Conexão Lia Nagel

Pesquisar neste blog

Tradutor - Translate

sábado, 20 de maio de 2017

Para alguém muito especial ....



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Excelentes dicas para viajar (principalmente para o exterior) - Reedição 2017



Algumas dicas para viajar com segurança para o exterior
1 - Antes de viajar, confira se você está com toda a documetoridades locais para comunicar o fato ao Consulado brasileiro. A maioria das polícias dá o direito a um telefonema. Use-o para falar com os diplomatas brasileiros.
6 - Se você for ficar por muito tempo em outro país, comunique o Consulado brasileiro local e informe seus dados e como entrar em contato com você. Isto facilita no caso de emergências no país.
7 - Conheça e respeite as leis dos outros países que, em muitos casos, diferem bastante da legislação brasileira. Atenção especial ao consumo e porte de álcool e outras drogas. Em alguns países muçulmanos, por exemplo, o consumo de álcool é proibido por lei.
8 - Cuidado com o que você come. A diarréia e intoxicação alimentar são as doenças mais comuns aos viajantes internacionais. Se você é alérgico a algo, aliás, sempre verifique a composição das receitas que vai comer, mesmo que aparentemente sejam comidas simples.
9 - Lembre-se que a água é um dos mais importantes transmissores de doenças infecciosas. Só beba água quando tiver certeza de que ela é potável. Na dúvida, compre água engarrafada (que deve ser aberta na sua presença) ou ferva a água se estiver em locais remotos.
10 - Quando os viajantes são idosos ou crianças, são necessárias precauções especiais como proteção contra sol e calor nos países tropicais por causa do risco de insolação e desidratação. Também é importante verificar a legislação local para saber se a idade não será um problema durante a viagem.
11- Antes de ir, verifique os horários de funcionamento do comércio, dos bancos, museus, atrações e restaurantes. Eles variam de lugar para lugar, você pode correr o risco de ficar de fora.

-Na hora de voltar – no mínimo 3 dias antes do seu retorno ao Brasil, reconfirme na Cia Aérea a sua reserva.

12- Antes de viajar, acione o serviço de seu rooming internacional da operadora de seu celular, no caso de necessitar de utilizar. Compre um cartão de telefone público quando chegar ao país que for visitar. É prático e mais barato.
13 Caso conheça alguém no país que for visitar, é sempre bom ter o telefone e endereço dessa pessoa à mão, caso seja solicitado no setor de imigração do aeroporto. Lembre-se que o visto não significa e nem garante que irá entrar no país. Por vezes, a imigração pode barrar sua entrada e fazer você retornar ao país de origem. Lembre-se, também, que uma boa impressão, educação, cordialidade são fatores muito importantes e que são observados pela imigração e alfândega. Visita-se com distinção, procure evitar mochilas, tênis e roupas muito desleixadas e largadas. Uma boa apresentação nesta hora é um fato bem observado.
14 – Bagagem de mão: A regra é precisa: são 5 quilos de bagagem de mão (ela deve ter no máximo 115 centímetros, se somados o comprimento, a altura e a largura). Leve somente o estritamente necessário – uma bolsa ou pasta, um casaco e uma mala de bordo. Não leve dentro do avião nenhum material cortante, explosivo ou inflamável. Não vá de boné ou chapéu (se quiser levar, coloque dentro de sua pasta ou bagagem de mão). Remédios, se precisar (e é bom levar, pois não se podem comprar remédios no exterior) deve ter receita médica. Remédios básicos como aspirinas, antitérmicos, analgésicos e contra enjôos devem ser levados na sua bagagem de mão.
Primeiros socorros
Em todas as viagens, é importante montar uma maletinha que funcionará como uma minifarmácia. Assim, você evita que as crianças acabem tomando medicamentos aos quais não estão acostumadas. E, na hora de incluir os produtos na nécessaire, nada melhor do que ter em mãos uma lista para checar cada item, não é mesmo?
Confira essa sugestão de lista: termômetro;· curativos adesivos; luvas higiênicas;· gaze; · esparadrapo; · antitérmicos; · analgésicos; · anti-espasmódicos (contra cólicas e gases); · anti-séptico; · antialérgico; · anti-emético (contra vômitos); · tesourinha; · protetor solar; · repelente de insetos; · cotonetes; · água boricada; · solução fisiológica (para limpar os olhos e, se preciso, desobstruir as narinas) em frasco fechado para não contaminar; · conta-gotas; · água oxigenada 10 volumes; · algodão; carteira de vacinação; · comprovante de seguro-saúde; · protetor labial; · pomada contra picadas de insetos; · pomada contra assaduras; · colírio.
Obs: Não esquecer de levar a receita médica dos remédios que você está tomando para algum tratamento especifico.
15 – Chegar ao aeroporto pelo menos 2h30 antes do embarque. Procure despachar logo sua bagagem. Lembre-se que pode haver filas no embarque o que pode provocar atrasos e perda de vôos. Sempre podemos escolher um bom local de poltrona para sentar quando chegamos mais cedo para fazermos o check-in.
Obs: Na bagagem que for despachar o que conta é o número de peças. Você pode carregar dois volumes, cada um com até 32 quilos. Mas, atenção! A soma da altura, do comprimento e da largura de cada uma das peças deve atingir no máximo 158 centímetros.
Saiba como contratar um seguro-saúde internacional
Quando pensamos em viajar, seja a passeio ou a negócios, a última coisa que passa pela cabeça é a idéia de algum acidente ou doença. Mas imprevistos deste tipo são muito comuns em viagens, e é melhor se prevenir: freqüentemente, uma mera torção de tornozelo pode significar deixar centenas de dólares em uma clínica particular.
Para se sentir mais tranqüilo e protegido, uma boa opção são os seguros-saúde internacionais que, por uma quantia que pode variar de dezenas a centenas de dólares, garantem cobertura para alguns imprevistos. Mas é preciso ficar de olho, para não pagar o seguro ficar sem atendimento. Veja algumas dicas:
1) Em primeiro lugar, especialmente se a viagem for longa, faça um check-up e um exame odontológico para conhecer suas reais condições de saúde.
2) Se você já tem plano de saúde, informe-se sobre as condições necessárias para estender o benefício para o exterior, mas fique atento a todas as cláusulas do contrato: nem sempre a cobertura internacional será a mesma do Brasil.
3) Se o seu seguro não tem cobertura para o exterior, ou se as condições não lhe parecerem favoráveis, informe-se na agência de viagens sobre os planos oferecidos, pois muitas oferecem este serviço de forma opcional, com coberturas ilimitadas, atendimento hospitalar com acompanhante, repatriação ao país de origem, assistência odontológica, legal e outros benefícios.
4) Se o dinheiro não estiver sobrando para fazer um seguro completo, converse com seu médico e com sua família sobre as principais coberturas necessárias: doenças infecto-contagiosas, fraturas ou apenas hospitalização? Escolha as prioridades.
5) Informe-se no Procon de sua cidade sobre a idoneidade das empresas e busque referências, de preferência com pessoas conhecidas que já tenham contratado e utilizado o serviço em suas viagens. Não faça escolhas sem estar muito bem informado, pois nem sempre é fácil exigir seus direitos em outro país, tendo como garantia apenas o seguro feito por uma empresa desconhecida.
6) Exija que o contrato esteja escrito na sua língua, e leia-o atentamente. Observe as localidades cobertas pelo seguro, os preços, as condições e o prazo. Há diversos detalhes nestes contratos que podem provocar surpresas se não forem observados.
7)Durante a sua viagem, leve sempre com você toda a documentação necessária para acionar o seguro, e também os endereços onde pode procurar a empresa seguradora ou seus representantes.
8) Como, em geral, estes seguros funcionam por sistemas de reembolso, guarde com cuidado toda a documetação de eventuais consultas e/ou tratamentos, para garantir o cumprimento do que foi estabelecido no contrato.
Como organizar os gastos nas viagens
Qualquer viagem, seja para lugares próximos ou distantes, requer dinheiro e, muitas vezes, gasta-se mais do que o previsto. Mas uma previsão e planejamento mais detalhado podem ajudar a evitar surpresas desagradáveis. Confira algumas dicas para não ultrapassar o orçamento durante uma viagem:
Primeiro, defina o destino e o número de pessoas que irão viajar e quanto tempo você ficará viajando. Com estas informações, veja se é melhor contratar um pacote turístico ou não. Decida ainda, antecipadamente, se você prefere fazer passeios pelo pacote/excursão ou por sua conta. É uma boa opção, pois você fica mais livre e aproveita mais;
Informe-se sobre o seu destino, conferindo se o local oferece infra-estrutura com bons restaurantes, pontos turísticos, vida noturna, etc. Tudo isso irá ajudar na hora de você listar os gastos, afinal, sabendo as opções que terá no local, você já tem uma idéia do quanto irá gastar;
Agora você já pode criar a sua planilha de gastos para a viagem. Para isso, utilize papel ou computador. Na planilha, relacione todos os itens, como transporte, hospedagem, alimentação, lazer, compras, emergências e o que mais você julgar importante. Caso tenha optado por um pacote turístico, alguns desses itens não precisarão ser relacionados, já que o pacote inclui serviços como transporte, hospedagem, entre outros;
Verifique todos os gastos considerados obrigatórios, como a alimentação, etc. Na parte de transporte, caso você viaje de carro, leve em conta gastos com combustível e pedágio. Depois dos gastos "necessários", relacione despesas com lazer, etc. Isso não significa que o lazer não possa ser a prioridade na sua viagem. O valor que será destinado para cada item é você quem escolhe. A questão é apenas organizar os gastos.
Depois de colocar todos os valores em cada item na sua lista, some tudo e saiba quanto você irá gastar na viagem, aproximadamente. Decore ou leve esta planilha com você e tente não escapar muito do orçamento. Mas não esqueça: reserve sempre um dinheiro a mais, para casos de emergência e imprevistos.
Algumas das vacinas necessárias para quem vai viajar
Contra Febre Amarela:
Internacional

Para turistas, que nos últimos três meses estiveram em trânsito, ou procedem dos seguintes países: Angola, Benin, Bolívia, Burkina Faso, Camarões, Colômbia, Equador, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné Bissau, Guiana Francesa Libéria, Nigéria, Peru, República Democrática do Congo, Serra Leoa, Sudão, Venezuela e Zaire.

Exterior

É necessária vacina para turistas que pretendem visitar os seguintes estados brasileiros: Acre, Amazonas, Amapá, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Contra Pólio

Crianças com idade entre três meses e seis anos necessitam de um Certificado Internacional de vacinação contra Pólio.

Outras informações
Ministério da Saúde


Embratur


Ministério do Esporte e Turismo
Cuidados com a bagagem
1. Coloque, na parte externa e interna de valises, bolsas, malas e sacolas, uma etiqueta com nome, endereço e telefone do proprietário, independentemente da identificação colocada pela empresa no momento do check-in. Cuidado para não usar materiais que se despreguem facilmente e não deixe a etiqueta exposta em lugar fácil de ser arrancada, como próxima a fivelas.
2. Personalize a mala, com adesivos e fitas coloridas. Por mais fora de moda ou extravagante que isso lhe parece, facilitará o reconhecimento da mala.
3. Na hora do check-in, verifique se a funcionária da companhia aérea etiquetou corretamente a sua mala, identificando o destino certo. Da mesma forma, confira os canhotos de recibos de entrega de bagagem. Para cada volume, é necessário um comprovante.
4. Retire as etiquetas com códigos de aeroporto coladas em vôos anteriores. Isso é um dos maiores responsáveis por extravio.
5. Utilizar o sistema de proteção com plástico também ajuda a diferenciar a mala. Este serviço é oferecido por empresas nos principais aeroportos do mundo, mas é bem mais barato comprar o plástico do tipo film plastic e embalar sua bagagem em casa..
6. Ao retirar a bagagem na esteira, verificar se não há outras iguais. Por engano, você pode levar a mala de outra pessoa. Como a lei proíbe que em vôos internacionais seja exigida a apresentação do tíquete de bagagem na saída, o problema é mais comum do que se pensa.
7. Jamais colocar objetos de valor na mala. Dinheiro, documentos, máquinas e jóias devem ir na bagagem de mão. Bagagem é roupas, sapatos e objetos de higiene e perfumaria.
8. Toda mala deve estar fechada e lacrada. Usar cadeados é fundamental.
9. Se for necessário fazer conexão e houver tempo suficiente, prefira sempre retirar a bagagem e fazer novo check-in. Na pior das hipóteses, você sempre saberá em que vôo ela desapareceu.
10. A pontualidade na hora do embarque é importante para evitar afobamentos e conseqüente perda de objetos. Se o passageiro chegar em cima da hora, a companhia poderá não conseguir embarcar sua bagagem no mesmo vôo, provocando atrasos na entrega.
11. Leve somente o essencial. E não se esqueça de levar alguns medicamentos de primeiros socorros, enjôos e desarranjos intestinais, analgésicos, antiácidos, antigripais e remédios específicos com receitas médicas.

Cuidados ao viajar para o exterior
Existem diversas peculiaridades entre as culturas mundiais. Conhecer a cultura do país de destino evita problemas. Informar-se e respeitar os costumes locais do país turístico é a melhor maneira de evitar situações constrangedoras durante a viagem. A seguir, um resumo sobre dicas de comportamento que poderá ajudá-lo:
1. Arrotar após as refeições na Arábia Saudita é um sinal de boa educação e de satisfaçao pela comida.
2. Palitar os dentes após as refeições na Itália significa que gostou da refeição. Mas na França e em muitos outros países é um ato de extrema grosseria;
3. No Egito, deixe sempre um pouco de comida no prato durante as refeições, mesmo que você esteja com muita fome. Isso simboliza abundância, fartura e elogio ao anfitrião;
4. Na Bélgica, come-se com o garfo na mão esquerda, mesmo quem não é canhoto.
5. Já em países árabes, a mão esquerda é considerada impura pois é destinada a higiene pessoal. Portanto, não receba ou ofereça documentos e cartões de visita com esta mão;
6. Grande parte dos indianos e marroquinos tem o hábito de comer com a mão direita.
7. Na Europa é um hábito comum dividir a mesa com estranhos;
8. A culinária na Mongólia é exótica: um exemplo é a carne de camelo cozida.
9. Rena ensopada ou frita são pratos comuns na Finlândia.
10. Larvas, abelhas e grilos fritos são aperitivos na Tailândia.
11. Já em Taiwan e Hong Kong, um dos pratos principais é a cobra frita.
12. Um prato de sopa de cachorro na Coréia do Sul é considerado energético;
13. No Paquistão, homens e mulheres comem separadamente;
14. No Oriente Médio é proibido pelo Corão (livro sagrado), mulheres guiando automóveis. Também nunca mostre a sola dos sapatos ao cruzar as pernas, estará assim, insultando o seu anfitrião pois a sola é a parte mais baixa do corpo, portanto a mais suja. É comum também encontrar homens andando de mãos dadas como sinal de amizade e respeito entre eles;
15. Em muitos países da Ásia e Oriente Médio, ao visitar os templos religiosos, deve-se vestir roupas com mangas e compridas, em alguns tirar os sapatos. Sendo proibido tirar fotos no seu interior e tocar imagens e estátuas;
16. Na China, atos de assoar nariz na rua ou cuspir são sinais de higiene, significa que está tirando algo sujo de dentro do corpo. E deixar de beber todo o conteúdo do cálice num brinde é sinal de grave ofensa;
17. Nunca recuse um cálice de vodka na Rússia, ou qualquer tipo de bebida na Irlanda. Isso é imperdoável, considerado um gesto rude;
18. Nos Estados Unidos, no Japão e em vários países da Europa, dar tapinhas nas costas durante um cumprimento é falta de educação. Um aperto de mãos já é suficiente;
19. Mostrar a língua um para outras pessoas, em algumas tribos do Tibete, é um ato de cumprimento;
20. Na Índia, encarar as pessoas nas ruas, é considerado uma forma de humilhação. Por lá, a vaca é um animal sagrado, o trânsito é sempre desviado caso uma delas resolva deitar-se na rua;
21. Na Coréia do Sul, nunca converse com as mãos nos bolsos ou para trás. Isso é considerado um ato grosseiro;
22. Nunca presenteie um japonês com relógios, eles simbolizam a morte. Também nunca coloque um cartão de visitas, que acabou de receber, no bolso ou escreva sobre ele, isso é sinal de grosseria. Portanto ao recebê-lo, segure-o na mão;
23. Casais não devem se beijar em público, na Indonésia.
24. Em alguns países árabes é extrema falta de educação apontar com o indicador para as coisas. Quando for dar ou pedir indicação use a mão inteira para mostrar a direção.

Economize utilizando transporte público no exterior
Quem viaja para o exterior, dificilmente encontra problemas para se locomover. Isso porque a estrutura do transporte público em diversos países é realmente algo de primeiro mundo. Lugares como Nova York, Paris e Londres têm uma extensa linha de metrô, o que dispensa a necessidade de um turista alugar um carro, por exemplo.
O ideal é informar-se dos principais meios de transporte do lugar para onde você vai com antecedência, e já decidir como você vai se locomover. Uma boa opção para quem preferir utilizar o transporte público em grandes metrópoles é adquirir um mapa das linhas de metrô e ônibus. Eles são bem explicativos e o turista tem uma boa visão da cidade.
Normalmente, as estações de metrô ficam próximas uma das outras e fazem conexão com as principais linhas de ônibus. Entretanto, é importante observar o horário de funcionamento do tranporte público. Em Nova York, o metrô funciona 24 horas, coisa que não acontece em outros lugares.
E para não gastar muito dinheiro passeando tanto vale adquirir alguns passes. O sistema varia de lugar para lugar, portanto, é preciso informar-se sobre as vantagens de cada um. Para entender, eles dão direito a determinado número de viagens em um período ou por tempo indeterminado.

Evite problemas na Alfândega
Qual a quantidade de café permitida numa viagem para a Austrália? O que se pode levar na mala para a terra do Tio Sam? Aquele seu cachorro fofinho que sempre o acompanha vai entrar no Reino Unido? Seu remédio vai ser apreendido na alfândega francesa? Todas essas questões e outras revelam as restrições dos países estrangeiros, o que pode tornar-se um problema grave se o viajante não estiver bem informado.
Quem viajar a Sydney, na Austrália, por exemplo, precisa certificar-se de declarar quase todo tipo de material levado na bagagem. A maior ilha da Oceania é um dos países mais severos na proibição da entrada de produtos no seu território. Feijão, sementes em geral, vegetais, ovos, derivados de leite, carne de porco e de vaca, plantas, animais vivos e terra ou areia estão na lista dos itens estrangeiros vetados em solo australiano. Para completar, couro, lã, peles, flores, biscoitos, mel e até café necessitam de vistoria na chegada ao país. O limite permitido da nossa bebida preferida é de um quilo.
A situação fica mais complicada quando se trata de sementes desenvolvidas em laboratórios nacionais. Marcelo Credídio, da Australian Tourist Comission, afirma que a terra dos cangurus é muito exigente porque já teve muitos problemas com pragas e epidemias no passado. Para salientar as dificuldades enfrentadas pelo visitante, Credídio lembra do caso de um botânico, hoje residente na Austrália. "O cientista teve de comprovar o seu estudo com as sementes para convencer a fiscalização do governo australiano."
Grã-Bretanha - No Reino Unido o turista sofre restrição e até proibição ao entrar com drogas, armas de fogo, munição, explosivos, produtos pornográficos, animais domésticos, plantas e animais protegidos. A lei aplica-se também para derivados dos animais em risco de extinção. Cintos ou sapatos de jacaré, peças de marfim e outros podem ser confiscados pelas autoridades britânicas.
Os EUA também restringem uma série de itens - animais, carnes, comida, frutas e pássaros são alguns deles. Há remédios que precisam de prescrição médica, com possibilidade de retenção pela alfândega norte-americana.
Mais liberal - Na França a legislação é mais liberal. Além de armas de fogo, materiais inflamáveis e animais vivos, a não ser os domésticos, os franceses proíbem a entrada de remédios sem receita médica. Quem precisa de algum medicamento alternativo tem de comprovar sua necessidade com uma prescrição.
Assim como a França, certos países não são tão severos na proibição da entrada de produtos. É o caso da Finlândia, que exige apenas passaporte válido por 90 dias, tempo máximo de permanência do estrangeiro.
Já a Alemanha e a Suécia não permitem a entrada de bebida alcoólica e cigarros em quantidade exagerada. Os alemães aceitam até 50 charutos e admitem um litro de qualquer destilado ou fermentado com teor superior a 22 graus, ou dois litros com teor inferior.
Declaração de bens - É recomendável, ainda, ficar atento na hora do embarque por aqui. A alfândega brasileira não impõe muitas restrições à saída de bens de consumo, remédios e animais - desde que vistoriados pelo Ministério da Saúde -, aparelhos eletrônicos e sementes, devidamente certificadas pelo Ministério da Agricultura. No caso dos eletrônicos, a receita alerta o viajante para declarar todos que superem o limite de US$ 500. Isso facilita no retorno ao País, evitando taxas e impostos sobre o produto.
Já no que diz respeito a um notebook, deve-se declará-lo antes de sair do Brasil. E o aparelho deve ter número de série, para evitar a troca por outro modelo mais moderno no exterior. A regra, aliás, serve para todo bem de consumo eletrônico.
Um outro fator importante é o tempo de permanência em terras estrangeiras. O brasileiro que voltar ao País após um ano fora pode trazer todo material de uso próprio, desde que seja comprovado o seu estado de "usado". É claro que um aparelho de DVD, um notebook ou uma máquina fotográfica digital precisam de muito uso para ficarem "velhos".

Saiba quando recorrer à Justiça sobre perda de bagagem
Se a bagagem não foi encontrada ou o passageiro não concordar com o valor com o qual foi ressarcido, ele terá de procurar a Justiça. “Não adianta, porém, tentar reaver jóias e dinheiro, uma vez que isso deve ser levado na bagagem de mão”, alerta Maria Inês Dolci, do Idec.
De acordo com a advogada, deve-se procurar a Justiça quando já estiverem se passado mais de 30 dias da data em que foi feita a reclamação na empresa aérea.
Luiz Antônio de Oliveira Mello, da Associação das Vítimas de Atraso Aéreo (Avaa), diz que, pelo fato de muitas vezes o problema envolver o direito aeronáutico internacional, é difícil encontrar advogados que tenham conhecimento sobre do assunto.
Um dos caminhos é a própria Avaa. “Entre as pessoas que nos procuram, é feita uma triagem para saber se os casos são solúveis ou não. Eles são, então, encaminhados para advogados especializados.”
Mello salienta, porém, que o principal objetivo da Avaa é esclarecer os passageiros. “Queremos passar todas as informações referentes a viagens.” A Avaa atende também pessoas que tiveram problemas com overbooking e cancelamento ou atraso de vôo, por exemplo. O telefone de contato da associação é o 259-9409.
Maria Inês diz que os juízes já entendem que contrato de serviço aéreo é relação de consumo. Assim, pode-se também recorrer aos órgãos de defesa do consumidor, como o Procon e o Idec.
Ela lembra que outra saída para reclamar indenizações e ressarcimentos com relação a bagagem extraviada é procurar os Juizados Especiais Cíveis, se o problema envolver pequenos valores. Isso porque só podem ser levados aos Juizados casos cujos valores reclamados não ultrapassem 40 salários mínimos. E, se o valor for menor do que 20 salários, não é necessário o acompanhamento de advogado.

Como agir em casos de overbooking
Overbooking é quando as companhias aéreas vendem mais passagens que o espaço disponível em um vôo. Com isso, alguns passageiros não conseguem embarcar.
A prática é comum, pois muitos clientes marcam viagens com urgência em cima da hora e as companhias tentam atender esses clientes. Outro motivo é que as empresas vendem passagens a mais para garantir que nenhum assento fique livre, no caso de alguém desistir de embarcar, o que significaria prejuízo para a companhia.
Mas há um acordo entre as companhias e o Procon, orgão de defesa do consumidor, para que o cliente prejudicado com o overbooking seja recompensado. Em caso de overbooking, a empresa questiona os clientes que têm urgência em viajar e os que aceitam viajar em outro vôo. Os que aceitarem viajar depois, são acomodados em outro vôo e, caso necessário, tem eventuais despesas com hospedagem, transporte, etc, bancadas pela companhia. Além disso, podem ganhar ainda uma pequena indenização, que varia de acordo com a distância do vôo.
O ideal é ser compreensível com a situação, mas exigir seus direitos, que as companhias se responsabilizam em cumprir conforme o acordo com o Procon. O cliente que não aceitar a recompensa da companhia aérea, pode entrar com pedido de indenização na Justiça.
Como evitar o overbooking

O ideal é fazer a reserva e comprar a passagem com antecedência, além de confirmar a sua presença no vôo dias antes do embarque. Outro detalhe importante, no dia do embarque, é chegar com antecedência para se apresentar ao balcão da companhia e fazer o check in. Com isso, o seu lugar no vôo fica mais garantido.

Outras dicas:
1 - Vou viajar de avião. Quantos quilos posso carregar?

Tudo depende do seu vôo. Se for dentro do território brasileiro, a bagagem será avaliada por peso. De acordo com o Departamento de Aviação Civil, DAC, um passageiro de vôo doméstico pode despachar até 20 quilos (ou 30 quilos, se viajar em primeira classe). Em vôo regional, não adianta chorar: esse limite cai para 10 quilos por passageiro. Agora, se a viagem for internacional, a maioria das empresas aéreas segue as regras do piece concept. Nesse sistema, o que vale é o número de peças. Você pode carregar dois volumes, cada um com até 32 quilos. Mas, atenção! A soma da altura, do comprimento e da largura de cada uma das peças deve atingir no máximo 158 centímetros.

2 - Bagagem de mão também tem o peso controlado no avião?

A regra é precisa: são 5 quilos de bagagem de mão (ela deve ter no máximo 115 centímetros, se somados o comprimento, a altura e a largura). Cadeira de rodas desmontável, berço portátil e muletas podem ser transportados junto de você sem estarem incluídos nesse peso. Se tiver cartão de milhagem, confira na empresa aérea quais são os privilégios (eles existem e dizem respeito não apenas ao tipo de bagagem). Quanto ao seu conteúdo, encontre espaço para uma muda de roupa e artigos de higiene pessoal (lembre-se de que a mala principal corre o risco de não alcançá-lo no desembarque…). Mais: não se separe do que tem valor afetivo.

3 - Devo despachar um objeto frágil?

Utilizar o serviço de carga da própria empresa aérea significa gasto, mas ele inclui seguro contra acidentes ocorridos durante o transporte. Caso resolva carregar um objeto delicado como bagagem de mão, tome todo cuidado em protegê-lo (nas Páginas Amarelas, você vai encontrar empresas especializadas em embalagem). Se for um quadro, por exemplo, deve ser acondicionado em uma caixa de madeira lacrada. Você resolveu despachá-lo junto das malas? Bem, é preciso fazer um exame rigoroso, logo após retirar o objeto da esteira. Em caso de avaria, procure o DAC (há sempre um posto no aeroporto) e registre sua queixa.

4 - O que pode acontecer, se a bagagem tiver vários quilos a mais?

Dá até para tentar o embarque, se o excesso for mínimo. Enquanto aguarda a sua vez no check-in, comece a rezar para ser atendido por um funcionário simpático... Mas não abuse da sorte. Peso demais compromete a segurança do vôo e as empresas sentem-se à vontade para cobrar caro pela infração. Só para dar uma idéia do 'rombo', o vôo Fortaleza-Porto Alegre tem tarifa integral de 816 reais, se for pela Varig. Ela cobra 1% desse valor por cada quilo extra de bagagem. E, mesmo que você esteja disposto a pagar uma fortuna, nada garante que as malas serão despachadas. A professora Ângela Damiano, que mora em Roma há oito meses, tirou férias para visitar a família em Londrina, no Paraná. No retorno à capital italiana, quis embarcar com 100 quilos entre roupas e livros. Em vão. "O avião estava lotado e ninguém da companhia nem sequer pensou em me apresentar a conta pelo excesso", lembra. "A maior parte das malas só chegou três dias depois, em outro vôo."

5 - A bagagem de uma criança segue as mesmas regras de peso no avião?

Até 2 anos incompletos, criança paga 10% da tarifa normal e não tem direito a bagagem (salvo o carrinho de bebê). Entre 2 e 11 anos, a passagem aérea custa 50% do valor e dá direito à metade dos quilos permitidos a um adulto. A partir de 12 anos, o passageiro paga preço idêntico ao do adulto e pode carregar a mesma bagagem. A lei é essa, mas as empresas às vezes dão um 'jeitinho'. A médica oftalmologista Nara Galvão conta que, em um vôo da Varig, entre o Recife e Miami, sua filha Maria Clara, de 3 anos, teve direito ao mesmo número de quilos de um adulto . "Pude levar tudo o que queria", comemora.

6 - Posso transportar a minha prancha de surfe no avião? E também a bicicleta?

O que foi explicado em relação a objetos frágeis também vale para o transporte de artigos de grande volume. Para despachá-los como bagagem comum, procure os especialistas e faça uma embalagem adequada. Agentes de viagem, com tradição no atendimento a esportistas, também podem ajudar. São eles que chamam a atenção para o principal problema desse tipo de bagagem: há empresas aéreas que cobram uma taxa extra para despachar o material, ainda que ele não implique excesso de peso para o passageiro. É o caso da Jal, que em vôos para os Estados Unidos, exige o pagamento de 43 dólares pelo transporte de uma prancha de surfe. Mas esse transporte é gratuito na Varig, caso o peso total não ultrapasse 30 quilos.

7 - O que NÃO posso transportar em uma viagem de avião?

O professor de capoeira Fábio Nascimento chegou feliz da vida ao aeroporto de Toronto, no Canadá, carregando um berimbau no ombro. A alegria terminou na hora de embarcar num vôo doméstico: a polícia canadense entendeu que o berimbau era uma arma - e o instrumento musical ficou retido vários dias. Já o publicitário Fernando Lima teve a bagagem de mão apreendida por um policial da então Alemanha Oriental por causa da… tesourinha de unha! Exageros ocorrem nos aeroportos do mundo inteiro. Cabe a você evitar ser a próxima vítima. Produtos corrosivos, materiais explosivos e armas brancas (canivete, por exemplo) são artigos proibidos. Para saber mais, consulte o site do DAC (www.dac.gov.br) e informe-se sobre o que não pode ser transportado no avião.

8 - Posso levar (ou trazer) produtos perecíveis dentro da aeronave?

Imagine a mala com roupas, livros e um pacote… de buchada! Pois foi o que despachou um passageiro da Vasp, em Fortaleza. Ao retirar a bagagem em São Paulo, ele não apenas constatou que a comida estava estragada como também tinha manchado todo o conteúdo da mala. Já o aposentado Antero de Souza embarcou em Budapeste, na Hungria, com um salame acomodado na bagagem de mão. O destino era São Paulo, mas ele fez escala em Nova York. Na alfândega americana, viu o salame ser triturado por uma máquina, sem piedade. Antero chorou de raiva. Você? No site da Receita Federal www.receita.fazenda.gov.br), consulte a seção chamada Legislação Tributária e Aduaneira - Bagagem. Só então prepare a mala.

9 - Perdi a minha mala durante um vôo. O que devo fazer?

Você precisa preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem, RIB, junto à empresa aérea que utilizou. Nele, vai descrever a forma e o conteúdo da mala e informar o número e o destino do seu vôo, além dos dados pessoais para contato. O procedimento é burocrático, mas entenda que esse é o documento que dá início ao rastreamento de sua bagagem. Agora, se sua mala não for encontrada após alguns dias, você tem direito a ser ressarcido. As regras, estabelecidas pela Convenção de Varsóvia, determinam 20 dólares por quilo, independentemente do conteúdo da mala. O cálculo leva em conta o limite de bagagem para vôos nacionais (20 quilos, ou seja, um reembolso máximo de 400 reais) e internacionais (duas malas, de 32 quilos cada uma, o que alcança a indenização total de 640 dólares, por peça).

10 - Que roupa eu visto se minha mala sumiu?

Não há lei que obrigue uma empresa aérea a dar ajuda de custo para despesas pessoais em caso de extravio de bagagem. A advogada Krysia Ávila de Oliveira viveu esse transtorno na pele. Ao lado do marido, ela voou de Brasília para Porto Alegre em um avião da TAM. A viagem foi tranqüila, mas as malas não apareceram. Pior: além das informações desencontradas sobre o paradeiro da bagagem, os funcionários da TAM se recusaram a dar algum dinheiro ao casal a título de compensação. A situação só foi resolvida dois dias depois, com a entrega das malas. De volta a Brasília, Krysia apresentou à TAM notas comprovando gastos de 554 reais. Ela estava disposta a recorrer à Justiça para reaver o dinheiro. Não foi preciso. "Em menos de dez dias, a TAM pediu desculpas e depositou o valor solicitado na minha conta bancária", relata.

11 - Como consigo reduzir o risco de perder minha bagagem?

Ser cauteloso é sempre um trunfo. Você pode fazer um seguro-viagem que ofereça cobertura para o que pretende levar (algumas empresas oferecem um seguro-bagagem de até 6.000 dólares). Além disso, você pode adotar medidas simples mas eficientes, antes de embarcar. Retire da mala qualquer adesivo referente a outros vôos. Identifique a bagagem com nome, telefone e endereço tanto fora como dentro. Prenda fitas coloridas na alça de mão - elas facilitam a localização da mala na esteira. Confira os dados que indicam o destino da bagagem na etiqueta emitida durante o check-in. E, o mais importante, chegue cedo ao aeroporto. Por se ter atrasado para o embarque de um vôo entre Nice e Zurique, o publicitário Fernando Lima mal teve tempo de entrar no avião. As portas logo se fecharam, mas ele ainda conseguiu ver, parado na pista, o carrinho que trazia sua bagagem. Levou três dias para reavê-la.

12 - O transporte de animais em trens e navios também segue normas?

Boa parte das companhias férreas do Velho Continente permite que os passageiros viajem ao lado de seus cães. Para tanto, basta que usem focinheiras ou estejam acomodados em gaiolas. O dono paga 50% do bilhete de segunda classe pelo transporte do animal. Quem desrespeitar a regra e for flagrado pelo chefe do trem, pode ser obrigado a descer na primeira estação. Quanto às viagens marítimas, o embarque de animais é proibido na maioria dos casos. Menos no navio Queen Elizabeth II, da Cunard Line. Ele criou um compartimento para acomodar gatos, cães e pássaros. No cruzeiro Londres-Nova York, um cachorro paga 500 dólares.

13 - É verdade que todos os aeroportos e estações de trem têm guarda-malas?

A resposta é sim para nove entre dez casos. A exceção pode acontecer, se o guarda-malas (ou locker) estiver desativado por motivo de segurança (guerras, atentados terroristas). Mas quem carrega malas volumosas e precisa deixá-las em um lugar seguro, deve optar pelos depósitos de bagagem. Eles também são encontrados na maioria dos aeroportos e estações de trem. Paga-se uma taxa diária de acordo com o peso e o tamanho da mala. O viajante recebe um bilhete que garante a retirada da bagagem. No Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, o depósito de uma mala grande custa 6 reais por dia. Já o uso de um locker, tem a taxa diária de 2,50 reais.

14 - Posso levar meu animal de estimação dentro de uma aeronave?

Os passageiros de um avião da US Airways, que fazia a rota Filadélfia-Seattle, nos Estados Unidos, recentemente foram surpreendidos com a presença de um porco (!) na primeira classe. Casos estranhos acontecem, mas as empresas aéreas seguem, em geral, regras específicas. Ou seja: apenas cães, gatos e pássaros são aceitos dentro do avião. Qualquer outro animal deve viajar no compartimento de bagagem. Esse embarque só será liberado após o proprietário apresentar o comprovante de vacina anti-rábica, assim como o atestado de saúde assinado por veterinário e o certificado de sanidade emitido pelo Ministério da Agricultura. É o veterinário quem vai indicar a necessidade ou não de o animal ser sedado e em que tipo de gaiola deve ser acomodado. Tem mais: ao desembarcar no país estrangeiro, esse animal pode ser obrigado a cumprir um período de quarentena, o que acontece no Reino Unido, por exemplo.

15 - Qual o limite de bagagem nas viagens de navio e de trem?

Os navios da Costa Cruzeiros, por exemplo, permitem o embarque de um total de 90 quilos de bagagem por pessoa. Ótimo, não acha? Mas essa regalia vai criar um caos, se você quiser acomodar toda essa bagagem dentro da cabine. Lembre-se também de que, se o navio zarpar de uma cidade longe da sua, você terá de voar até lá - e ficar sujeito ao limite de peso imposto pela empresa aérea. Se a viagem for de trem, raramente alguém vai conferir peso e medidas de suas malas. Mas nem por isso vale a pena levar volumes grandes. A gerente de marketing Flavia Mendonça só conseguiu entrar no trem que a levou de Paris para Madri porque teve a ajuda de outros passageiros. "Eram três malas, um total de 80 quilos!", lembra. "O transtorno foi tamanho que agora só viajo de trem com uma mochila nas costas."

16 - Tenho muito o que carregar. Devo despachar por navio?

Serviços aéreos de carga são rápidos, mas caros. Já o transporte marítimo, leva uma eternidade para alcançar o destino, mas sai mais em conta. No trajeto Hong Kong-São Paulo, por exemplo, quem despachar uma carga por via aérea vai gastar praticamente o dobro do que se for enviá-la por mar. Porém, vai recebê-la em cinco dias, enquanto o transporte marítimo levaria cerca de 25. A estudante Elba Braga preferiu o navio para despachar de Liverpool, na Inglaterra, para o Recife, dois baús com objetos pessoais. Como não foi informada pela empresa marítima sobre a data da chegada do navio, só descobriu que sua bagagem estava à espera no porto nordestino muitas semanas depois. Por isso, teve de pagar o tempo de armazenamento e também o transporte terrestre da carga até Fortaleza, onde mora. "Mesmo assim, o preço saiu mais em conta do que se tivesse despachado por avião", diz. Onde encontrar empresas de carga marítima? Nas Páginas Amarelas.


Dicas de boas maneiras para evitar dar gafes no exterior:
1 - Que cuidados devo tomar para não queimar meu filme no meio da rua? Em certos países, comportamentos absolutamente normais para nós, brasileiros, podem virar grosseria se feitas em público. Na Coréia do Sul, ninguém assoa o nariz na rua e, no Japão, as pessoas não espirram diante das outras. Em Seul, não tente atravessar avenidas e ruas. Prefira as passagens subterrâneas existentes em todos os cruzamentos. Em lugares como a Suíça, os pedestres que cruzam a rua fora da faixa ou com sinal vermelho são advertidos. No Japão, pega mal falar alto ou gargalhar de uma piada, principalmente para as mulheres. Na Indonésia e Tailândia, casais de namorados não devem se beijar ou trocar carícias na frente dos outros. Para os indianos, ser encarado por estranhos é uma forma de humilhação. Em cidades grandes como Nova York e Paris, os inevitáveis esbarrões devem ser acompanhados de "Excuse me" e "Pardon".

2 - Em que países as minhas roupas podem me deixar numa saia-justa? Nos países islâmicos, principalmente. Nos mais ortodoxos, as mulheres andam cobertas da cabeça aos pés, sem expor braços ou pernas. Os cabelos também ficam escondidos sob um véu, que só pode ser retirado diante do marido. Dos homens, espera-se que andem com camisas de mangas longas e calças compridas. No período do Ramandan, esqueça as cores fortes, especialmente o vermelho. Na Índia, a menos que queira ser mais fotografado do que o Taj Mahal, não use roupas justas e decotadas. No Egito, só vista roxo se estiver de luto. Na Europa, saiba que os minúsculos biquínis brasileiros causam furor. Ali, o topless é encarado com naturalidade - mas as tangas, decididamente não.

3 - O que devo levar em conta na hora de cumprimentar? Esteja preparado tanto para ganhar um beijo na bochecha (ou até na boca!) de um marmanjo russo quanto uma cuspida no pé de um maori da Nova Zelândia. O universal aperto de mão vale para muitos países, mas você vai deixar uma boa impressão se adotar a saudação típica do lugar. Japoneses, chineses e coreanos curvam-se para a frente, intensificando a inclinação para demonstrar respeito. Indianos e tailandeses juntam as mãos em forma de prece, na altura do peito. Nos países islâmicos, utilize a mão direita para tocar o coração, a testa e acima da cabeça, nesta seqüência. Nos EUA, contenha-se. Não saia distribuindo beijos, prefira o aperto de mãos. Os latinos trocam abraços e tapinhas nas costas, mas os povos escandinavos são avessos a demonstrações efusivas. Se você ainda prefere o tradicional aperto de mão, nunca o faça com a outra no bolso, o que é visto como tremenda falta de educação em lugares como a Alemanha.

4 - Que povos, além do britânico, cobram uma pontualidade britânica? Não são só os ingleses. Também os suíços, alemães, escandinavos e orientais em geral estão entre os povos mais pontuais do mundo. Em seus países os trens partem, por exemplo, em horários quebrados - como 9h37. Nos Estados Unidos, espera-se que, ao reservar uma mesa num restaurante, a pessoa chegue com cerca de quinze minutos de antecedência. Já na América Latina, o conceito de pontualidade pode ser bem elástico. Mas tenha em mente que chegar atrasado é visto como um desrespeito ao tempo dos outros.

5 - E que sinais utilizados no dia-a-dia podem acabar confundindo o visitante? O círculo feito com o polegar e o dedo indicador, que para nós é gesto obsceno, para os americanos significa o.k. No Japão, quer dizer dinheiro; na França, algo sem valor; na Alemanha, equivale a chamar alguém de idiota e, na Tunísia, é uma ameaça de morte. Na Tailândia e Bulgária, os movimentos de sim e não feitos com a cabeça são invertidos. Na Austrália, fazer o "V" da vitória ou o conhecido gesto positivo com a mão fechada e o polegar para cima quer dizer que você está mandando alguém para aquele lugar indevido. Na Turquia, Romênia, Grécia e em alguns países latinos, a mão em figa tem conotação sexual, enquanto na Polônia, Rússia, Iugoslávia e Bulgária é uma resposta de cunho negativo. O gesto usado para pedir carona vira um convite sexual na região da italiana Sardenha, na Turquia e na Grécia. No Egito, esfregar os dois indicadores em movimentos paralelos é interpretado com segundas intenções.

6 - O que recomenda a prudência evitar ao tentar iniciar uma conversa fora do país? Evite assuntos polêmicos como política, religião e futebol. Cuidado ao fazer piadas. O senso de humor varia entre os povos. Não confunda um austríaco com um alemão, um belga com um francês, um lituano com um russo e muito menos um iraniano com um árabe. Canadenses não apreciam comparações entre seu país e os Estados Unidos. Sul-africanos já se cansaram de falar do apartheid. Russos não gostam de ser tratados pelo termo camarada (taváritch). Os alemães levam a sério comentários como "a gente se fala" ou "passa lá no hotel". No Japão, os elogios costumam ser encarados como falsidade. Na França, saiba que será mais bem tratado se mostrar que conhece algumas palavras em francês. Nos EUA, não se meta em discussões com autoridades. Perguntar a um americano quanto ele pesa, mede ou ganha também não é a melhor maneira de fazer amizade. E cuidado, muito cuidado, para não se enrolar todo com o portunhol.

7 - As relações entre homens e mulheres seguem normas rígidas nos países islâmicos. Como devo me comportar? O ideal é manter uma distância respeitosa do sexo oposto. Rapazes, não saiam encarando as mulheres; garotas, estejam atentas, a liberdade feminina é bem restrita. Além de terem de cobrir boa parte do corpo, muitas mulheres muçulmanas só podem sair à rua acompanhadas de outra mulher ou do pai, marido, irmão ou outro parente do sexo masculino. Também fazem as refeições em separado e não têm permissão para dirigir carros. Já o homem pode manter várias esposas. Namorados só devem se tocar depois do casamento. Nos transportes públicos, pessoas do sexo oposto não se sentam lado a lado.

8 - Como manter a elegância na hora de fotografar os outros? Lembre-se de que nem todo mundo gosta de ser fotografado. Mesmo no Brasil, há diversas superstições a respeito. Se quiser fazer o retrato de alguém, recomenda-se sempre pedir autorização. É educado e não arranca pedaço. Vários museus e templos não permitem fotos internas ou com o uso do flash. Respeite essas regras e também não invada áreas restritas, pois a vergonha de ter a atenção chamada em público não compensa nem a mais linda foto. Em certos países, você é que pode estar na mira da câmera dos outros. Foi o que aconteceu com a secretária Andréa de Camargo. "Eu me senti a rainha da Inglaterra na Índia. Os indianos viviam pedindo para tirar foto ao meu lado, por causa da minha pele clara", conta.

9 - Quanto dar de gorjeta sem parecer grosseiro ou um otário mão-aberta? Em primeiro lugar, fique atento à conta para ver se o serviço está incluído. Se não estiver, calcule entre 10% e 15% sobre o valor total. Tenha em mente que muitos profissionais garantem seu rendimento graças a elas, mas aumente a porcentagem apenas se considerar o serviço excepcional. Há lugares, porém, como Cingapura, onde a gorjeta não está entre os hábitos difundidos no país. Elas chegam a ser proibidas nos aeroportos. Na Coréia do Sul e no Japão, não se espera receber esse tipo de gratificação.

10 - Que gestos podem ser mal interpretados no exterior? Nos países árabes, mostrar a sola do sapato ao cruzar as pernas é grosseiro, pois esta é considerada a parte mais suja. Exibir a palma da mão para um grego, com os dedos esticados e abertos é a pior ofensa. Provém do costume bizantino de esfregar sujeira no rosto dos inimigos. Colocar as mãos nos quadris e encarar um mexicano dá a entender que você o está chamando para uma briga. Na Bélgica e na França, não pega bem para um homem ficar em pé, com as mãos nos bolsos, enquanto conversa com alguém. Na Itália, não apalpe as frutas para ver se estão maduras, a menos que queira aprender palavrões.
11- Não quero dar vexame à mesa. Como devo proceder?
No Japão, coma o macarrão colocando uma extremidade na boca e sugando o resto; tome sopa direto na tijela e sem colher. Coreanos e chineses dividem o mesmo prato central. Nos países árabes, arrotar após as refeições é considerado normal. Tomar a sopa ruidosamente na China é um elogio aos anfitriões e é um insulto recusar a comida. Se não quiser mais, disfarce, provando um pouco e espalhando o resto no prato. Se estiver na Jordânia, você ainda terá a chance de recusar duas vezes, mas na terceira deverá comer. Prepare o paladar para os pratos extremamente apimentados servidos no Nepal, Índia e Tailândia. Na Índia, Malásia, Egito, Marrocos, Arábia Saudita e Tailândia use somente a mão direita para comer. A maõ esquerda é somente para higiene íntima. Na Inglaterra, não enxugue o molho com o pão pois é considerado uma imensa falta de educação. Palitar os dentes na França é um dos maiores insultos e gafes!! Em Israel, os judeus mais religiosos não misturam carne com leite e tampouco comem carne de porco. Na Itália, a salada é servida depois do prato principal. A jornalista Claudia Matarazzo teve de pôr em prática seus reconhecidos conhecimentos de etiqueta durante um banquete no Japão. "Numa bela bandeja nos serviram vários camarõezinhos... vivos", lembra. "Eu não tinha a menor vontade de comer aquela coisa que não parava de mexer os bigodinhos, mas não teve jeito. Nem estava tão ruim. O pior foi a má impressão."

 


Lia Nagel