geração, como o laser fracionado, que prometem eliminá-las de vez. Eles foram apresentados no 22º Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica, promovido pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Os dermatologistas Shirlei Borelli, Fábia Valente e Rogério Ranulfo são os especialistas que apresentarão esses procedimentos.
"A maioria deles usa a estimulação da produção de colágeno, o que favorece uma renovação da pele", explica a vice-presidente da SBCD, Eliandre Costa Palermo. Ela esclarece que não há um método melhor do que outro, isso vai depender diretamente de cada caso.
A dermatologista Fábia Valente acrescenta que o especialista é quem pode indicar a técnica mais adequada de acordo com o tipo de pele do paciente e o aspecto da estria.
Se entre as cirurgias há várias novidades, na prevenção é melhor recorrer a cuidados básicos, como a hidratação. "Cremes à base de colágeno, uréia e óleos essenciais tornam a pele mais resistente a esticamentos drásticos", explica Andreia Matheus Moreira, coordenadora do Departamento de Cosmetologia da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
Não existe nenhum cosmético, segundo a dermatologista, que cure as estrias. "Eles apenas hidratam. Entre os cosméticos, somente os ácidos amenizam as cicatrizes. E, por ser uma substância agressiva à pele, um médico precisa receitá-lo e também acompanhar o tratamento para indicar as restrições", aconselha.

Laser Fracionado
Antes usado em cicatrizes de acne e rejuvenescimento, agora é a maior novidade no combate às estrias. O laser usa três substâncias: CO2, Erbium e Thulium. "Em alguns casos é até possível chegar a um resultado 100%, mas a eficácia vai depender do número de sessões, que varia de acordo com o aspecto da pele da pessoa", diz o dermatologista Rogério Ranulfo.
"A luz deste laser, em contato com a estria, torna a pele íntegra para induzir uma nova fibra", diz Shirlei Borelli, destacando que uma das vantagens do procedimento é que ele é indicado para peles claras e morenas. "Uma sessão no glúteo pode custar R$ 1.200", diz Ranulfo.
Peeling de cristal
É usado contra as estrias há pelo menos três anos. "A novidade é que com o uso do CO2 e do ácido retinóico este tratamento pode ser feito também em peles morenas", diz Fábia. O peeling de cristal promove uma esfoliação no local, uma espécie de lixamento que facilita a penetração da substância usada na região a ser tratada. A técnica atua em estrias novas e antigas.
"Quanto mais nova for a estria, mais rápido o resultado é visto", diz Fábia, que é a favor da combinação de tratamentos. "O peeling pode ser feito no intervalo da aplicação de laser", sugere. O preço da sessão chega a R$ 300, variando de acordo com o tamanho e aspecto da região a ser tratada.

Agulhas de Ranulfo
Entre as inovações tecnológicas para a cura das estrias encontra-se uma técnica cirúrgica que utiliza um novo tipo de ferramenta - "Agulha de Ranulfo". Com ela, o cirurgião consegue fazer um descolamento mais rápido e eficiente das estrias vermelhas (novas) e até das brancas (mais antigas).
É uma variação da subcisão, técnica de descolamento já usada para tratar a celulite e também as estrias, que foi adaptada para aplicação na própria derme, e não na gordura. "É indicada para estrias acima de 5 mm de largura, em qualquer localização", explica o dermatologista Rogério Ranulfo, criador do instrumento que será apresentado no congresso.

Esclareça os mitos:

- Grávidas jovens têm mais estrias?
Verdade. Segundo a dermatologista Andreia, da SBD, 85% das gestantes adquirem estrias. Quanto mais jovem, antes dos 18 anos, a mulher engravidar, mais propensa estará a ter estrias. "A pele ainda não estará madura e totalmente desenvolvida e, consequentemente, menos resistente ao esticamento da barriga", esclarece.
Calça apertada dá estria?
Mito. "Algumas partes de roupas, como o cós de uma calça, que fricciona demais a pele, pode apenas potencializar um ressecamento da região", explica Andreia.
Comer doce dá estria?
Depende. "Se o doce levar a obesidade ou ao efeito sanfona, sim. Do contrário, poderá levar a outros problemas, mas não às estrias necessariamente", afirma a médica.

Fonte: Abril

Nenhum comentário:

Postar um comentário