Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Sexo saudável e seguro



Sexo sem barreiras

O número de pessoas chamadas solteironas, hoje em dia, é muito maior do que antigamente.

O divórcio, a busca da identidade e a independência propiciam isso.

Será ou não vantagem atingir uma certa idade e concorrer ao amor num mundo tão rápido e moderno como é o nosso?

A juventude carrega consigo muitas vantagens, tanto biológicas quanto culturais e sociais. A sedução e a plena satisfação são relativamente fáceis de se conseguir.
Já para a pessoa com mais idade, não é tão fácil assim. Será necessário, então, substituir o vigor físico pela inteligência e experiência, mas mantendo sempre a jovialidade do espírito.
Aquele que já atingiu certa experiência de idade não deveria, por exemplo, se vestir como se vestiriam seus filhos, muito menos como seus pais, mas viver o seu presente de forma alegre e saudável.
Não adiante, no caso das mulheres, excesso de maquiagem ou roupas de "gatinha" quando as suas rugas e a flacidez são perfeitamente perceptíveis. Nem os homens esconderem sua careca com peruca, pintarem cabelos e bigodes ou apertarem a barriga em cintas elásticas. Mas ambos devem prolongar sua vida sexual e afetiva descobrindo novas formas que tenham o mesmo valor e sabor.
As estatísticas sobre a sexualidade dos mais idosos têm o defeito de incluir na mesma categoria a satisfação sexual emocional com a puramente física. Um jovem pode se relacionar sexualmente vinte vezes em uma semana, e alguém com mais idade apenas uma, mas que vale por trinta.
É muito relativa essa análise, porém, geralmente as pessoas mais velhas desenvolvem o seu prazer utilizando os recursos mais diversos. As pessoas que não foram felizes na juventude abdicam mais rapidamente do seu poder de sedução que outras; assim como as que viveram grandes amores têm maior capacidade de luta em busca do prazer sexual. Enquanto que as mais velhas deveriam sentir-se com a idade da experiência e não com a idade da impossibilidade. Só assim estariam propiciando maior satisfação no amor.

Sexo em sintonia

É certo que muitos livros que tratam do assunto "sexo" dão a impressão de que um homem e uma mulher fazem amor de forma simples o tempo todo e que deve tornar-se esquisito e chato. Tudo depende da personalidade sexual do casal envolvido em uma relação.
As mulheres costumam se queixar de que os homens são muito exigentes na cama. O que realmente acontece é que eles expressam seus desejos sexuais enquanto as mulheres que reclamam dessas exigências, não – e, muito provavelmente, por pura timidez. Aquela fantasia tão sonhada fica difícil de usar, amarelando com o tempo, verdade?
Um bom jogo, muito eficiente para superar esse tipo de problema, é alternar-se escrevendo o esboço de um roteiro de filme "mais picante" e dar para o outro ler. Esse artifício pode fornecer dicas valiosas quanto aos desejos do outro, e a partir daí podem ser criadas algumas "brincadeiras ou joguinhos de sedução" altamente estimulantes, especialmente se os temas forem explorados com sensibilidade.
O que é preciso realmente é encontrar uma forma de realizar alguns desejos escondidos com a pessoa que se ama.
Mas é sempre bom ter em mente que a maioria dos complementos e jogos de seduçao são transitórios e, uma vez realizados, podem até perder o encanto e se transformarem em outro tipo de coisa.
Entretanto, existem casais que permanecem com um repertório bastante reduzido dessas técnicas na arte de fazer amor, mas, por outro lado, são felizes sexualmente e têm tanto prazer quanto os que se utilizam de técnicas altamente criativas.
Uma obsessão por determinados estimulantes sexuais não é, obrigatoriamente, sinal de tara, desinibição ou criatividade aguçada. Pode, até mesmo, ser considerado o oposto.
Muito frequentemente uma pessoa pode se sentir tão intimidada pelo sexo comum que, para aproveitá-lo, tem de ter algo extra, algum outro estímulo que intensifique mais o prazer do casal. Esses tipos de casais não encaram os jogos de sedução como uma diversão normal, mas como alavanca sexual, e isso não é uma prática muito recomendável e saudável.
Afinal de contas, a sensibilidade entre duas pessoas tem de ser muito relevado nesses momentos. É ir descobrindo um ao outro, pele e emoções, tornando aquele momento mágico e repleto de êxtase. Uma massagem, um carinho, aquele chamego... muito pelo que, ainda, tanto os sentidos do homem como da mulher devem transcender de forma bem original, nunca aos extremos.


Amar sem sustos

Milhões de casais se arriscam a uma gravidez "não esperada" por não usar métodos anticoncepcionais confiáveis. No entanto, há cada vez mais métodos de evitar a gravidez, adaptáveis a qualquer organismo.
Todo ano, milhões de mulheres no mundo inteiro se sentem "pressionadas"a optar por um aborto a ter que enfrenatr uma gravidez não programada. O principal motivo: a informação a respeito de anticoncepcionais não chega às pessoas que mais necessitam dela.
O resultado é que casais, muitas vezes, tomam decisões erradas sobre os métodos a escolher, fazem mau uso deles ou os abandonam totalmente.
Há ainda casos de pessoas que não utilizam nenhum método anticoncepcional e, simplesmente, correm o risco da gravidez. Não é de estranhar que isso aconteça, uma vez que as informações sobre os métodos anticoncepcionais estão sempre mudando. À medida que esses novos métodos são testados e pesquisados, mais riscos e efeitos colaterais vêm à tona e tudo fica ainda mais confuso para os consumidores.
Isso se complica ainda mais quando as mulheres têm poucas alternativas de escolha - seja porque pertencem a grupos específicos de riscos, ou porque a idade não permite que usem determinados métodos anticoncepcionais.
Ao mesmo tempo, as mulheres aprenderam a entender e a apreciar muito mais seu corpo; e estão cada vez menos inclinadas a, simplesmente, aceitar o que lhes é prescrito. Além disso, o universo feminino está sendo atraído por métodos mais naturais, que as mantenham perto de um estilo de vida cada vez mais saudável.
A pílula anticoncepcional e o DIU (Dispositivo Intra Uterino), descobertos nos anos 60, fizeram com que as mulheres assumissem a responsabilidade da anticoncepção e, consequentemente, se sentiram mais aliviadas ao dispor de tais métodos de prevenir a gravidez.
Hoje, muitas mulheres destacam a seguinte reclamação: que

carregam sozinhas todos os riscos e problemas, enquanto os homens nada fazem. E estudos ainda mostram que as intenções masculinas de dividir a responsabilidade da anticoncepção são geralmente positivas. Mas, infelizmente, esses mesmo estudos mostram que a maioria mantém uma grande distância entre a intenção e a prática.

Todavia, não existe um anticoncepcional ideal, e, infelizmente, ainda está longe de ser inventado. Mas há bons métodos. Todos têm vantagens. E a maneira como cada um, ou cada casal os aceita depende muito do estilo de vida e de suas atitudes em relação ao sexo.
Para muitos haverá sempre "um melhor método" em uma época da vida.
Para os casais, a solução de dividir responsabilidade pode alternar métodos masculinos e femininos.
Os médicos podem e devem ajudar na escolha, mas, no fim, a decisão tem que ser do casal.
A escolha de um bom anticoncepcional pode ajudá-los a ter uma vida sexual mais tranquila, pois os protegerá de uma gravidez não programada.


Sexualidade


Dentro das relações amorosas esta sintoma continua sendo um enigma.
Todos nós sabemos como, mas ninguém consegue entendê-lo. Na maioria das vezes ele é sempre destrutivo ou exerce algum papel nas relações amorosas. O que fazer quando se ama uma pessoa ciumenta aos extremos?
A maior parte das emoções humanas possui uma finalidade.
O amor leva ao casamento, aos filhos, bem como a continuidade da vida.
O medo faz as pessoas resistirem ao ataque. Mas o que fazer com o ciúme?
A primeira vista, parece ser um sentimento negativo, pois faz sofrer tanto a pessoa ciumenta quanto ao seu par, destrói casamentos e relações, e frequentemente, leva à violência.

Há uma diferença básica entre a inveja e o ciúme.
A inveja é uma situação que envolve apenas duas pessoas, enquanto que o ciúme envolve três.
Invejamos alguém porque tem mais dinheiro, um carro melhor, mais talento, emprego e assim por diante. No caso do ciúme propriamente dito, envolve você, alguém que você gosta e uma outra pessoa (ou coisa) que ameaça tomar este alguém de você.
Portanto, o ciúme tem suas raízes fincadas no aspecto do relaxamento.

Pesquisas mostram que o sentimento de ciúme do homem, por exemplo, parece ser diferente da mulher.
Para os homens, o ciúme baseia-se em questões sexuais, enquanto as mulheres se preocupam com a falta de atenção demonstrada por seus parceiros.
Essa diferença pode apoiar-se nas diferenças biológicas entre fêmeas e machos.
Em teoria, uma mulher pode ser muito mais fiel a um homem do que um homem a uma mulher. Uma mulher pode ter vários amantes em um dia, enquanto que a capacidade do homem de enganar a parceira é limitada pelo número de vezes que pode conseguir e manter-se viril sexualmente.
Quanto às formas mais brandas de enfrentar esse sentimento, até tido como possessivo, vai depender de cada pessoa, da maneira de reagir e sentir essa emoção, geralmente mascaradas ou imperceptíveis a primeira vista.
Algumas mulheres ficam enciumadas quando os maridos correm para trocar um fusível queimado. Um marido sente ciúme da ligação da mulher com a mãe, a irmã ou o irmão. São reações normais e refletem um sentimento que está em todos nós. Algo como: "Eu?"
É muito importante mostrar que se entende a razão do ciúme. Por exemplo: a mulher que se queixa que o marido vai ao futebol e ela fica sozinha em casa. A reação madura seria dizer: "Eu também não acho bom que você fique sozinha enquanto me divirto. Mas você não suporta ver um jogo! O futebol é uma coisa de que eu gosto. Por que você não procura algo que lhe dê prazer parea que as coisas não pareçam tão injustas?"

Essas formas brandas de ciúmes não ameaçam inicialmente uma relação. Mas causam aborrecimento. E essa já é uma boa razão para que o casal tente mudar as coisas, concorda?

Em outro aspecto, que está diretamente ligado à chamada "prisão do casamento", muitas vezes um homem ou uma mulher, mas em especial o homem, sente um medo tão avassalador de perder a companheira que tenta aprisioná-la.
Nesse momento, todo cuidado com as chamas de desejos é importante e deve ser levado em conta. Nada de exageros e atitudes extremas! E pare de dar asas a sua imaginação e obsessão de que algo ou alguém está pondo em risco sua relação. Isso é insanidade! Afinal de contas, para se ter uma relação saudável e prazerosa, um pouco de liberdade e confiança em conjunto não prejudica ninguém, e sim, ajuda no amadurecimento interior da pessoa: maturidade emocional.
Outro aspecto importante é encarar a paternidade como uma arma utilizada por certos homens para oprimir e controlar a mulher. A mulher é colocada numa posição de "administradora do lar e responsável pela criação dos filhos". Nesse caso, recomendo a procura de um especialista, pois, nos dias de hoje as tarfeas e obrigações domésticas e de criação e educação dos filhos cabem a ambos os sexos. Devem ser compartilhados, divididos para se manter um relacionamento movido pelo amor, compreensão, cumplicidade e respeito.


Fonte: Celso Fernandes

Nenhum comentário:

Postar um comentário